Espanha, Portugal e Alemanha manifestam interesse pelo sector geológico

  • Embaixador da Espanha em Angola, Manuel Hernández Ruigómez
  • Embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa
Lubango - Espanha, Portugal e Alemanha reafirmaram, nesta quarta-feira, o seu apoio à Angola na formação de quadros e descoberta das valências minerais, no quadro da diversificação da economia.

A intenção foi confirmada pelos embaixadores dos três países, em declarações á imprensa, na cidade do Lubango (província da Huíla), no quadro do acto central do Dia do Trabalhador Mineiro Angolano, assinalado terça-feira.

Segundo o embaixador do Reino de Espanha em Angola, Manuel Hernández Ruigómez, o seu país está a efectuar um levantamento geológico no sul de Angola, para descobrir quais os recursos mineiras existentes no país.

Adiantou que Angola é um dos países com mais recursos minerais no mundo, alguns “muito valiosos”, e a Espanha está interessada em ajudar a descobri-los, por ser uma das potências “mais importantes” de investigação mineira.

Avançou que nesses estudos foram descobertos importantes depósitos de cobre, manganês, ferro, ouro e diamantes, sendo que agora as empresas devem tratar dos mecanismos para os explorar.

“Nós estamos a colocar no mapa onde estão essas riquezas, localizadas principalmente no Huambo, Bié, Cuando Cubango, Huíla, Namibe e Cunene, com um maior potencial mineiro. Encontramos uma reserva de cobre no sul de Angola, que deverá ser trabalhada com as empresas”, continuou.

Por sua vez o embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa, salientou que o seu país está a apoiar o Plano Nacional de Geologia de Angola, visando uma análise completa da parte geológica.

Considerou ser uma cooperação que dá diversas perspectivas no futuro, pela diversidade de oportunidade que existe em toda região sul, que é rica em mineiros, dai a necessidade de divulgar as potencialidades para que se possa investir.

“Portugal conhece as reais capacidades de Angola, mas importa que os outros também as conheçam para que possam investir com segurança e, sobretudo, apostar no talento humano angolano”, frisou.

Já o embaixador da Alemanha, Dirk Lölke, incentivou os estudantes das geociências a estudarem no seu país, na linha das bolsas de estudos que Angola disponibiliza, fruto da cooperação entre ambas as nações.

A intenção foi confirmada pelos embaixadores dos três países, em declarações á imprensa, na cidade do Lubango (província da Huíla), no quadro do acto central do Dia do Trabalhador Mineiro Angolano, assinalado terça-feira.

Segundo o embaixador do Reino de Espanha em Angola, Manuel Hernández Ruigómez, o seu país está a efectuar um levantamento geológico no sul de Angola, para descobrir quais os recursos mineiras existentes no país.

Adiantou que Angola é um dos países com mais recursos minerais no mundo, alguns “muito valiosos”, e a Espanha está interessada em ajudar a descobri-los, por ser uma das potências “mais importantes” de investigação mineira.

Avançou que nesses estudos foram descobertos importantes depósitos de cobre, manganês, ferro, ouro e diamantes, sendo que agora as empresas devem tratar dos mecanismos para os explorar.

“Nós estamos a colocar no mapa onde estão essas riquezas, localizadas principalmente no Huambo, Bié, Cuando Cubango, Huíla, Namibe e Cunene, com um maior potencial mineiro. Encontramos uma reserva de cobre no sul de Angola, que deverá ser trabalhada com as empresas”, continuou.

Por sua vez o embaixador de Portugal em Angola, Pedro Pessoa e Costa, salientou que o seu país está a apoiar o Plano Nacional de Geologia de Angola, visando uma análise completa da parte geológica.

Considerou ser uma cooperação que dá diversas perspectivas no futuro, pela diversidade de oportunidade que existe em toda região sul, que é rica em mineiros, dai a necessidade de divulgar as potencialidades para que se possa investir.

“Portugal conhece as reais capacidades de Angola, mas importa que os outros também as conheçam para que possam investir com segurança e, sobretudo, apostar no talento humano angolano”, frisou.

Já o embaixador da Alemanha, Dirk Lölke, incentivou os estudantes das geociências a estudarem no seu país, na linha das bolsas de estudos que Angola disponibiliza, fruto da cooperação entre ambas as nações.