Governo apresenta linha de financiamento do Agro-Negócio

Cuito – O Governo do Bié apresentou hoje (quinta-feira), nessa cidade, aos administradores dos nove municípios e outros membros a Linha de Financiamento do Agro-Negócio pelo Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA), já em execução esse ano no país, avaliado em quatro mil milhões de kwanzas.

O FACRA é um Fundo Público de Investimento Empresarial, criado ao abrigo do Decreto Presidencial nº108/12 de 7 de Junho, vocacionado a investir em micro, pequenas e médias empresas na modalidade de capital de risco.

Igualmente, tal linha de financiamento insere-se no âmbito do Decreto Presidencial nº 98/20 de 9 de Abril que aprova as medidas imediatas de alívio dos efeitos económicos e financeiros negativos provocados pela pandemia de Covid-19 nas empresas e famílias.

Por via de concurso público, o FACRA financia sete sociedades de micro crédito e uma cooperativa de crédito, entre eles o Kixi-Crédito, Multi-Crédito, Faci-Crédito, Unide-Crédito, Kifi-Crédito, Neste-Crédito, Ginga-Crédito e Acopedra-Faz, tendo, por sua vez, esta última a missão de conceder micro-créditos a nível de todo o país.

Para o vice-governador para a área Política, Social e Económica, António Manuel, que apresentou a aludida linha de financiamento, essa é uma oportunidade soberana, entre todas as outras já disponibilizadas no âmbito do PRODESI, daí as empresas e famílias serem bem orientadas pelas Administrações Municipais a não desperdiçarem-na.

Aludiu ao facto de terem sido indicados sectores alvos como de Processamento Alimentar, Logística e Distribuição de Produtos Agro-Alimentares e Pescas, Reciclagem de Resíduos Sólidos e Urbanos, Produção por área Artística, Desenvolvimento de Software e outros produtos e serviços que constituem a cadeia do Agro-Negócio.

O limite de financiamento, lembrou, é até sete milhões de kwanzas do projecto e é destinado a empreendedores que actuam nos sectores formal ou informal da economia, com dificuldades de aceder ao financiamento bancário.

O FACRA é um Fundo Público de Investimento Empresarial, criado ao abrigo do Decreto Presidencial nº108/12 de 7 de Junho, vocacionado a investir em micro, pequenas e médias empresas na modalidade de capital de risco.

Igualmente, tal linha de financiamento insere-se no âmbito do Decreto Presidencial nº 98/20 de 9 de Abril que aprova as medidas imediatas de alívio dos efeitos económicos e financeiros negativos provocados pela pandemia de Covid-19 nas empresas e famílias.

Por via de concurso público, o FACRA financia sete sociedades de micro crédito e uma cooperativa de crédito, entre eles o Kixi-Crédito, Multi-Crédito, Faci-Crédito, Unide-Crédito, Kifi-Crédito, Neste-Crédito, Ginga-Crédito e Acopedra-Faz, tendo, por sua vez, esta última a missão de conceder micro-créditos a nível de todo o país.

Para o vice-governador para a área Política, Social e Económica, António Manuel, que apresentou a aludida linha de financiamento, essa é uma oportunidade soberana, entre todas as outras já disponibilizadas no âmbito do PRODESI, daí as empresas e famílias serem bem orientadas pelas Administrações Municipais a não desperdiçarem-na.

Aludiu ao facto de terem sido indicados sectores alvos como de Processamento Alimentar, Logística e Distribuição de Produtos Agro-Alimentares e Pescas, Reciclagem de Resíduos Sólidos e Urbanos, Produção por área Artística, Desenvolvimento de Software e outros produtos e serviços que constituem a cadeia do Agro-Negócio.

O limite de financiamento, lembrou, é até sete milhões de kwanzas do projecto e é destinado a empreendedores que actuam nos sectores formal ou informal da economia, com dificuldades de aceder ao financiamento bancário.