G20  reúne para decidir prolongamento da dívida de países pobres

  • Edifício da União Europeia na cidade de Bruxelas
Luanda - O G20, grupo formado pelos ministros de finanças, chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo e mais a União Europeia, vai reunir  nesta quarta, para decidir o prolongamento da dívida dos países pobres, em respeito a uma solicitação do Banco Mundial.

Citado pelo Jornal de Angola, o presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse esperar que os países do G20 prolonguem até ao fim do ano a moratória sobre a dívida dos países mais pobres, na reunião desta semana, à margem dos eventos  do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

“Em Outubro apelei aos países do G20 para um prolongamento de um ano, na sua Iniciativa de Suspensão do Serviço de Dívida, lançada na primavera de 2020 em plena propagação da pandemia da Covid-19, afirmou  David Malpass, numa conferência de imprensa telefónica, realizada recentemente.

Na altura, no ano passado, o G20 decidiu que o prolongamento seria por seis meses, até 30 de Junho de 2021. Entretanto, o presidente do BM considera que “um alívio da dívida seria necessário, num prazo mais longo, para permitir aos países mais pobres uma redução do peso da dívida para um nível mais moderado.

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou uma extensão do mecanismo de alívio da dívida para 28 países, incluindo os lusófonos Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Moçambique, este último estado membro da SADC, comunidade e organização da qual Angola também é filial.

A propósito, esse núcleo do FMI aprovou, a 01 de Abril, a prorrogação do referido mecanismo até 15 de Outubro, disse a instituição, sediada em Washington, numa declaração divulgada recentemente.

Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, República da Coreia, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e a União Europeia são países integrantes do G20, organização criada em 1999, após as sucessivas crises financeiras da década de 1990.

Citado pelo Jornal de Angola, o presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse esperar que os países do G20 prolonguem até ao fim do ano a moratória sobre a dívida dos países mais pobres, na reunião desta semana, à margem dos eventos  do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

“Em Outubro apelei aos países do G20 para um prolongamento de um ano, na sua Iniciativa de Suspensão do Serviço de Dívida, lançada na primavera de 2020 em plena propagação da pandemia da Covid-19, afirmou  David Malpass, numa conferência de imprensa telefónica, realizada recentemente.

Na altura, no ano passado, o G20 decidiu que o prolongamento seria por seis meses, até 30 de Junho de 2021. Entretanto, o presidente do BM considera que “um alívio da dívida seria necessário, num prazo mais longo, para permitir aos países mais pobres uma redução do peso da dívida para um nível mais moderado.

O Conselho Executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou uma extensão do mecanismo de alívio da dívida para 28 países, incluindo os lusófonos Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Moçambique, este último estado membro da SADC, comunidade e organização da qual Angola também é filial.

A propósito, esse núcleo do FMI aprovou, a 01 de Abril, a prorrogação do referido mecanismo até 15 de Outubro, disse a instituição, sediada em Washington, numa declaração divulgada recentemente.

Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, República da Coreia, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Turquia, Reino Unido, Estados Unidos e a União Europeia são países integrantes do G20, organização criada em 1999, após as sucessivas crises financeiras da década de 1990.