Epimaster relança projecto avícola em Lucala

Lucala - Com mais de 50 mil aves poedeiras para a produção de ovos e de carne, a empresa Epimaster reactivou, neste mês de Dezembro, um projecto avícola público no município da Lucala, província do Cuanza Norte.

Subaproveitado há mais de cinco anos, o projecto foi lançado em 2012,  com uma população de 77 mil e 850 aves, distribuídas por 120 naves de criação e uma incubadora com a capacidade de dois milhões de ovos por cada ciclo de produção de 45 dias.

O empreendimento, que funcionou cerca de ano e meio, compreendia uma zona industrial que abarcava uma fábrica de rações com capacidade de produção de cinco mil toneladas/mês e um matadouro para quatro mil aves por hora.

O investimento esteve avaliado em 49 milhões de dólares, financiados pelo Eximbank da Coreia do Sul.

Actualmente, o governo do Cuanza Norte tem dois projectos avícolas com 20 naves cada, um atribuído a jovens empreendedores e pequenas famílias e o outro à empresa Epimaster, mediante concurso público.

Segundo o director do Gabinete Jurídico do governo do Cuanza Norte,  a Epimaster foi seleccionada para gerir o projecto,  à luz de um concurso local de carácter limitado e por prévia qualificação.

Destacou que, entre as concorrentes, a empresa apresentou melhor proposta de gestão do empreendimento, boa  qualificação técnica e  promoção da contratação de mão- de -obra local em maior escala.

Informou que a licença de exploração da Epimaster terá a duração de cinco anos, antecedido de um período de carência de seis meses, para que a empresa possa criar os serviços essenciais para o arranque da actividade

O responsável da empresa, Bruno Buruti  reafirmou a disponibilidade da empresa em trabalhar com o governo local para a gestão do projecto, visando a promoção do desenvolvimento, reforço da segurança alimentar da população, redução dos custos de aquisição de carne e ovos, a par da promoção do emprego.
Informou que está a trabalhar em questões técnicas para o arranque do projecto dentro de seis meses.
O projecto prevê, na fase inicial, criar 150 postos de trabalho, 75 por cento para cidadãos da localidade.A informou que os empreendedores têm também em carteira a realização de estudos para a produção de ração.

Subaproveitado há mais de cinco anos, o projecto foi lançado em 2012,  com uma população de 77 mil e 850 aves, distribuídas por 120 naves de criação e uma incubadora com a capacidade de dois milhões de ovos por cada ciclo de produção de 45 dias.

O empreendimento, que funcionou cerca de ano e meio, compreendia uma zona industrial que abarcava uma fábrica de rações com capacidade de produção de cinco mil toneladas/mês e um matadouro para quatro mil aves por hora.

O investimento esteve avaliado em 49 milhões de dólares, financiados pelo Eximbank da Coreia do Sul.

Actualmente, o governo do Cuanza Norte tem dois projectos avícolas com 20 naves cada, um atribuído a jovens empreendedores e pequenas famílias e o outro à empresa Epimaster, mediante concurso público.

Segundo o director do Gabinete Jurídico do governo do Cuanza Norte,  a Epimaster foi seleccionada para gerir o projecto,  à luz de um concurso local de carácter limitado e por prévia qualificação.

Destacou que, entre as concorrentes, a empresa apresentou melhor proposta de gestão do empreendimento, boa  qualificação técnica e  promoção da contratação de mão- de -obra local em maior escala.

Informou que a licença de exploração da Epimaster terá a duração de cinco anos, antecedido de um período de carência de seis meses, para que a empresa possa criar os serviços essenciais para o arranque da actividade

O responsável da empresa, Bruno Buruti  reafirmou a disponibilidade da empresa em trabalhar com o governo local para a gestão do projecto, visando a promoção do desenvolvimento, reforço da segurança alimentar da população, redução dos custos de aquisição de carne e ovos, a par da promoção do emprego.
Informou que está a trabalhar em questões técnicas para o arranque do projecto dentro de seis meses.
O projecto prevê, na fase inicial, criar 150 postos de trabalho, 75 por cento para cidadãos da localidade.A informou que os empreendedores têm também em carteira a realização de estudos para a produção de ração.