Concurso do Aterro dos Mulenvos entra em avaliação técnica

Luanda - Onze das 25 empresas nacionais e estrangeiras que submeteram candidaturas para o concurso de gestão do Aterro Sanitário dos Mulenvos estão a ser avaliadas técnica e financeiramente, revelou hoje, em Luanda, o director para Parcerias Público Privadas (PPPs) do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), Rui Simões.

O responsável, que falava no habitual Briefing Bi-semanal do MEP, disse que as 11 candidaturas em avaliação terão, em um mês, um convite formal da comissão organizadora do concurso para apresentarem as propostas técnicas e financeiras concretas.

Essas propostas concretas, apontou, serão analisadas e avaliadas finalmente, para, posteriormente, ser conhecido o vencedor do concurso em modelo de PPP.

O processo tem sido conduzido integralmente à luz da Lei dos Contratos Públicos (Lei nº41/20 de 23 de Dezembro), por intermédio do Portal do Serviço Nacional da Contratação Pública (SNCP).

O projecto de Concessão para a Gestão do Aterro Sanitário dos Mulenvos, aprovado pelo Despacho Presidencial nº 34/21 de 24 de Março, será implementado numa modalidade de Parceria Público-Privada e prevê a valorização dos resíduos sólidos através da reciclagem, venda dos resíduos reciclados, compostagem, incineração, biogás e produção de energia (biomassa).

 

O responsável, que falava no habitual Briefing Bi-semanal do MEP, disse que as 11 candidaturas em avaliação terão, em um mês, um convite formal da comissão organizadora do concurso para apresentarem as propostas técnicas e financeiras concretas.

Essas propostas concretas, apontou, serão analisadas e avaliadas finalmente, para, posteriormente, ser conhecido o vencedor do concurso em modelo de PPP.

O processo tem sido conduzido integralmente à luz da Lei dos Contratos Públicos (Lei nº41/20 de 23 de Dezembro), por intermédio do Portal do Serviço Nacional da Contratação Pública (SNCP).

O projecto de Concessão para a Gestão do Aterro Sanitário dos Mulenvos, aprovado pelo Despacho Presidencial nº 34/21 de 24 de Março, será implementado numa modalidade de Parceria Público-Privada e prevê a valorização dos resíduos sólidos através da reciclagem, venda dos resíduos reciclados, compostagem, incineração, biogás e produção de energia (biomassa).