DMCC quer alavancar mercado cafeícola nacional

  • Campos agrícolas na província da Huíla
Luanda - A Direcção Mundial da Central das Commodities (DMCC) dos Emirados Árabes Unidos pretende instalar, nos próximos tempos, um Centro Integrado Especializado de Café em Angola.

O centro, que vai se dedicar à formação, produção e exportação desse produto, vai alavancar o mercado cafeícola nacional, revelou hoje (quinta-feira) o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos, Braúlio Martins.

No final do encontro (webinar) sobre “Oportunidades de Investimentos em Angola, explicou que, para a materialização desse processo, prevê-se uma visita da comitiva angolana ao Dubai, em Março próximo e será seguida outra do Sheik da DMCC ao país.

Referiu que, no passado dia 12 de Novembro, uma comissão conjunta do sector da Agricultura e a Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos teve um encontro com a direcção da DMCC.

O responsável disse constituir uma vantagem o facto da  DMCC, como a maior commodities de café e diamantes do Dubai, manifestar interesse em  apoiar Angola no sector cafeículo.

Braúlio Martins lembrou que, nos anos 70, Angola foi um dos maiores países exportadores de café e o melhor a nível do continente africano.

Para ele, a iniciativa vai alavancar o mercado nacional do café, para que o país volte aos momentos gloriosos nesta actividade.

Dubai reconhece potencial angolano no sector não petrolífero

Ao intervir no encontro, o presidente da câmara, Hassan Elashemi, referiu que Angola tem um potencial de crescimento nos sectores não petrolíferos, como é o caso da agricultura, construção civil, turismo e hospitalidade.

Disse ser salutar as medidas angolanas para capacitar as pequenas e médias empresas, investimento em infra-estruturas, redução dos custos empresariais e impulsionar a competitividade económica.

Alinhado a esse esforço, disse que os Emirados Árabes Unidos e o Dubai podem oferecer um nível adequado de conhecimento, investimentos necessários para preencher lacunas no mercado e apoiar o desenvolvimento sustentável de Angola.

Ministra  dá nota positiva na relação com os EAU

No encontro, a ministra das Finanças, Vera Daves, que participou através de um vídeo, afirmou que Angola atribui uma grande importância nas relações económicas e comerciais com os Emirados Árabes Unidos.

Esclareceu que as autoridades angolanas estão engajadas na melhoria do ambiente de negócios, tanto na modernização do investimento privado, no combate à corrupção, melhorias de infra-estruturas e na redução de custos, eliminação da dupla tributação, entre outros desafios.

Ao se referir aos benefícios na relação com os EAU, afirmou que  trás e trará mais infra-estruturas, empregos, melhoria de vida da população, entre outras vantagens ao país.

A Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos tem 27 empresas associadas, cinco startups, sete médias empresas, grupos de empresas, empresários singulares que operam nos mais diversos sectores económicos.

O centro, que vai se dedicar à formação, produção e exportação desse produto, vai alavancar o mercado cafeícola nacional, revelou hoje (quinta-feira) o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos, Braúlio Martins.

No final do encontro (webinar) sobre “Oportunidades de Investimentos em Angola, explicou que, para a materialização desse processo, prevê-se uma visita da comitiva angolana ao Dubai, em Março próximo e será seguida outra do Sheik da DMCC ao país.

Referiu que, no passado dia 12 de Novembro, uma comissão conjunta do sector da Agricultura e a Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos teve um encontro com a direcção da DMCC.

O responsável disse constituir uma vantagem o facto da  DMCC, como a maior commodities de café e diamantes do Dubai, manifestar interesse em  apoiar Angola no sector cafeículo.

Braúlio Martins lembrou que, nos anos 70, Angola foi um dos maiores países exportadores de café e o melhor a nível do continente africano.

Para ele, a iniciativa vai alavancar o mercado nacional do café, para que o país volte aos momentos gloriosos nesta actividade.

Dubai reconhece potencial angolano no sector não petrolífero

Ao intervir no encontro, o presidente da câmara, Hassan Elashemi, referiu que Angola tem um potencial de crescimento nos sectores não petrolíferos, como é o caso da agricultura, construção civil, turismo e hospitalidade.

Disse ser salutar as medidas angolanas para capacitar as pequenas e médias empresas, investimento em infra-estruturas, redução dos custos empresariais e impulsionar a competitividade económica.

Alinhado a esse esforço, disse que os Emirados Árabes Unidos e o Dubai podem oferecer um nível adequado de conhecimento, investimentos necessários para preencher lacunas no mercado e apoiar o desenvolvimento sustentável de Angola.

Ministra  dá nota positiva na relação com os EAU

No encontro, a ministra das Finanças, Vera Daves, que participou através de um vídeo, afirmou que Angola atribui uma grande importância nas relações económicas e comerciais com os Emirados Árabes Unidos.

Esclareceu que as autoridades angolanas estão engajadas na melhoria do ambiente de negócios, tanto na modernização do investimento privado, no combate à corrupção, melhorias de infra-estruturas e na redução de custos, eliminação da dupla tributação, entre outros desafios.

Ao se referir aos benefícios na relação com os EAU, afirmou que  trás e trará mais infra-estruturas, empregos, melhoria de vida da população, entre outras vantagens ao país.

A Câmara de Comércio e Indústria Angola Emirados Árabes Unidos tem 27 empresas associadas, cinco startups, sete médias empresas, grupos de empresas, empresários singulares que operam nos mais diversos sectores económicos.