Empresas beneficiárias do Prodesi reembolsam 42 % do crédito

  • Pormenor da zona industrial da Boa Vista (Foto ilustração)
Luanda - O reembolso do crédito, por parte das empresas beneficiárias de crédito bancário do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi), ronda os 42% dos 845 projectos aprovados, avaliados em 734 mil milhões de kwanzas.

Conforme a secretária de Estado para a Economia, Dalva Allen, os 42% da restituição dos valores actuais demonstram um sinal positivo, porque as empresas estão a cumprir com as suas obrigações, devolvendo voluntariamente o dinheiro emprestado ao banco.

Falando esta terça-feira, no habitual Briefing do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), frisou que actualmente encontram-se em negociação na banca 50 projectos dos instrumentos financeiros Aviso 10/20 do BNA com 34 e PAC com 16 projectos.

A responsável adiantou que os bancos que têm estado a aprovar projectos são o BDA com 530, BAI 65, BIC 45, BFA 29, entre outros.

Quanto ao domínio do acesso ao mercado interno, Dalva Allen adiantou que, continua a decorre o cadastramento dos produtores no Portal da Divulgação da Produção Nacional (PPN), sendo que em termos acumulados, desde a sua operacionalização, o Portal comporta 21.858 produtores nacionais, mais 1.252 que na semana passada.

Por outro lado, respondendo à questão dos jornalistas sobre o facto da administração do grupo Banco Mundial (BM) suspender definitivamente a publicação do relatório "Doing Business", na sequência de reclamações e dúvidas sobre a integridade, disse que “não tem um impacto directo com Angola, porque o BM incorpora 192 países”.

Assegurou que Governo vai continuar a trabalhar para melhoria do ambiente de negócio em Angola, por ser uma das metas estratégicas do Executivo.

“Este é um problema do BM. O doing business constitui um eixo estratégico do Executivo e o país vai continuar a trabalhar para garantir que Angola tenha um ambiente de negócio saudável”, asseverou.

Destacou que o BM formou quadros que deverão garantir que a transparência, facilidade e o acesso aos serviços públicos continuem a ser melhoradas cada vez mais em Angola.

Conforme a secretária de Estado para a Economia, Dalva Allen, os 42% da restituição dos valores actuais demonstram um sinal positivo, porque as empresas estão a cumprir com as suas obrigações, devolvendo voluntariamente o dinheiro emprestado ao banco.

Falando esta terça-feira, no habitual Briefing do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), frisou que actualmente encontram-se em negociação na banca 50 projectos dos instrumentos financeiros Aviso 10/20 do BNA com 34 e PAC com 16 projectos.

A responsável adiantou que os bancos que têm estado a aprovar projectos são o BDA com 530, BAI 65, BIC 45, BFA 29, entre outros.

Quanto ao domínio do acesso ao mercado interno, Dalva Allen adiantou que, continua a decorre o cadastramento dos produtores no Portal da Divulgação da Produção Nacional (PPN), sendo que em termos acumulados, desde a sua operacionalização, o Portal comporta 21.858 produtores nacionais, mais 1.252 que na semana passada.

Por outro lado, respondendo à questão dos jornalistas sobre o facto da administração do grupo Banco Mundial (BM) suspender definitivamente a publicação do relatório "Doing Business", na sequência de reclamações e dúvidas sobre a integridade, disse que “não tem um impacto directo com Angola, porque o BM incorpora 192 países”.

Assegurou que Governo vai continuar a trabalhar para melhoria do ambiente de negócio em Angola, por ser uma das metas estratégicas do Executivo.

“Este é um problema do BM. O doing business constitui um eixo estratégico do Executivo e o país vai continuar a trabalhar para garantir que Angola tenha um ambiente de negócio saudável”, asseverou.

Destacou que o BM formou quadros que deverão garantir que a transparência, facilidade e o acesso aos serviços públicos continuem a ser melhoradas cada vez mais em Angola.