Fazenda Mukula aposta em frutícolas

  • Cultivo de Melancia no Zaire
Mbanza Kongo - O cultivo de citrinos, abacates e mangas é a nova aposta da fazenda Mukula no ano agrícola corrente, apurou a ANGOP.

Localizada na comuna de Quinzau, município do Tomboco, província do Zaire, a fazenda Mukula, que já produz hortícolas há quatro anos, está também empenhada no sector pecuário, onde para além da produção de carne, pretende aproveitar a matéria orgânica dos animais para fabricar fertilizantes para os solos.

Essa informação foi avançada quinta-feira, à Angop, pelo gestor da fazenda, Rodrigo Correia, e, sem precisar montantes, referiu que o valor a aplicar nos projectos poderão rondar dezenas de milhões de Kwanzas.

Explicou que para o cultivo de frutas foram preparados 40 hectares de terras, enquanto outros 150 hectares estão reservados para criação e pastagem de gado caprino, numa primeira fase.

Lembrou ser especialidade da fazenda, desde a sua criação, a produção de tomate, melancia, melão, abóbora e pepino, principalmente, mas actualmente estão apostados em diversificar o cultivo.

Fez saber que a fazenda obteve uma média de colheita de 60 toneladas de tomate por hectar, nos últimos três meses.

Em Setembro deste ano, precisou, foram colhidas mais de 400 toneladas de melancia, melão, abóbora e pepino.

Precisou que parte da produção foi direccionada aos mercados dos municípios de Mbanza Kongo, Soyo e Nzeto, na província do Zaire, e outra parte encaminhada às grandes superfícies comerciais de Luanda, com quem têm contratos de fornecimento.

A fazenda ocupa uma área de 450 hectares, 120 dos quais irrigados, e emprega cerca de 50 trabalhadores, número que deverá aumentar com a implementação dos novos projectos anunciados.

Localizada na comuna de Quinzau, município do Tomboco, província do Zaire, a fazenda Mukula, que já produz hortícolas há quatro anos, está também empenhada no sector pecuário, onde para além da produção de carne, pretende aproveitar a matéria orgânica dos animais para fabricar fertilizantes para os solos.

Essa informação foi avançada quinta-feira, à Angop, pelo gestor da fazenda, Rodrigo Correia, e, sem precisar montantes, referiu que o valor a aplicar nos projectos poderão rondar dezenas de milhões de Kwanzas.

Explicou que para o cultivo de frutas foram preparados 40 hectares de terras, enquanto outros 150 hectares estão reservados para criação e pastagem de gado caprino, numa primeira fase.

Lembrou ser especialidade da fazenda, desde a sua criação, a produção de tomate, melancia, melão, abóbora e pepino, principalmente, mas actualmente estão apostados em diversificar o cultivo.

Fez saber que a fazenda obteve uma média de colheita de 60 toneladas de tomate por hectar, nos últimos três meses.

Em Setembro deste ano, precisou, foram colhidas mais de 400 toneladas de melancia, melão, abóbora e pepino.

Precisou que parte da produção foi direccionada aos mercados dos municípios de Mbanza Kongo, Soyo e Nzeto, na província do Zaire, e outra parte encaminhada às grandes superfícies comerciais de Luanda, com quem têm contratos de fornecimento.

A fazenda ocupa uma área de 450 hectares, 120 dos quais irrigados, e emprega cerca de 50 trabalhadores, número que deverá aumentar com a implementação dos novos projectos anunciados.