Moeda electrónica e-Kwanza rende mais de Akz quatro mil milhões

  • Edifício da torre Bai
Luanda – Banco Angolano de Investimentos (BAI) registou, no ano de 2020, um volume de transacção, via moeda electrónica e-Kwanza, avaliado em quatro mil milhões, 13 milhoes, 938 mil e 373 kwanzas.

Os movimentos foram tramitados por 112 mil e 380 clientes registados, de acordo uma nota do Gabinete de Comunicação e Gestão desta Marca, a que ANGOP teve acesso.

De acordo com o BAI, este crescimento resulta do aumento considerável de utilizadores no último semestre de 2020, que tem impulsionado o aumento de comerciantes que subscrevem o contrato de aceitação de pagamentos efectuados via é-Kwanza.

A estimativa é de que, até ao final de 2021, a rede de aceitação, pagamentos e levantamentos exceda os 15 mil comerciantes, dos quais seis mil já no primeiro semestre, em todo o país, tornando-o a solução ideal para pagamentos e transferências sem contactos físicos.

A instituição financeira diz que conta, de momento, com dois mil e 100 colaboradores nas 18 províncias, que receberam o incentivo de quadra festiva na sua conta é-Kwanza e realizaram as suas transacções financeiras com o suporte deste serviço.

BAI capta clientes

Noutro domínio, o BAI anuncia que iniciou nesta segunda-feira uma campanha nacional de captação de clientes, em que se prevê criar 54 mil novas contas particulares.

Este valor demonstra que o serviço é-Kwanza, para além de beneficiar pessoas não bancarizadas, sobretudo do mercado informal, suporta, igualmente, a movimentação de grandes quantias monetárias e serve pessoas e empresas bancarizadas que pretendam transaccionar de forma segura e rápida.

Com o serviço é-Kwanza, o BAI pretende continuar a assegurar a inclusão financeira para os cidadãos não bancarizados, dando-lhes a oportunidade de efectuar transacções financeiras de forma rápida e segura sem necessidade de terem uma conta bancária.

Visa ainda contribuir para a inovação e flexibilização na forma de efectuar operações bancárias, garantindo altos níveis de satisfação nos nossos clientes.
 

Os movimentos foram tramitados por 112 mil e 380 clientes registados, de acordo uma nota do Gabinete de Comunicação e Gestão desta Marca, a que ANGOP teve acesso.

De acordo com o BAI, este crescimento resulta do aumento considerável de utilizadores no último semestre de 2020, que tem impulsionado o aumento de comerciantes que subscrevem o contrato de aceitação de pagamentos efectuados via é-Kwanza.

A estimativa é de que, até ao final de 2021, a rede de aceitação, pagamentos e levantamentos exceda os 15 mil comerciantes, dos quais seis mil já no primeiro semestre, em todo o país, tornando-o a solução ideal para pagamentos e transferências sem contactos físicos.

A instituição financeira diz que conta, de momento, com dois mil e 100 colaboradores nas 18 províncias, que receberam o incentivo de quadra festiva na sua conta é-Kwanza e realizaram as suas transacções financeiras com o suporte deste serviço.

BAI capta clientes

Noutro domínio, o BAI anuncia que iniciou nesta segunda-feira uma campanha nacional de captação de clientes, em que se prevê criar 54 mil novas contas particulares.

Este valor demonstra que o serviço é-Kwanza, para além de beneficiar pessoas não bancarizadas, sobretudo do mercado informal, suporta, igualmente, a movimentação de grandes quantias monetárias e serve pessoas e empresas bancarizadas que pretendam transaccionar de forma segura e rápida.

Com o serviço é-Kwanza, o BAI pretende continuar a assegurar a inclusão financeira para os cidadãos não bancarizados, dando-lhes a oportunidade de efectuar transacções financeiras de forma rápida e segura sem necessidade de terem uma conta bancária.

Visa ainda contribuir para a inovação e flexibilização na forma de efectuar operações bancárias, garantindo altos níveis de satisfação nos nossos clientes.