BAI tem 2,4 mil milhões de kwanzas para região sul

  • Encontro entre classe empresarial huilana e banca comercial.
Lubango - O Banco Angolano de Investimento (BAI) tem actualmente disponíveis para créditos 2,4 mil milhões de Kwanzas, destinados a empresários da região sul, revelou na quinta-feira, no Lubango(Huíla), o delegado regional da instituição, Hélder Corte Real.

O gestor falava durante um encontro com os empresários e banca comercial, promovido pela Associação Agro-Pecuária Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), em parceria com a delegação regional sul do Banco Nacional de Angola (BNA), para ouvir as preocupações dos primeiros.

Corte Real afirmou que até o momento já receberam 26 projectos que após análise, 12 deles foram aprovados, mas antes de serem financiados terão de apresentar a documentação para que possam ser analisados ao pormenor.

Segundo ele, existem ainda outros seis projectos já financiados, deles três são da Huíla, dois do Namibe e um do Cunene.

Durante o lançamento do Programa de Apoio ao Credito (PAC), conforme o bancário, a administração do BAI prometeu um produto que fosse de fácil acesso, o “PAC Express”, que está disponível, com um limite máximo de 50 milhões, pelo que também pode ser acedido.

Destacou ser preciso que os produtores comecem a organizar-se, pois a exigência da banca para qualquer projecto passa pela análise financeira, sendo que o promotor tem de saber como fazer, qual é a experiência tem, o que vai ganhar, quais os custos, entre outras situações, que devem ser demonstradas.

Participaram do encontro mais de 60 pessoas entre a membros da AAPCIL, Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA),  Associação dos Promotores e Operadores de Turismo (Hotour) da Huíla, Fórum Angolano de Jovens Empreendedores (FAJE), Associação Industrial de Angola (AIA) na Huíla, entre outros.

 

 

O gestor falava durante um encontro com os empresários e banca comercial, promovido pela Associação Agro-Pecuária Comercial e Industrial da Huíla (AAPCIL), em parceria com a delegação regional sul do Banco Nacional de Angola (BNA), para ouvir as preocupações dos primeiros.

Corte Real afirmou que até o momento já receberam 26 projectos que após análise, 12 deles foram aprovados, mas antes de serem financiados terão de apresentar a documentação para que possam ser analisados ao pormenor.

Segundo ele, existem ainda outros seis projectos já financiados, deles três são da Huíla, dois do Namibe e um do Cunene.

Durante o lançamento do Programa de Apoio ao Credito (PAC), conforme o bancário, a administração do BAI prometeu um produto que fosse de fácil acesso, o “PAC Express”, que está disponível, com um limite máximo de 50 milhões, pelo que também pode ser acedido.

Destacou ser preciso que os produtores comecem a organizar-se, pois a exigência da banca para qualquer projecto passa pela análise financeira, sendo que o promotor tem de saber como fazer, qual é a experiência tem, o que vai ganhar, quais os custos, entre outras situações, que devem ser demonstradas.

Participaram do encontro mais de 60 pessoas entre a membros da AAPCIL, Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA),  Associação dos Promotores e Operadores de Turismo (Hotour) da Huíla, Fórum Angolano de Jovens Empreendedores (FAJE), Associação Industrial de Angola (AIA) na Huíla, entre outros.