Correios de Angola arrecadam mais de AKz 24 milhões

  • Correios de Angola
Huambo – Vinte e quanto milhões, 242 mil e 856 Kwanzas é o valor arrecadado pelos Correios de Angola na região Centro-Sul do país, durante o ano económico 2020, contra 19 milhões em 2019.

Os dados foram prestados hoje, quinta-feira, à ANGOP, pelo director desta empresa na região Centro-Sul de Angola, Jorge Baião, referindo que o aumento resultou da importância atribuída a estes serviços, em consequência das medidas de restrição impostas pela Covid-19.

Disse que os valores são provenientes dos emolumentos com a impressão de documentos, aluguer de caixas postais e do uso de internet por pessoas singulares e colectivas.

O responsável informou que a província do Huambo, com 68 por cento do total de receitas, é a que mais arrecadou, seguida do Cuanza Sul, com 25%, Bié (4%) e Cuando Cubango, com três por cento.

Jorge Baião disse que as principais dificuldades da instituição, além da insuficiência de recursos humanos, num total de 72 para quatro províncias, estão relacionadas com as restrições no fornecimento de energia eléctrica e de abastecimento de água potável.

Acrescentou que os Correios de Angola contam, nesta região, com 11 estações em funcionamento, sendo quatro na província do Huambo, igual número no Cuanza Sul, duas no Bié e uma no Cuanza Sul.

A par destas, o responsável informou ainda a existência de outras cinco inactivas, localizadas nas provinciais do Huambo, Cuanza Sul e Bié.

Criados a 07 de Dezembro de 1797, os Correios de Angola prestam diversos tipos de serviços, entre tradicionais, designadamente o correio normal, azul, registado, empresarial e postal, enquanto os convencionais são apartados, taxa de circulação, internet, fax, digitalização e venda de recargas diversas.

Na província do Huambo, sede da Região Centro-Sul, os serviços de Correios estão em quatro dos 11 municípios, nomeadamente Huambo, Caála, Bailundo e Ucuma.

Os dados foram prestados hoje, quinta-feira, à ANGOP, pelo director desta empresa na região Centro-Sul de Angola, Jorge Baião, referindo que o aumento resultou da importância atribuída a estes serviços, em consequência das medidas de restrição impostas pela Covid-19.

Disse que os valores são provenientes dos emolumentos com a impressão de documentos, aluguer de caixas postais e do uso de internet por pessoas singulares e colectivas.

O responsável informou que a província do Huambo, com 68 por cento do total de receitas, é a que mais arrecadou, seguida do Cuanza Sul, com 25%, Bié (4%) e Cuando Cubango, com três por cento.

Jorge Baião disse que as principais dificuldades da instituição, além da insuficiência de recursos humanos, num total de 72 para quatro províncias, estão relacionadas com as restrições no fornecimento de energia eléctrica e de abastecimento de água potável.

Acrescentou que os Correios de Angola contam, nesta região, com 11 estações em funcionamento, sendo quatro na província do Huambo, igual número no Cuanza Sul, duas no Bié e uma no Cuanza Sul.

A par destas, o responsável informou ainda a existência de outras cinco inactivas, localizadas nas provinciais do Huambo, Cuanza Sul e Bié.

Criados a 07 de Dezembro de 1797, os Correios de Angola prestam diversos tipos de serviços, entre tradicionais, designadamente o correio normal, azul, registado, empresarial e postal, enquanto os convencionais são apartados, taxa de circulação, internet, fax, digitalização e venda de recargas diversas.

Na província do Huambo, sede da Região Centro-Sul, os serviços de Correios estão em quatro dos 11 municípios, nomeadamente Huambo, Caála, Bailundo e Ucuma.