IGAPE alarga prazo de candidatura para venda da ENSA

  • Mais de 50% do capital social da maior empresa de seguros do país está à venda
Luanda - O Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) alargou, até às 23h:59 minutos do dia 06 de Setembro de 2021, o prazo de submissão de candidaturas de investidores interessados na compra dos 51% do capital social da ENSA -Seguros de Angola.

O alargamento do prazo  é justificado pela necessidade  de se aumentar o tempo de preparação das condições dos requisitos exigidos e a obtenção de esclarecimentos  para a submissão de candidaturas em reconhecimento das dificuldades manifestadas por algumas das entidades interessadas em participar do concurso.

Em nota, a que a Angop teve acesso, o IGAPE refere que perspectiva,  com isso, uma melhoria das condições que favorecem a participação do maior número de candidatos, para assegurar um ambiente de sã e livre concorrência entre todos os interessados.

A primeira fase da privatização das acções representativas do capital social da ENSA-Seguros de Angola será feita por via de Concurso Limitado por Prévia Qualificação,  que foi aberto no dia  10 de Junho deste mesmo ano.

Para este programa, a instituição conta com apoio do Banco Millennium Atlântico S.A., em parceria com o Millennium Investment Banking, área de banca de investimento do Banco Comercial Português, S.A., como assessores financeiros para a execução desta primeira fase.

A ENSA é a principal empresa do sector segurador em Angola e está presente no mercado há mais de 43 anos. Desde 2000, num mercado mais liberalizado e com maior concorrência, a companhia mantém-se firme, com uma quota de mercado de 37 por cento fixada em 2020.

Apresenta uma oferta completa de produtos e serviços nos segmentos Vida, Não-vida e na área da gestão de fundos de pensões, dirigida a clientes particulares, empresas e institucionais, com particular relevo para a importante presença junto de grandes empresas (públicas e privadas).

Em 2020, a empresa disponibilizou em indemnizações um valor global de 46 mil 308 milhões de kwanzas, 21% deste recaiu à petroquímica.

A Ensa detém uma quota de mercado de 37%. Em 2020 emitiu 84 mil 614 prémios, teve registo de 47 mil 521 apólices (até Dezembro), uma cobertura de provisões técnicas de 147%, e um raio de sinistralidade na ordem dos 55%.

Os lucros antes dos impostos cifraram-se em 17 mil 931 milhões de kwanzas.

O alargamento do prazo  é justificado pela necessidade  de se aumentar o tempo de preparação das condições dos requisitos exigidos e a obtenção de esclarecimentos  para a submissão de candidaturas em reconhecimento das dificuldades manifestadas por algumas das entidades interessadas em participar do concurso.

Em nota, a que a Angop teve acesso, o IGAPE refere que perspectiva,  com isso, uma melhoria das condições que favorecem a participação do maior número de candidatos, para assegurar um ambiente de sã e livre concorrência entre todos os interessados.

A primeira fase da privatização das acções representativas do capital social da ENSA-Seguros de Angola será feita por via de Concurso Limitado por Prévia Qualificação,  que foi aberto no dia  10 de Junho deste mesmo ano.

Para este programa, a instituição conta com apoio do Banco Millennium Atlântico S.A., em parceria com o Millennium Investment Banking, área de banca de investimento do Banco Comercial Português, S.A., como assessores financeiros para a execução desta primeira fase.

A ENSA é a principal empresa do sector segurador em Angola e está presente no mercado há mais de 43 anos. Desde 2000, num mercado mais liberalizado e com maior concorrência, a companhia mantém-se firme, com uma quota de mercado de 37 por cento fixada em 2020.

Apresenta uma oferta completa de produtos e serviços nos segmentos Vida, Não-vida e na área da gestão de fundos de pensões, dirigida a clientes particulares, empresas e institucionais, com particular relevo para a importante presença junto de grandes empresas (públicas e privadas).

Em 2020, a empresa disponibilizou em indemnizações um valor global de 46 mil 308 milhões de kwanzas, 21% deste recaiu à petroquímica.

A Ensa detém uma quota de mercado de 37%. Em 2020 emitiu 84 mil 614 prémios, teve registo de 47 mil 521 apólices (até Dezembro), uma cobertura de provisões técnicas de 147%, e um raio de sinistralidade na ordem dos 55%.

Os lucros antes dos impostos cifraram-se em 17 mil 931 milhões de kwanzas.