Feira do Ambriz gera mais de quatro milhões de kwanzas

  • Feira do Ambriz
Caxito – A segunda edição da Feira Agrícola e Pescas do município do Ambriz, província do Bengo, gerou um volume de negócio de quatro milhões e quinhentos mil Kwanzas, superando a edição passada em que produziu três milhões de Kwanzas.

Conforme o administrador municipal adjunto para a área financeira do Ambriz, Hélio Ferreira, que falava à imprensa, no final do evento, decorrido de sábado a domingo, a feira teve mais diversidade de produtos e mais expositores, o que permitiu o aumento dos negócios e demonstrar as potencialidades do município.

Domingos Massuama, da cooperativa Alegria do Ambriz, manifestou a sua satisfação por a sua agremiação ter vendido todo o produto exposto na feira, mas pediu apoio do Governo para procurar soluções para se mitigar o problema da falta transporte e o mau estado da via de acesso a cooperativa.

Já o vice-presidente da cooperativa Pambulo Congo, da comuna do Tabi, Pedro de Souza Lisboa, sugeriu realização da Feira do Ambriz nos meses de Setembro e Outubro, por ser a época de colheita e que permitiria aos expositores terem uma maior quantidade e diversidade de produtos.

Sessenta e três expositores exibiram as suas potencialidades no ramo agrícola e das pescas, proporcionando uma oportunidade para compradores e vendedores realizarem negócios imediatos e perspectivar parcerias futuras.

O primeiro dia da feira foi o mais produtivo, sendo que grande parte dos produtos expostos foi comercializada.

A Feira do Ambriz enquadra-se nos objectivos do Projecto Integrado do Comércio Rural, consubstanciado na criação de condições para o equilíbrio entre a procura e a oferta, aproximando os produtores dos comerciantes.

A primeira edição da feira aconteceu em 2020 e serviu, sobretudo, para o escoamento da produção agrícola feitas nas comunas, com dificuldades para comercializar, devido à carência de transporte e o mau estado das vias.

Conforme o administrador municipal adjunto para a área financeira do Ambriz, Hélio Ferreira, que falava à imprensa, no final do evento, decorrido de sábado a domingo, a feira teve mais diversidade de produtos e mais expositores, o que permitiu o aumento dos negócios e demonstrar as potencialidades do município.

Domingos Massuama, da cooperativa Alegria do Ambriz, manifestou a sua satisfação por a sua agremiação ter vendido todo o produto exposto na feira, mas pediu apoio do Governo para procurar soluções para se mitigar o problema da falta transporte e o mau estado da via de acesso a cooperativa.

Já o vice-presidente da cooperativa Pambulo Congo, da comuna do Tabi, Pedro de Souza Lisboa, sugeriu realização da Feira do Ambriz nos meses de Setembro e Outubro, por ser a época de colheita e que permitiria aos expositores terem uma maior quantidade e diversidade de produtos.

Sessenta e três expositores exibiram as suas potencialidades no ramo agrícola e das pescas, proporcionando uma oportunidade para compradores e vendedores realizarem negócios imediatos e perspectivar parcerias futuras.

O primeiro dia da feira foi o mais produtivo, sendo que grande parte dos produtos expostos foi comercializada.

A Feira do Ambriz enquadra-se nos objectivos do Projecto Integrado do Comércio Rural, consubstanciado na criação de condições para o equilíbrio entre a procura e a oferta, aproximando os produtores dos comerciantes.

A primeira edição da feira aconteceu em 2020 e serviu, sobretudo, para o escoamento da produção agrícola feitas nas comunas, com dificuldades para comercializar, devido à carência de transporte e o mau estado das vias.