Dívida à ENDE ultrapassa os 200 milhões de Kwanzas na Caála

  • Técnicos da ENDE em actividade
Caála – Duzentos e nove milhões, 631 mil e 804 Kwanzas é o montante que os consumidores de energia eléctrica devem à Empresa Nacional de Electricidade (ENDE), no município da Caála (Huambo), soube a ANGOP nesta sexta-feira.

Segundo o administrador adjunto desta municipalidade para área Técnica e Serviços Comunitários, Tomás de Jesus, à saída de um encontro com os responsáveis desta empresa pública, a dívida foi contraída nos últimos nove anos, por 11 mil e 213 clientes das redes de baixa e média tensão.

O responsável disse que entre os devedores constam particulares e colectivos, com realce para instituições públicas, daí a razão do encontro que serviu para negociar as formas de pagamento que, em princípio, deverão ser feitas em cinco prestações.

Nesta conformidade, Tomás de Jesus disse que as partes concordaram que a ENDE deverá trabalhar com os líderes comunitários, as comissões de moradores, entidades religiosas, membros de partidos políticos e outros, a fim de fiscalizarem o cumprimento das formas de liquidação da dívida, principalmente para as empresas com dívidas mais elevadas.

O responsável enalteceu a forma pedagógica com que a ENDE tem estado a levar a mensagem de cobrança aos devedores, apesar das dificuldades que enfrenta com a falta de dinheiro para investir em novos projectos.

Com quatro comunas (Calenga, Catata, Cuima e Sede), numa extensão territorial de três mil e 680 quilómetros quadrados, vivem no município da Caála, cuja sede está a 23 quilómetros da cidade do Huambo, 342 mil e 463 habitantes.

Segundo o administrador adjunto desta municipalidade para área Técnica e Serviços Comunitários, Tomás de Jesus, à saída de um encontro com os responsáveis desta empresa pública, a dívida foi contraída nos últimos nove anos, por 11 mil e 213 clientes das redes de baixa e média tensão.

O responsável disse que entre os devedores constam particulares e colectivos, com realce para instituições públicas, daí a razão do encontro que serviu para negociar as formas de pagamento que, em princípio, deverão ser feitas em cinco prestações.

Nesta conformidade, Tomás de Jesus disse que as partes concordaram que a ENDE deverá trabalhar com os líderes comunitários, as comissões de moradores, entidades religiosas, membros de partidos políticos e outros, a fim de fiscalizarem o cumprimento das formas de liquidação da dívida, principalmente para as empresas com dívidas mais elevadas.

O responsável enalteceu a forma pedagógica com que a ENDE tem estado a levar a mensagem de cobrança aos devedores, apesar das dificuldades que enfrenta com a falta de dinheiro para investir em novos projectos.

Com quatro comunas (Calenga, Catata, Cuima e Sede), numa extensão territorial de três mil e 680 quilómetros quadrados, vivem no município da Caála, cuja sede está a 23 quilómetros da cidade do Huambo, 342 mil e 463 habitantes.