Falta de ração dificulta desempenho dos piscicultores

  • Secretário de Estado para a Economia, Mário João
Saurimo – A falta de ração na Lunda sul, para alimentar o peixe tilápia, dificulta o bom desempenho dos associados em cooperativas de piscicultura e produtores individuais.

A inquietação foi apresentada terça-feira, em Saurimo, ao secretário de Estado da Economia, Mário João, num encontro com os produtores da espécie, que sugeriram a criação de mecanismos institucionais, para a instalação de unidades fabris de transformação na região, com vista a acudir a situação.

Na ocasião, os produtores da tilápia na província sugeriram ao Ministério da Economia e Planeamento a encetar contactos junto da banca, para facilitar a cedência de créditos, bem como diminuir a burocracia nas instituições financeiras, a fim de motivar alguns empresários a investirem no sector.

Apesar da falta de ração, segundo as cooperativas, a capacidade de produção actual das referidas unidades não ultrapassa meia tonelada de peixe/mês, o que consideram insuficiente para fornecimento ao mercado local.

Em resposta, Mário João enalteceu os esforços envidados pelas cooperativas de piscicultura, que mesmo com dificuldades não param, e defendeu que tais iniciativas deverão merecer especial atenção.

Reconheceu que o problema da ração limita muitos criadores, em quase todo o país, daí que defendeu a priorização dos créditos a favor de projectos com solidez efectiva, no âmbito das acções identificadas pelo PRODESI.

Apelou aos produtores interessados a aderirem ao crédito bancário, garantindo diálogo permanente com a banca, para que o processo seja célere e sem burocracia.

Após o encontro com os responsáveis das cooperativas, o secretário de Estado da Economia visitou demoradamente alguns projectos em Saurimo, com destaque para a “Vencer Corporation” e a “Mazuela e Filhos, Lda”.

Actualmente, o departamento de pescas do Gabinete provincial da Agricultura na Lunda sul, controla 34 grupos privados de piscicultores, com um total 556 tanques.

A inquietação foi apresentada terça-feira, em Saurimo, ao secretário de Estado da Economia, Mário João, num encontro com os produtores da espécie, que sugeriram a criação de mecanismos institucionais, para a instalação de unidades fabris de transformação na região, com vista a acudir a situação.

Na ocasião, os produtores da tilápia na província sugeriram ao Ministério da Economia e Planeamento a encetar contactos junto da banca, para facilitar a cedência de créditos, bem como diminuir a burocracia nas instituições financeiras, a fim de motivar alguns empresários a investirem no sector.

Apesar da falta de ração, segundo as cooperativas, a capacidade de produção actual das referidas unidades não ultrapassa meia tonelada de peixe/mês, o que consideram insuficiente para fornecimento ao mercado local.

Em resposta, Mário João enalteceu os esforços envidados pelas cooperativas de piscicultura, que mesmo com dificuldades não param, e defendeu que tais iniciativas deverão merecer especial atenção.

Reconheceu que o problema da ração limita muitos criadores, em quase todo o país, daí que defendeu a priorização dos créditos a favor de projectos com solidez efectiva, no âmbito das acções identificadas pelo PRODESI.

Apelou aos produtores interessados a aderirem ao crédito bancário, garantindo diálogo permanente com a banca, para que o processo seja célere e sem burocracia.

Após o encontro com os responsáveis das cooperativas, o secretário de Estado da Economia visitou demoradamente alguns projectos em Saurimo, com destaque para a “Vencer Corporation” e a “Mazuela e Filhos, Lda”.

Actualmente, o departamento de pescas do Gabinete provincial da Agricultura na Lunda sul, controla 34 grupos privados de piscicultores, com um total 556 tanques.