Clientes da ENDE devem mais de cem mil milhões de kwanzas

  • Transformadores de energia eléctrica
Caxito – Mais de cem mil milhões de Kwanzas é valor da dívida dos clientes à Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE), em todo o país.

O facto foi revelado à imprensa, nesta terça-feira, no Bengo, pelo presidente do Conselho de Administração da ENDE, Hélder Adão, durante a inauguração da subestação eléctrica do Ambriz.

Sem precisar o real valor, o responsável explicou que a maior parte dos devedores se encontram na província de Luanda  ( à volta de um milhão de clientes), dos cerca de um milhão e 658 mil clientes no país.

Ressaltou que a ENDE tem estado a fazer pressão junto destes, no sentido diminuírem as suas dívida, ainda que faseadamente.

A nível da ENDE, disse, as dificuldades financeiras abrandaram a implementação de alguns projectos de electrificação no país, mas, ainda assim, a empresa está a negociar financiamentos para outras empreitadas, tais como o projecto de electrificação do triângulo dos Dembos, no  Bengo.

Quanto à subestação do Ambriz, que já funciona desde 2018 e inaugurada  apenas nesta terça-feira, explicou que a mesma tem a capacidade para 13 mil ligações, porém apenas 1.668 ligações domiciliares foram feitas até o momento.

Por esta razão,  considerou necessário o crescimento da actividade económica na localidade, para que o consumo possa crescer.

Por sua vez, a governadora do Bengo, Mara Quiosa, apontou a  falta de energia eléctrica na localidade como um dos factores que impedia o crescimento do município, situação que, segundo a governante, está completamente ultrapassada.

Apelou aos empresários nacionais e estrangeiros a investirem no município, pois neste momento possui todas as condições para o fomento de um empresariado forte.

A subestação eléctrica do Ambriz  tem uma potência instalada de 10 MVA e uma tensão de 60/30 KVA. 

Foi construída num período de oito meses, orçou em cerca de 35 milhões de dólares norte-americanos e recebe energia a partir do Ciclo Combinado do Soyo, província do Zaire.

 

 

O facto foi revelado à imprensa, nesta terça-feira, no Bengo, pelo presidente do Conselho de Administração da ENDE, Hélder Adão, durante a inauguração da subestação eléctrica do Ambriz.

Sem precisar o real valor, o responsável explicou que a maior parte dos devedores se encontram na província de Luanda  ( à volta de um milhão de clientes), dos cerca de um milhão e 658 mil clientes no país.

Ressaltou que a ENDE tem estado a fazer pressão junto destes, no sentido diminuírem as suas dívida, ainda que faseadamente.

A nível da ENDE, disse, as dificuldades financeiras abrandaram a implementação de alguns projectos de electrificação no país, mas, ainda assim, a empresa está a negociar financiamentos para outras empreitadas, tais como o projecto de electrificação do triângulo dos Dembos, no  Bengo.

Quanto à subestação do Ambriz, que já funciona desde 2018 e inaugurada  apenas nesta terça-feira, explicou que a mesma tem a capacidade para 13 mil ligações, porém apenas 1.668 ligações domiciliares foram feitas até o momento.

Por esta razão,  considerou necessário o crescimento da actividade económica na localidade, para que o consumo possa crescer.

Por sua vez, a governadora do Bengo, Mara Quiosa, apontou a  falta de energia eléctrica na localidade como um dos factores que impedia o crescimento do município, situação que, segundo a governante, está completamente ultrapassada.

Apelou aos empresários nacionais e estrangeiros a investirem no município, pois neste momento possui todas as condições para o fomento de um empresariado forte.

A subestação eléctrica do Ambriz  tem uma potência instalada de 10 MVA e uma tensão de 60/30 KVA. 

Foi construída num período de oito meses, orçou em cerca de 35 milhões de dólares norte-americanos e recebe energia a partir do Ciclo Combinado do Soyo, província do Zaire.