Centro de Larvicultura bate recorde na produção de alevinos

Dondo - O Centro de Larvicultura de Massangano, no município de Cambambe (Cuanza Norte) produziu, no segundo semestre de 2020, um milhão e 235 mil alevinos da espécie tilapia, o maior recorde desde a criação da instituição em 2015.

Em declarações, nesta terça-feira, à Angop, o director do centro, António Escórcio, informou que o aumento da produção deve-se à reestruturação na gestão do centro, em curso desde Maio do ano passado.

O centro tem capacidade instalada para produzir dois milhões de alevinos/ano, cifra nunca alcançada, devido a problemas logísticos.

O processo de reestruturação do centro, prosseguiu, permitiu a terciarização na gestão do empreendimento, agora a cargo da empresa Gesterra.

Disse que a Gesterra tem como uma das principais estratégias a comercialização de peixe com peso de oito a 15 gramas, contrariamente ao passado em que se requeria tamanho superior.

Esta dinâmica, indicou, tem permitido o descongestionamento dos tanques de desenvolvimento e a introdução de novas quantidades nos lugares de reversão, criação e venda.

Recordou que o centro teve sempre uma produção igual ou inferior a 700 mil alevinos, mas com os novos métodos a direcção perspectiva explorar ao máximo a sua capacidade instalada.

Actualmente, o centro dispõe de 742 mil alevinos, que serão entregues, neste trimestre, a piscicultores de diversas províncias.

O Centro de Larvicultura de Massangano, além da província do Cuanza Norte, fornece alevinos no Cuanza Sul, Malanje, Luanda, Bengo, Uíge, Huambo, Bié, Benguela e Zaire.

 

Em declarações, nesta terça-feira, à Angop, o director do centro, António Escórcio, informou que o aumento da produção deve-se à reestruturação na gestão do centro, em curso desde Maio do ano passado.

O centro tem capacidade instalada para produzir dois milhões de alevinos/ano, cifra nunca alcançada, devido a problemas logísticos.

O processo de reestruturação do centro, prosseguiu, permitiu a terciarização na gestão do empreendimento, agora a cargo da empresa Gesterra.

Disse que a Gesterra tem como uma das principais estratégias a comercialização de peixe com peso de oito a 15 gramas, contrariamente ao passado em que se requeria tamanho superior.

Esta dinâmica, indicou, tem permitido o descongestionamento dos tanques de desenvolvimento e a introdução de novas quantidades nos lugares de reversão, criação e venda.

Recordou que o centro teve sempre uma produção igual ou inferior a 700 mil alevinos, mas com os novos métodos a direcção perspectiva explorar ao máximo a sua capacidade instalada.

Actualmente, o centro dispõe de 742 mil alevinos, que serão entregues, neste trimestre, a piscicultores de diversas províncias.

O Centro de Larvicultura de Massangano, além da província do Cuanza Norte, fornece alevinos no Cuanza Sul, Malanje, Luanda, Bengo, Uíge, Huambo, Bié, Benguela e Zaire.