Concílio de Negócios Angola-Índia com foco na jovem mulher 

  • Elsa Barber, Secretária de Estado para Promoção da Mulher
Luanda - O Concílio de Negócios  Angola-Índia apresentado, neste sábado, tem em agenda, este ano, a criação de um ecossistema de apoio à jovem mulher empreendedora comunitária, no quadro da sua promoção social e económica. 

O primeiro grupo a apoiar foi identificado no município de Viana, arredores da cidade capital, onde 30 jovens mulheres dedicam-se a pequenos negócios para a subsistência dos seus familiares. 

"Já temos estas meninas a nossa espera, para que montemos alguma coisa para podermos apoiá-las na trajetória delas como empreendedoras comunitárias",  avançou a presidente do Concílio de Negócios em Angola, Lúcia Fernandes Stanislas, durante a cerimónia de apresentação oficial dos membros da agremiação. 

Com foco na mudança das mulheres que apostam no empreendedorismo, Lúcia Stanislas disse existerem várias acções a serem executadas em prol desta camada da sociedade.

Nos finais de 2020, com o apoio da Embaixada da Índia em Angola, a presidente do Concílio de Negócios Angola-Índia  manteve encontros, de forma virtual, com grupos de mentores internacionais, que estão disponíveis a apoiar o lançamento de um programa de mentoria para startups.

Entretanto, disse, um dos objectivos é criar oportunidades para aprendizagem e capacitação de mulheres empreendedoras, bem como as líderes de corporações.

Neste dia, foram apresentadas de forma oficial, por videoconferência, os 20 membros que compõem o "staff" do Concílio, constituído por mulheres de vários ramos, como a saúde, educação, finanças, banca, dos petróleo e gás, das tecnologia, da agricultura, moda, comunicação social e do empresariado, entre outros sectores que apoiam o empreendedorismo.

A propósito, a secretária de Estado da  Família e Promoção da Mulher, Elsa Barber, enalteceu a iniciativa, destacando o papel do empreendedorismo feminino, como oportunidade para o  crescimento da  carreira das  mulheres. 

Neste fórum, a responsável defendeu maior presença da mulher em actividades  comerciais , visto ser um sector que alimenta a economia dos países, tendo defendido, para o efeito, a criação de condições que derrubem qualquer barreira para o seu envolvimento. 

A cerimónia do Concílio de Negócios Angola-Índia contou com o apoio da rede global de apoio da Liga de Todas as Senhoras (ALL-sigla inglesa) e do Fórum Económico Feminino (WEF-sigla inglesa), a Câmara de Comércio e Indústria das Mulheres Indianas (WICCI), que trabalha para promover mudanças fundamentais nas políticas, leis e incentivos governamentais, com uma visão para encorajar e capacitar fortemente as mulheres nos negócios, indústria e comércio em todos os setores, na Índia e internacionalmente.

O Concílio tem como intenção desenvolver diferentes áreas, para integrar a voz das mulheres e defender os seus interesses na formulação de políticas a fim de ajudá-las a obter melhores incentivos, melhorar o acesso ao financiamento e outras medidas que capacitem a competitividade das mulheres de negócios, empreendedoras e profissionais.

O primeiro grupo a apoiar foi identificado no município de Viana, arredores da cidade capital, onde 30 jovens mulheres dedicam-se a pequenos negócios para a subsistência dos seus familiares. 

"Já temos estas meninas a nossa espera, para que montemos alguma coisa para podermos apoiá-las na trajetória delas como empreendedoras comunitárias",  avançou a presidente do Concílio de Negócios em Angola, Lúcia Fernandes Stanislas, durante a cerimónia de apresentação oficial dos membros da agremiação. 

Com foco na mudança das mulheres que apostam no empreendedorismo, Lúcia Stanislas disse existerem várias acções a serem executadas em prol desta camada da sociedade.

Nos finais de 2020, com o apoio da Embaixada da Índia em Angola, a presidente do Concílio de Negócios Angola-Índia  manteve encontros, de forma virtual, com grupos de mentores internacionais, que estão disponíveis a apoiar o lançamento de um programa de mentoria para startups.

Entretanto, disse, um dos objectivos é criar oportunidades para aprendizagem e capacitação de mulheres empreendedoras, bem como as líderes de corporações.

Neste dia, foram apresentadas de forma oficial, por videoconferência, os 20 membros que compõem o "staff" do Concílio, constituído por mulheres de vários ramos, como a saúde, educação, finanças, banca, dos petróleo e gás, das tecnologia, da agricultura, moda, comunicação social e do empresariado, entre outros sectores que apoiam o empreendedorismo.

A propósito, a secretária de Estado da  Família e Promoção da Mulher, Elsa Barber, enalteceu a iniciativa, destacando o papel do empreendedorismo feminino, como oportunidade para o  crescimento da  carreira das  mulheres. 

Neste fórum, a responsável defendeu maior presença da mulher em actividades  comerciais , visto ser um sector que alimenta a economia dos países, tendo defendido, para o efeito, a criação de condições que derrubem qualquer barreira para o seu envolvimento. 

A cerimónia do Concílio de Negócios Angola-Índia contou com o apoio da rede global de apoio da Liga de Todas as Senhoras (ALL-sigla inglesa) e do Fórum Económico Feminino (WEF-sigla inglesa), a Câmara de Comércio e Indústria das Mulheres Indianas (WICCI), que trabalha para promover mudanças fundamentais nas políticas, leis e incentivos governamentais, com uma visão para encorajar e capacitar fortemente as mulheres nos negócios, indústria e comércio em todos os setores, na Índia e internacionalmente.

O Concílio tem como intenção desenvolver diferentes áreas, para integrar a voz das mulheres e defender os seus interesses na formulação de políticas a fim de ajudá-las a obter melhores incentivos, melhorar o acesso ao financiamento e outras medidas que capacitem a competitividade das mulheres de negócios, empreendedoras e profissionais.