ANPG alarga prazo para entrega de propostas de licitação em onshore

  • Plataforma petrolífera
Luanda - A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) alargou, de 9 de Junho para 9 de Julho, o prazo de entrega das propostas ao concurso de licitação das bacias terrestres do Baixo Congo e do Kwanza.

Em comunicado a que ANGOP teve acesso, esta segunda-feira, a concessionária nacional ANPG, que não avançou números, decidiu também rever o valor do "entrance fee" (taxa de participação ou de entrada) das licitações, inicialmente de um milhão de dólares. 

Refere ainda que a Covid-19 continua a afectar a economia mundial,  tendo desestabilizado, igualmente, o mercado dos hidrocarbonetos.

Segundo o referido documento, a ANPG, que desde a sua criação se assume como motor propulsor da actividade petrolífera em Angola, optou por ouvir as sugestões do empresariado nacional e dos investidores estrangeiros, sobre a revisão do valor do “entrance fee” para facilitar a entrada de novos intervenientes.

Sem detalhar a revisão feita na taxa de participação, a ANPG justifica a decisão com o facto de muitas das empresas interessadas no processo terem solicitado um período mais alargado, para melhor conhecimento do dossier, dos dados que contém e também para o esclarecimento de dúvidas com os técnicos da Agência.

Acrescenta ainda que, a decisão justifica-se pelo facto de se tratar de exploração em terra, para a qual historicamente convergem empresas de menor dimensão e empresas nacionais, que têm interesse em participar na prospecção, exploração, desenvolvimento e produção de hidrocarbonetos em Angola.

Assim, a Agência decidiu prorrogar, por mais 30 dias, o prazo para a entrega das propostas para a “Licitação 2020”, das bacias terrestres do Baixo Congo e do Kwanza.

O concurso público para a “Licitação 2020” abrange um total de nove blocos, sendo três na Bacia Terrestre do Baixo Congo ( CON1, CON5 e CON6) e seis na do Kwanza (KON5, KON6, KON8, KON9, KON17 e KON20).

O  lançamento do concurso decorreu a 30 de Abril passado, com a publicação dos termos de referência, das regras do concurso público e dos modelos de candidatura e de submissão de propostas.

Em comunicado a que ANGOP teve acesso, esta segunda-feira, a concessionária nacional ANPG, que não avançou números, decidiu também rever o valor do "entrance fee" (taxa de participação ou de entrada) das licitações, inicialmente de um milhão de dólares. 

Refere ainda que a Covid-19 continua a afectar a economia mundial,  tendo desestabilizado, igualmente, o mercado dos hidrocarbonetos.

Segundo o referido documento, a ANPG, que desde a sua criação se assume como motor propulsor da actividade petrolífera em Angola, optou por ouvir as sugestões do empresariado nacional e dos investidores estrangeiros, sobre a revisão do valor do “entrance fee” para facilitar a entrada de novos intervenientes.

Sem detalhar a revisão feita na taxa de participação, a ANPG justifica a decisão com o facto de muitas das empresas interessadas no processo terem solicitado um período mais alargado, para melhor conhecimento do dossier, dos dados que contém e também para o esclarecimento de dúvidas com os técnicos da Agência.

Acrescenta ainda que, a decisão justifica-se pelo facto de se tratar de exploração em terra, para a qual historicamente convergem empresas de menor dimensão e empresas nacionais, que têm interesse em participar na prospecção, exploração, desenvolvimento e produção de hidrocarbonetos em Angola.

Assim, a Agência decidiu prorrogar, por mais 30 dias, o prazo para a entrega das propostas para a “Licitação 2020”, das bacias terrestres do Baixo Congo e do Kwanza.

O concurso público para a “Licitação 2020” abrange um total de nove blocos, sendo três na Bacia Terrestre do Baixo Congo ( CON1, CON5 e CON6) e seis na do Kwanza (KON5, KON6, KON8, KON9, KON17 e KON20).

O  lançamento do concurso decorreu a 30 de Abril passado, com a publicação dos termos de referência, das regras do concurso público e dos modelos de candidatura e de submissão de propostas.