Banca comercial recebe 38 novos pedidos no âmbito do PRODESI

  • Recepcao: Terminais Bancários Câmbio, nos Correios de Angola
Luanda - Trinta e oito novas solicitações de financiamentos transitaram para a Banca, na última semana, elevando-se para 95 projectos em negociação, no âmbito do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI).

De acordo com o secretário de Estado para a Economia, Mário Caetano João, os 95 projectos fazem parte dos instrumentos financeiros “Aviso 10/20 do BNA”, com 69 solicitações, “PAC” (24), “Linha de Crédito Deutsche Bank” e “DP 98/20 - Bens de origem Nacional”, com uma solicitação cada.

Falando no habitual Briefing do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), o responsável frisou que, desde 2019, os instrumentos e produtos financeiros ao dispor do PRODESI viabilizaram a aprovação de 780 projectos, perspectivando-se aproximadamente 50 mil postos de trabalho.

Os projectos aprovados ascendem a um valor aproximado de Kz 539,9 mil milhões.

Por outro lado, fez saber que decorre o cadastramento dos produtores no Portal da Divulgação da Produção Nacional (PPN), sendo que em termos acumulados, desde a sua operacionalização, a referida página virtual comporta 12 637 produtores nacionais, mais 120 que na semana passada.

De acordo com o secretário de Estado da Economia, os produtores registados são das províncias da Huíla (2.110), do Bié (1.586), Huambo (1.580), Malanje (1.288), Cunene (806) e Luanda (1.017), de Benguela (623), da Lunda Sul (545), do Bengo (426), Cuanza Norte (583), Uíge (330) e Cuanza Sul (518).

Outros estão resgistados em Cabinda (258), no Zaire (241), na Lunda Norte (228), no Namibe (237), Cuando Cubango (128) e Moxico (133).

Sobre as solicitações que aguardam pelo crédito há anos, Mário Caetano apontou como causas o processo de descentralização do sistema bancário, a preferência da banca em financiar determinado projecto em detrimento de outros, bem como o facto de Luanda continuar a ser a maior praça económica do país.

Quanto ao “Bureau de Crédito” (um serviço de informações sobre crédito), assegurou ser  uma actividade que está em funcionamento, como componente que pode ajudar a Banca a olhar para a disciplina de quem solicita financiamento e a sua cultura de pagamento de serviços públicos como água, energia, recolha de lixo, entre outros.

Em relação ao projecto de modernização das cooperativas de Angola, adiantou que o INAPEM desenvolveu 53 acções de capacitação, com o objectivo de modernizar a gestão das cooperativas e criar uma rede de gestores, preparados e disponíveis para o apoio necessário aos empresários que estejam organizados desta forma.

Por outra, continuou, no âmbito das visitas que estão a ser realizadas a nível das províncias pelo Ministério da Economia e Planeamento, está em curso um programa de formação, sendo que até ao momento foram formados mais de 800 “AMAPs”, que estarão encarregues de fazer o registo dos produtores a nível nacional.

Os Agentes Municipais de Apoio ao Produtor (AMAP) estão distribuídos pelas províncias do Uíge (96), Malanje (84),Huíla (84),Huambo (66),Lunda Norte (60), Benguela (60), Cuanza Norte (60), Bié (59),Moxico (54),Luanda (54), Zaire (36), Cunene (36), Bengo (36), Namibe (30), Cabinda (24) e Lunda Sul (24).

Em relação ao assunto, o director nacional para a Política da População do MEP, Adriano Celso Borja, fez saber que 54 AMAPs começam a trabalhar no mês de Junho, em Luanda, para a fase piloto do projecto.

Explicou que nesta fase os referidos agentes estarão a trabalhar nos municípios de Viana, Cacuaco e Cazenga, com o apoio dos serviços administrativos públicos de registo.

De acordo com o secretário de Estado para a Economia, Mário Caetano João, os 95 projectos fazem parte dos instrumentos financeiros “Aviso 10/20 do BNA”, com 69 solicitações, “PAC” (24), “Linha de Crédito Deutsche Bank” e “DP 98/20 - Bens de origem Nacional”, com uma solicitação cada.

Falando no habitual Briefing do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), o responsável frisou que, desde 2019, os instrumentos e produtos financeiros ao dispor do PRODESI viabilizaram a aprovação de 780 projectos, perspectivando-se aproximadamente 50 mil postos de trabalho.

Os projectos aprovados ascendem a um valor aproximado de Kz 539,9 mil milhões.

Por outro lado, fez saber que decorre o cadastramento dos produtores no Portal da Divulgação da Produção Nacional (PPN), sendo que em termos acumulados, desde a sua operacionalização, a referida página virtual comporta 12 637 produtores nacionais, mais 120 que na semana passada.

De acordo com o secretário de Estado da Economia, os produtores registados são das províncias da Huíla (2.110), do Bié (1.586), Huambo (1.580), Malanje (1.288), Cunene (806) e Luanda (1.017), de Benguela (623), da Lunda Sul (545), do Bengo (426), Cuanza Norte (583), Uíge (330) e Cuanza Sul (518).

Outros estão resgistados em Cabinda (258), no Zaire (241), na Lunda Norte (228), no Namibe (237), Cuando Cubango (128) e Moxico (133).

Sobre as solicitações que aguardam pelo crédito há anos, Mário Caetano apontou como causas o processo de descentralização do sistema bancário, a preferência da banca em financiar determinado projecto em detrimento de outros, bem como o facto de Luanda continuar a ser a maior praça económica do país.

Quanto ao “Bureau de Crédito” (um serviço de informações sobre crédito), assegurou ser  uma actividade que está em funcionamento, como componente que pode ajudar a Banca a olhar para a disciplina de quem solicita financiamento e a sua cultura de pagamento de serviços públicos como água, energia, recolha de lixo, entre outros.

Em relação ao projecto de modernização das cooperativas de Angola, adiantou que o INAPEM desenvolveu 53 acções de capacitação, com o objectivo de modernizar a gestão das cooperativas e criar uma rede de gestores, preparados e disponíveis para o apoio necessário aos empresários que estejam organizados desta forma.

Por outra, continuou, no âmbito das visitas que estão a ser realizadas a nível das províncias pelo Ministério da Economia e Planeamento, está em curso um programa de formação, sendo que até ao momento foram formados mais de 800 “AMAPs”, que estarão encarregues de fazer o registo dos produtores a nível nacional.

Os Agentes Municipais de Apoio ao Produtor (AMAP) estão distribuídos pelas províncias do Uíge (96), Malanje (84),Huíla (84),Huambo (66),Lunda Norte (60), Benguela (60), Cuanza Norte (60), Bié (59),Moxico (54),Luanda (54), Zaire (36), Cunene (36), Bengo (36), Namibe (30), Cabinda (24) e Lunda Sul (24).

Em relação ao assunto, o director nacional para a Política da População do MEP, Adriano Celso Borja, fez saber que 54 AMAPs começam a trabalhar no mês de Junho, em Luanda, para a fase piloto do projecto.

Explicou que nesta fase os referidos agentes estarão a trabalhar nos municípios de Viana, Cacuaco e Cazenga, com o apoio dos serviços administrativos públicos de registo.