Governo lança programa de estágios profissionais no país

  • Centro Polivalente de Formacão Profissional
Luanda – Um programa de estágios profissionais, para facilitar o recrutamento e a integração, numa primeira fase, de dois mil e 500 quadros nacionais, foi lançado, nesta quarta-feira, em Luanda, pelo Executivo angolano.

Para tal, as candidaturas deverão ser apresentadas num site específico, nos serviços provinciais do INEFOP e nos centros nacionais de emprego do país, uma medida que contribuirá para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem e para a redução da taxa de desemprego no país. 

Aprovada por força de um Decreto Presidencial, a iniciativa, enquadrado no Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade, visa, igualmente, promover de forma activa a integração de pessoas com deficiência e pertencentes a grupos sociais desfavorecidos.

Deverão beneficiar também de estágios, nesse âmbito, jovens com idades compreendidas entre os 18 e 25 anos, detentores de uma formação técnico-profissional, oficialmente reconhecida; curso do ensino secundário geral complementado com um curso de formação profissional de nível 2, 3 ou 4; bacharéis ou licenciados em qualquer área.

O programa tem como objectivo consolidar a formação académica e profissional em contexto real de trabalho, complementar e desenvolver as competências dos cidadãos, com vista a adequar o seu perfil profissional, para melhor inserção na vida activa.

Na ocasião, o secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pedro Felipe, explicou que a iniciativa é uma ferramenta importante para potenciar os recém-formados, consolidar os conhecimentos e facilitar a sua inserção no mercado do emprego.

Explicou  que o Estado vai financiar a bolsa dos estagiários e facilitar a sua inserção no mercado de emprego, daí que impõe transparência no processo de concessão de estágio pelas empresas visadas.

Em relação ao número de beneficiários, o responsável disse que poderá aumentar em função do crescimento de empresas interessadas no programa, que irá contribuir para a redução da taxa de empregabilidade no país.

Para tal, as candidaturas deverão ser apresentadas num site específico, nos serviços provinciais do INEFOP e nos centros nacionais de emprego do país, uma medida que contribuirá para a melhoria do processo de ensino e aprendizagem e para a redução da taxa de desemprego no país. 

Aprovada por força de um Decreto Presidencial, a iniciativa, enquadrado no Plano de Acção para a Promoção da Empregabilidade, visa, igualmente, promover de forma activa a integração de pessoas com deficiência e pertencentes a grupos sociais desfavorecidos.

Deverão beneficiar também de estágios, nesse âmbito, jovens com idades compreendidas entre os 18 e 25 anos, detentores de uma formação técnico-profissional, oficialmente reconhecida; curso do ensino secundário geral complementado com um curso de formação profissional de nível 2, 3 ou 4; bacharéis ou licenciados em qualquer área.

O programa tem como objectivo consolidar a formação académica e profissional em contexto real de trabalho, complementar e desenvolver as competências dos cidadãos, com vista a adequar o seu perfil profissional, para melhor inserção na vida activa.

Na ocasião, o secretário de Estado do Trabalho e Segurança Social, Pedro Felipe, explicou que a iniciativa é uma ferramenta importante para potenciar os recém-formados, consolidar os conhecimentos e facilitar a sua inserção no mercado do emprego.

Explicou  que o Estado vai financiar a bolsa dos estagiários e facilitar a sua inserção no mercado de emprego, daí que impõe transparência no processo de concessão de estágio pelas empresas visadas.

Em relação ao número de beneficiários, o responsável disse que poderá aumentar em função do crescimento de empresas interessadas no programa, que irá contribuir para a redução da taxa de empregabilidade no país.