Biocom prevê aumento da produção de açúcar

  • Inicio da safra biocom 2021
Cacuso - Cento e vinte mil toneladas de açúcar branco serão produzidos pela Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) ao longo do ano agrícola de 2021, anunciou, nesta sexta-feira, o seu director-geral adjunto, Luís Bagorro.

De acordo com o responsável da companhia localizada no município de Cacuso, província de Malanje, na campanha agrícola de 2020 a Biocom produziu 118 mil toneladas de açúcar, menos duas mil toneladas que as programadas para a presente safra.

Ao tomar a palavra no acto de abertura da safra deste ano, Luís Bagorro disse que para a materialização do processo foram cultivados 27 mil e 700 hectares de cana-de-açúcar, que vão permitir a colheita de cerca de 23 mil toneladas de matéria-prima para o fabrico de açúcar, etanol e energia.

Ainda neste ano agrícola, a fábrica deverá produzir 18 mil metros cúbicos de etanol neutro, para as indústrias de bebidas, hospitalar e de higiene, bem como 63 mil megawatts de energia eléctrica renovável, informou.

“A produção da Biocom é 100 por cento nacional, o que permite reduzir as importações, economizar divisas e fortalecer a indústria nacional, na busca pela auto-suficiência alimentar, além de promover o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva da cana-de-açúcar”, enfatizou.

Na ocasião, o responsável falou do alinhamento da companhia com os programas do Executivo, em especial do PRODESI, com a produção de açúcar - um bem de primeira necessidade para a produção do etanol neutro usado na prevenção e combate à Covid-19.

A abertura da safra 2021 foi testemunhada pelo governador provincial, Norberto dos Santos, que pediu à Biocom para apoiar a população que vive nas redondezas da fazenda, sobretudo na preparação de terras aráveis.

De acordo com o responsável da companhia localizada no município de Cacuso, província de Malanje, na campanha agrícola de 2020 a Biocom produziu 118 mil toneladas de açúcar, menos duas mil toneladas que as programadas para a presente safra.

Ao tomar a palavra no acto de abertura da safra deste ano, Luís Bagorro disse que para a materialização do processo foram cultivados 27 mil e 700 hectares de cana-de-açúcar, que vão permitir a colheita de cerca de 23 mil toneladas de matéria-prima para o fabrico de açúcar, etanol e energia.

Ainda neste ano agrícola, a fábrica deverá produzir 18 mil metros cúbicos de etanol neutro, para as indústrias de bebidas, hospitalar e de higiene, bem como 63 mil megawatts de energia eléctrica renovável, informou.

“A produção da Biocom é 100 por cento nacional, o que permite reduzir as importações, economizar divisas e fortalecer a indústria nacional, na busca pela auto-suficiência alimentar, além de promover o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva da cana-de-açúcar”, enfatizou.

Na ocasião, o responsável falou do alinhamento da companhia com os programas do Executivo, em especial do PRODESI, com a produção de açúcar - um bem de primeira necessidade para a produção do etanol neutro usado na prevenção e combate à Covid-19.

A abertura da safra 2021 foi testemunhada pelo governador provincial, Norberto dos Santos, que pediu à Biocom para apoiar a população que vive nas redondezas da fazenda, sobretudo na preparação de terras aráveis.