Projectos de prospecção mineira ganham espaço no Cuanza Norte

  • Pedra de diamante
Ndalatando – Três empresas exercem actualmente actividade de prospecção de minas de diamante, ouro e ferro na província do Cuanza Norte, informou esta quarta-feira, em Ndalatando, o director provincial do Gabinete Económico Integrado no Cuanza Norte, Fernando Humberto Mesquita.

Em declarações à imprensa, Fernando Mesquita disse que estão em curso actividades de prospecção de diamante, na margem do rio Cuanza, na comuna de São Pedro da Quilemba, município de Cambambe e ouro nos municípios da Banga e Ngonguembo.

Já a prospecção de ferro está a ser feita nas comunas do Zenza do Itombe (Cambambe) e da Cerca, no município do Golungo Alto.

Os trabalhos de pesquisa e prospecção das referidas concessões iniciaram há cerca de dois anos e abrangem um levantamento profundo das minas existentes naqueles municípios, tendo em conta que são localidades que têm grande potencial no sector mineiro, de acordo com a carta de recursos minerais de Angola.

Segundo o responsável,  os trabalhos de pesquisa têm como objectivo principal efectuar estudos topográficos, geofísico e químico, para a confirmação ou descoberta dos referidos mineiros e posterior exploração.

Não foram reveladas a empresas envolvidas na pesquisa, tão pouco o volume dos investimentos realizados pelas mineradoras, para a referida actividade.

Sublinhou que estes projectos são tidos como prioritários na estratégia do Executivo para a saída da crise económica, a diversificação das receitas fiscais e o aumento dos recursos cambiais.

Disse que os trabalhos de prospecção já geraram, numa primeira fase, dezenas de postos de trabalhos directos, um número que pode aumentar de acordo com os resultados.

Fez saber que o Cuanza Norte tem muitos recursos minerais, mas deve ser feito um trabalho de prospecção para se saber a localização, quantidade e qualidade destes recursos.

Salientou que a actividade mineira vai ter um impacto positivo na província, particularmente no que se refere ao aumento dos postos de trabalho e da procura de bens e serviços para satisfazer as necessidades das empresas mineiras.

Enquanto isso, continuou, as operações do sector mineiro no Cuanza Norte são, actualmente, dominadas pela exploração de inertes, de que já foram extraídos 132. 654 metros cúbicos, de Janeiro de 2020 a Março de 2021, e vendidos 114 mil 624 metros cúbicos, que resultaram numa facturação de184 milhões, 498 mil e 300 kwanzas.

Doze empresas operam na indústria mineira da província, em igual número de minas, proporcionado perto de 100 postos de trabalho.

De 2012 a 2015, a província registava 120 empresas que ofereciam 194 postos de trabalho, dos quais 108 cessaram as actividades, por conta da crise económica registada, a partir de 2014, e que afectou, sobretudo o sector da construção civil, o principal consumidor destas matérias primais.

O Cuanza Norte detém inúmeras reservas de minérios, com destaque para o granito, mármore, manganês, argila, diamantes, lítio, ferro, entre outros.

É nesta senda que a cidade de Ndalatando, capital do Cuanza Norte, acolhe, nos dias cinco e seis do corrente mês, o 6º Conselho Consultivo do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleos e Gás, para dentro outros assuntos analisar o funcionamento do sector.

O evento vai decorrer sob o lema “Modelo de Governação do Sector: Implementação e Resultados”, sob orientação do titular da pasta, Diamantino de Azevedo.

O encontro vai avaliar o grau de cumprimento do Programa de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018- 2022 revisto e das recomendações do 5º conselho consultivo do pelouro.

No domínio dos recursos minerais,os participantes vão debater questões como a implementação da política de comercialização de diamantes, elementos de terra rara: ocorrências, utilidades e importância económica.

No domínio do petróleo e gás farão a apreciação da estratégia de refinação de Angola e de licitação, resultados presentes e perspectivas, entre outros.

No evento serão apresentados os resultados do Plano Nacional de Geologia (PLANAGEO) e o estado actual dos projectos mineiros referentes à província do Cuanza Norte.

 

Em declarações à imprensa, Fernando Mesquita disse que estão em curso actividades de prospecção de diamante, na margem do rio Cuanza, na comuna de São Pedro da Quilemba, município de Cambambe e ouro nos municípios da Banga e Ngonguembo.

Já a prospecção de ferro está a ser feita nas comunas do Zenza do Itombe (Cambambe) e da Cerca, no município do Golungo Alto.

Os trabalhos de pesquisa e prospecção das referidas concessões iniciaram há cerca de dois anos e abrangem um levantamento profundo das minas existentes naqueles municípios, tendo em conta que são localidades que têm grande potencial no sector mineiro, de acordo com a carta de recursos minerais de Angola.

Segundo o responsável,  os trabalhos de pesquisa têm como objectivo principal efectuar estudos topográficos, geofísico e químico, para a confirmação ou descoberta dos referidos mineiros e posterior exploração.

Não foram reveladas a empresas envolvidas na pesquisa, tão pouco o volume dos investimentos realizados pelas mineradoras, para a referida actividade.

Sublinhou que estes projectos são tidos como prioritários na estratégia do Executivo para a saída da crise económica, a diversificação das receitas fiscais e o aumento dos recursos cambiais.

Disse que os trabalhos de prospecção já geraram, numa primeira fase, dezenas de postos de trabalhos directos, um número que pode aumentar de acordo com os resultados.

Fez saber que o Cuanza Norte tem muitos recursos minerais, mas deve ser feito um trabalho de prospecção para se saber a localização, quantidade e qualidade destes recursos.

Salientou que a actividade mineira vai ter um impacto positivo na província, particularmente no que se refere ao aumento dos postos de trabalho e da procura de bens e serviços para satisfazer as necessidades das empresas mineiras.

Enquanto isso, continuou, as operações do sector mineiro no Cuanza Norte são, actualmente, dominadas pela exploração de inertes, de que já foram extraídos 132. 654 metros cúbicos, de Janeiro de 2020 a Março de 2021, e vendidos 114 mil 624 metros cúbicos, que resultaram numa facturação de184 milhões, 498 mil e 300 kwanzas.

Doze empresas operam na indústria mineira da província, em igual número de minas, proporcionado perto de 100 postos de trabalho.

De 2012 a 2015, a província registava 120 empresas que ofereciam 194 postos de trabalho, dos quais 108 cessaram as actividades, por conta da crise económica registada, a partir de 2014, e que afectou, sobretudo o sector da construção civil, o principal consumidor destas matérias primais.

O Cuanza Norte detém inúmeras reservas de minérios, com destaque para o granito, mármore, manganês, argila, diamantes, lítio, ferro, entre outros.

É nesta senda que a cidade de Ndalatando, capital do Cuanza Norte, acolhe, nos dias cinco e seis do corrente mês, o 6º Conselho Consultivo do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleos e Gás, para dentro outros assuntos analisar o funcionamento do sector.

O evento vai decorrer sob o lema “Modelo de Governação do Sector: Implementação e Resultados”, sob orientação do titular da pasta, Diamantino de Azevedo.

O encontro vai avaliar o grau de cumprimento do Programa de Desenvolvimento Nacional (PDN) 2018- 2022 revisto e das recomendações do 5º conselho consultivo do pelouro.

No domínio dos recursos minerais,os participantes vão debater questões como a implementação da política de comercialização de diamantes, elementos de terra rara: ocorrências, utilidades e importância económica.

No domínio do petróleo e gás farão a apreciação da estratégia de refinação de Angola e de licitação, resultados presentes e perspectivas, entre outros.

No evento serão apresentados os resultados do Plano Nacional de Geologia (PLANAGEO) e o estado actual dos projectos mineiros referentes à província do Cuanza Norte.