Diamantes semi-industriais rendem mais de USD 5 milhões

  • Diamantes
Luanda - As receitas derivadas das vendas dos diamantes semi-industriais no país fixaram-se na ordem dos cinco milhões 145 mil 311 dólares norte americanos, de Março de 2019 a Setembro de 2021, informou esta sexta-feira, em Luanda, a administradora Executiva da Endiama, Ana Feijó.

Durante o referido período, apontou a responsável, que falava durante o segundo encontro de balanço das actividades mineiras semi-industriais, foram produzidas 34. 855,53 kilates de diamantes, vendidos ao preço médio de 88 a 131,18 dólares por kilates.

Ana Feijó fez ainda saber que as actividades semi-industriais permitiram empregar 4.651 trabalhadores, entre nacionais e estrangeiros, havendo, comparativamente ao ano de 2019, um acréscimo de mais de mil trabalhadores.

Ainda no período em referência, disse que as provinciais que mais se destacaram, em termos de número de cooperativas diamantíferas, são a Lunda Norte com 81, Lunda Sul com 57, Malanje e Uije com 48, e Bié com 20.

As províncias do Cuanza Sul com 9 e o Cuanza Norte com apenas uma cooperativa foram as que menos cooperativas registaram, num total de 264 cooperativas deste sector existentes no país.

No entanto, explicou que grande número de cooperativas já licenciadas estão “inoperantes”, umas por estarem ainda em processo de mobilização de meios e equipamentos, enquanto outras por falta de liquidez financeira.

Na ocasião, o ministro dos Recursos Minerais Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, fez saber que há necessidade de se continuar a trabalhar para o progresso, cada vez mais, das cooperativas em benefício do Estado e da qualidade de vida das comunidades.

O governante explicou que as cooperativas visam criar condições para integrar os mineiros artesanais na exploração semi-industrial de diamantes, com vista a um melhor aproveitamento dos recursos em benefício da população, aumentar as receitas do Estado e desencorajar o garimpo ilegal.

O segundo encontro de balanço das actividades mineiras semi-industriais, realizado pelo Ministério dos Recursos Minerais Petróleo e Gás, abordou aspectos relacionados com o licenciamento e cadastro mineiro, prazos de títulos dos direitos mineiros e comercialização de diamantes.

Participaram do mesmo, representantes de cooperativas mineiras, empresas diamantíferas e responsáveis do ministério.

Durante o referido período, apontou a responsável, que falava durante o segundo encontro de balanço das actividades mineiras semi-industriais, foram produzidas 34. 855,53 kilates de diamantes, vendidos ao preço médio de 88 a 131,18 dólares por kilates.

Ana Feijó fez ainda saber que as actividades semi-industriais permitiram empregar 4.651 trabalhadores, entre nacionais e estrangeiros, havendo, comparativamente ao ano de 2019, um acréscimo de mais de mil trabalhadores.

Ainda no período em referência, disse que as provinciais que mais se destacaram, em termos de número de cooperativas diamantíferas, são a Lunda Norte com 81, Lunda Sul com 57, Malanje e Uije com 48, e Bié com 20.

As províncias do Cuanza Sul com 9 e o Cuanza Norte com apenas uma cooperativa foram as que menos cooperativas registaram, num total de 264 cooperativas deste sector existentes no país.

No entanto, explicou que grande número de cooperativas já licenciadas estão “inoperantes”, umas por estarem ainda em processo de mobilização de meios e equipamentos, enquanto outras por falta de liquidez financeira.

Na ocasião, o ministro dos Recursos Minerais Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, fez saber que há necessidade de se continuar a trabalhar para o progresso, cada vez mais, das cooperativas em benefício do Estado e da qualidade de vida das comunidades.

O governante explicou que as cooperativas visam criar condições para integrar os mineiros artesanais na exploração semi-industrial de diamantes, com vista a um melhor aproveitamento dos recursos em benefício da população, aumentar as receitas do Estado e desencorajar o garimpo ilegal.

O segundo encontro de balanço das actividades mineiras semi-industriais, realizado pelo Ministério dos Recursos Minerais Petróleo e Gás, abordou aspectos relacionados com o licenciamento e cadastro mineiro, prazos de títulos dos direitos mineiros e comercialização de diamantes.

Participaram do mesmo, representantes de cooperativas mineiras, empresas diamantíferas e responsáveis do ministério.