Indústria energética com maior benefícios nas relações Angola/Alemanha 

  • Funcionários da Ende em Actividade
Luanda - A embaixadora de Angola na Alemanha, Balbina da Silva, afirmou, terça-feira, que o  sector da Indústria energética é o que mais beneficia da cooperação entre os dois países, através da participação de multinacionais alemãs na construção de barragens e centrais hidroelétricas em Angola.

Sem avançar os financiamentos aplicados nesta área, a diplomata considerou que relações bilaterais entre esses dois países mantêm-se “excelentes”, olhando para os anos que as mesmas prevalecem e as visitas de Chefes de Estado que já foram realizadas.

No quadro desta parceria estratégica, Luanda e Berlim já assinaram 39 distintos instrumentos jurídicos nos mais variados domínios, como Acordos, Memorandos de Entendimentos, Tratados, Protocolos, Declarações Comuns,  de Intenções de cooperação, entre outros.

Abordando o tema  “Acordos Bilaterais  entre  Angola e Alemanha”, no webinar sobre “Oportunidades de Negócios” entre esses Estados, no webinar promovido pela consultora “N’Kiela”, Balbina da Silva aponta outros sectores beneficiários desta relação, como os das infraestruturas,  transportes, defesa, cultura, educação e informação.

De acordo com a diplomata, estes sectores ganham  maior impulso com a  implementação dos acordos rubricados, tendo sido os mais mais recentes assinados em Fevereiro de 2020, aquando da visita oficial da Chanceler  Alemã, Angela Markel, a Angola.

Na altura, foi realizado o VIII Fórum Econômico Angola/Alemanha, momento em que foram rubricados três instrumentos juridicos, com destaque para o Memorando de Entendimento entre o Ministério da Construção e Obras Públicas e os Consórcios formados pela Goethe.

Tal memorando é para a construção e reabilitação das estradas nacionais Nr. 140 e 295 (troço Kuito / Derico, na província do Cuando Cubango)  e o troço Mussende/Cangandala ( Cuanza Sul/ Malanje), com o financiamento  da  República Federal da Alemanha,  no âmbito do PDN 2018/2022.

Foram ainda assinados o Memorando de Entendimento entre o Ministério dos Transportes de Angola e a empresa Siemens Mobility, para a construção do metro de superfície na Baía de Luanda, com um  custo avaliado em três mil milhões de dólares.

Outro documento assinado  foi entre o Ministério da Energia e Águas e a Voith, para a construção da Academia Voith, baseada no conceito de valorização, no âmbito da expansão das energias renováveis no país.

Ainda no quadro desta parceria, em Angola, operam mais de 20 empresas alemãs nos mais variados ramos, entre os quais, a Bosch, Bauer Angola, Andritz Hyro GmbH, DHL internacional, Gauff GmbH&Co Engineering, Lufthansa, a Siemens Mobility e a Tractebel Engineering GmbH,

Grande parte destas actuam à luz do “Acordo Promoção e Protecção  Recíproca de Investimento (APPRI)”, assinado em 2007.

No quadro das reformas em curso no país, a embaixadora de Angola na Alemanha convida outros investidores  para aproveitarem as oportunidades ligadas ao ambiente de negócios, bem como do programa de privatizações, que prevê a alienação de 195 activos e participações do Estado, até 2022.

O presidente do Conselho de Administração da Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola (AIPEX), Henriques da Silva, o delegado da Economia Alemã em Angola, Vandré Spellmeier, e a directora-geral da Farm Clau-Renilson, Claudeth Traguedo, foram outros oradores deste evento.

“Alemanha e Angola - Cooperação Económica e Oportunidades de Negócio” é o primeiro de 4 Webinares que vão decorrer ao longo deste ano, sempre com a perspectiva da criação e do fortalecimento de uma rede corporativa entre África e a Europa, particularmente Angola e Alemanha.

Sem avançar os financiamentos aplicados nesta área, a diplomata considerou que relações bilaterais entre esses dois países mantêm-se “excelentes”, olhando para os anos que as mesmas prevalecem e as visitas de Chefes de Estado que já foram realizadas.

No quadro desta parceria estratégica, Luanda e Berlim já assinaram 39 distintos instrumentos jurídicos nos mais variados domínios, como Acordos, Memorandos de Entendimentos, Tratados, Protocolos, Declarações Comuns,  de Intenções de cooperação, entre outros.

Abordando o tema  “Acordos Bilaterais  entre  Angola e Alemanha”, no webinar sobre “Oportunidades de Negócios” entre esses Estados, no webinar promovido pela consultora “N’Kiela”, Balbina da Silva aponta outros sectores beneficiários desta relação, como os das infraestruturas,  transportes, defesa, cultura, educação e informação.

De acordo com a diplomata, estes sectores ganham  maior impulso com a  implementação dos acordos rubricados, tendo sido os mais mais recentes assinados em Fevereiro de 2020, aquando da visita oficial da Chanceler  Alemã, Angela Markel, a Angola.

Na altura, foi realizado o VIII Fórum Econômico Angola/Alemanha, momento em que foram rubricados três instrumentos juridicos, com destaque para o Memorando de Entendimento entre o Ministério da Construção e Obras Públicas e os Consórcios formados pela Goethe.

Tal memorando é para a construção e reabilitação das estradas nacionais Nr. 140 e 295 (troço Kuito / Derico, na província do Cuando Cubango)  e o troço Mussende/Cangandala ( Cuanza Sul/ Malanje), com o financiamento  da  República Federal da Alemanha,  no âmbito do PDN 2018/2022.

Foram ainda assinados o Memorando de Entendimento entre o Ministério dos Transportes de Angola e a empresa Siemens Mobility, para a construção do metro de superfície na Baía de Luanda, com um  custo avaliado em três mil milhões de dólares.

Outro documento assinado  foi entre o Ministério da Energia e Águas e a Voith, para a construção da Academia Voith, baseada no conceito de valorização, no âmbito da expansão das energias renováveis no país.

Ainda no quadro desta parceria, em Angola, operam mais de 20 empresas alemãs nos mais variados ramos, entre os quais, a Bosch, Bauer Angola, Andritz Hyro GmbH, DHL internacional, Gauff GmbH&Co Engineering, Lufthansa, a Siemens Mobility e a Tractebel Engineering GmbH,

Grande parte destas actuam à luz do “Acordo Promoção e Protecção  Recíproca de Investimento (APPRI)”, assinado em 2007.

No quadro das reformas em curso no país, a embaixadora de Angola na Alemanha convida outros investidores  para aproveitarem as oportunidades ligadas ao ambiente de negócios, bem como do programa de privatizações, que prevê a alienação de 195 activos e participações do Estado, até 2022.

O presidente do Conselho de Administração da Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola (AIPEX), Henriques da Silva, o delegado da Economia Alemã em Angola, Vandré Spellmeier, e a directora-geral da Farm Clau-Renilson, Claudeth Traguedo, foram outros oradores deste evento.

“Alemanha e Angola - Cooperação Económica e Oportunidades de Negócio” é o primeiro de 4 Webinares que vão decorrer ao longo deste ano, sempre com a perspectiva da criação e do fortalecimento de uma rede corporativa entre África e a Europa, particularmente Angola e Alemanha.