Empresária destaca apoio do Governo no sector produtivo

  • Exposicao de Ovos (foto ilustração)
Luanda - A implementação do programa Angola Invest (2014-2018), agora substituído pelo Programa de Apoio ao Crédito (PAC), por parte do Governo, tem sido decisivo no fomento do sector produtivo em Angola, considerou hoje, em Luanda, a presidente do Conselho de Administração da Fazenda Pérola do Kikuxi, Elizabeth dos Santos.

Conforme a empresária (mentora da marca de ovos Kikovo), que intervinha na Iª Conferência Nacional sobre Oportunidades de Negócios para jovens no Sector da Avicultura, a sua empresa é exemplo do referido apoio governamental, pois facilitou a obtenção de crédito, junto da banca comercial nacional.

Elizabeth dos Santos revelou que no âmbito do ex.Programa Angola Invest recebeu cerca quatro milhões de dólares norte- americanos, já reembolsados num prazo de sete anos, o que possibilita a produção de um milhão de ovos por dia.

Sublinhou que esses programas de apoio ao sector produtivo representam um claro interesse do Governo angolano para impulsionar a produção nacional, pelo que os empresários devem somente honrar com os serviços da dívida (Crédito).

"É necessário que o empreendedor compreenda que o crédito de apoio ao sector produtivo, concedido sobre iniciativa do Governo, não é dinheiro para o investir em outros interesses, para além do que está subscrito na concessão do empréstimo", referiu a gestora.

A Kikovo produz actualmente 40 por cento da produção nacional de ovo no país, com uma produção de um milhão de ovos dia e  integrada no Pólo da Fazenda Pérola do Kikuxi. Possui 1.2 milhões de galinhas, instalada em 10 pavilhões.

Para relançar o sector económico, o Governo abriu, em Setembro de 2018, uma nova página no sector de diversificação da economia, ao extinguir o programa Angola Invest e permitindo o surgimento do PAC, aprovado no âmbito do Programa de Produção Nacional, Diversificação da Exportação e Substituição de Importação (PRODESI).

Por via do Angola Invest, o Estado apoio a concessão de crédito, com 55 mil milhões de Kwanzas (USD 193 milhões), que serviram para bonificar os juros, capitalizar fundos de garantia e de capital de risco, além de criar ambientes satisfatório à concessão de crédito.

Para o secretário de Estado para o Planeamento, Milton Reis, que fez a abertura da conferência sobre o sector da avicultura, o evento serve de um espaço para interacção e despertar o interesse dos jovens para investirem nesta área da produção de aves.

Frisou que os jovens devem ser os principais beneficiários do projecto de fomento produtivo no país, conforme previsto no programa da juventude no âmbito da sua inserção na vida activa.

Já o presidente da Associação Angolana de Jovens Produtores (AAJP), Gésio Bártolo,  entende que o aumento da produção interna constitui, sem sombra de dúvida, um factor determinante para o alcance do desenvolvimento nacional e, como consequência, se vai atingir a auto-suficiência alimentar no país.

" Neste sentido, nós, a AAJ, temos a firme convicção de que os jovens angolanos devem ser os precursores, ou seja, os primeiros a intervir no processo de produção nacional, com vista a diversificação da economia", frisou.

A Iª Conferência Nacional sobre Oportunidades de Negócios para Jovens no sector da Avicultura é uma iniciativa da Associação Angolana de Jovens Produtores (AAJP), em parceria com o Instituto Angolano da Juventude (IAJ), órgão adstrito ao Ministério da Juventude e Desportos.

Com a duração de uma dia, esteve em análise  temas como " Introdução ao negócio da avicultura", "Concepção e gestão  de empresa de sucesso de empresas  do sector da avicultura " e " Estratégias para acesso ao financiamento".

 

Conforme a empresária (mentora da marca de ovos Kikovo), que intervinha na Iª Conferência Nacional sobre Oportunidades de Negócios para jovens no Sector da Avicultura, a sua empresa é exemplo do referido apoio governamental, pois facilitou a obtenção de crédito, junto da banca comercial nacional.

Elizabeth dos Santos revelou que no âmbito do ex.Programa Angola Invest recebeu cerca quatro milhões de dólares norte- americanos, já reembolsados num prazo de sete anos, o que possibilita a produção de um milhão de ovos por dia.

Sublinhou que esses programas de apoio ao sector produtivo representam um claro interesse do Governo angolano para impulsionar a produção nacional, pelo que os empresários devem somente honrar com os serviços da dívida (Crédito).

"É necessário que o empreendedor compreenda que o crédito de apoio ao sector produtivo, concedido sobre iniciativa do Governo, não é dinheiro para o investir em outros interesses, para além do que está subscrito na concessão do empréstimo", referiu a gestora.

A Kikovo produz actualmente 40 por cento da produção nacional de ovo no país, com uma produção de um milhão de ovos dia e  integrada no Pólo da Fazenda Pérola do Kikuxi. Possui 1.2 milhões de galinhas, instalada em 10 pavilhões.

Para relançar o sector económico, o Governo abriu, em Setembro de 2018, uma nova página no sector de diversificação da economia, ao extinguir o programa Angola Invest e permitindo o surgimento do PAC, aprovado no âmbito do Programa de Produção Nacional, Diversificação da Exportação e Substituição de Importação (PRODESI).

Por via do Angola Invest, o Estado apoio a concessão de crédito, com 55 mil milhões de Kwanzas (USD 193 milhões), que serviram para bonificar os juros, capitalizar fundos de garantia e de capital de risco, além de criar ambientes satisfatório à concessão de crédito.

Para o secretário de Estado para o Planeamento, Milton Reis, que fez a abertura da conferência sobre o sector da avicultura, o evento serve de um espaço para interacção e despertar o interesse dos jovens para investirem nesta área da produção de aves.

Frisou que os jovens devem ser os principais beneficiários do projecto de fomento produtivo no país, conforme previsto no programa da juventude no âmbito da sua inserção na vida activa.

Já o presidente da Associação Angolana de Jovens Produtores (AAJP), Gésio Bártolo,  entende que o aumento da produção interna constitui, sem sombra de dúvida, um factor determinante para o alcance do desenvolvimento nacional e, como consequência, se vai atingir a auto-suficiência alimentar no país.

" Neste sentido, nós, a AAJ, temos a firme convicção de que os jovens angolanos devem ser os precursores, ou seja, os primeiros a intervir no processo de produção nacional, com vista a diversificação da economia", frisou.

A Iª Conferência Nacional sobre Oportunidades de Negócios para Jovens no sector da Avicultura é uma iniciativa da Associação Angolana de Jovens Produtores (AAJP), em parceria com o Instituto Angolano da Juventude (IAJ), órgão adstrito ao Ministério da Juventude e Desportos.

Com a duração de uma dia, esteve em análise  temas como " Introdução ao negócio da avicultura", "Concepção e gestão  de empresa de sucesso de empresas  do sector da avicultura " e " Estratégias para acesso ao financiamento".