Grémio do Milho quer revitalizar infra-estruturas na região Centro

  • PDN próximo das metas previstas para produção de cereais
Benguela – O Grémio dos Comerciantes e Produtores de Milho de Angola está engajado na revitalização das suas infra-estruturas na região Centro do país, com vista a um melhor aproveitamento da produção desse cereal, apurou hoje, quinta-feira, a Angop.

Segundo o director executivo do Grémio, ventura Atewa, que trabalha em Benguela, a iniciativa vai abranger infra-estruturas localizadas nas províncias de Benguela, Huambo e Benguela.

O objectivo desse projecto é permitir que os produtores tenham a garantia de que podem aumentar as áreas de cultivo de milho, porque a sua produção será conservada até chegar ao destinatário final – o comprador, explicou.

A estratégia de revitalização do Grémio, que se encontra na fase inicial, disse o responsável, abrange principalmente as zonas servidas pelo Caminho de Ferro de Benguela, no sentido de viabilizar, igualmente, o escoamento da produção para os silos.

“Queremos garantir aos produtores que toda produção será aproveitada para servir o circuito comercial e a economia nacional", enfatizou.

Contudo, referiu, é necessário recuperar os silos lá onde existam e construir novos, além de novos armazéns, sublinhou o director executivo, que espera igualmente fazer visitas de levantamento das infra-estruturas do Grémio nas províncias do Huambo e Bié.  

O Grémio dos Comerciantes e Produtores de Milho de Angola (EPUNGO) foi criado a 15 de Agosto de 1992, na cidade do Huambo.

 

Segundo o director executivo do Grémio, ventura Atewa, que trabalha em Benguela, a iniciativa vai abranger infra-estruturas localizadas nas províncias de Benguela, Huambo e Benguela.

O objectivo desse projecto é permitir que os produtores tenham a garantia de que podem aumentar as áreas de cultivo de milho, porque a sua produção será conservada até chegar ao destinatário final – o comprador, explicou.

A estratégia de revitalização do Grémio, que se encontra na fase inicial, disse o responsável, abrange principalmente as zonas servidas pelo Caminho de Ferro de Benguela, no sentido de viabilizar, igualmente, o escoamento da produção para os silos.

“Queremos garantir aos produtores que toda produção será aproveitada para servir o circuito comercial e a economia nacional", enfatizou.

Contudo, referiu, é necessário recuperar os silos lá onde existam e construir novos, além de novos armazéns, sublinhou o director executivo, que espera igualmente fazer visitas de levantamento das infra-estruturas do Grémio nas províncias do Huambo e Bié.  

O Grémio dos Comerciantes e Produtores de Milho de Angola (EPUNGO) foi criado a 15 de Agosto de 1992, na cidade do Huambo.