Lunda Sul aposta na produção de grãos

Saurimo – As famílias camponesas da província da Lunda Sul começaram, pela primeira vez, a implementação da mono-cultura de grãos (milho e arroz), revelou, nesta quinta-feira, o director do Gabinete Provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas, Nelson Senguetale.

Em declarações à Angop, o responsável fez saber que na actual campanha agrícola 2020/2021 estão a ser cultivados  nove mil 847 hectares de grãos, sendo nove mil e 726 de milho e 120 de arroz, com uma previsão de recolha de quatro mil 995 toneladas.

Fez saber que o objectivo é fomentar a produção de grãos na região, uma vez que os tubérculos, raízes e leguminosas são as culturas predominantes da província.

Conforme o responsável,  em função dos hábitos cultivares e alimentares da região, os camponeses apostam mais na produção de batata-doce, mandioca, feijão e amendoim, daí a necessidade da introdução dos grãos de forma a diversificar as culturas e consequentemente a melhoria da dieta alimentar das famílias.

Para o êxito do processo foram criados campos de produção a nível dos municípios de Cacolo, Dala, Muconda e Saurimo, com diversas dimensões, para produzir milho em quantidades substanciais.

“Os camponeses, sobretudo as cooperativas agrícolas, necessitam de interagir com a nova cultura e encarem, com responsabilidade, a importância da produção de grãos, para que se consiga atingir os objectivos preconizados”, alertou.

Na campanha agrícola 2019/2020 foram colhidas a nível da província, mil 666 toneladas de milho, numa área cultivada de 3 mil 332 hectares e 139 mil 977 toneladas de mandioca foram colhidas.

Em declarações à Angop, o responsável fez saber que na actual campanha agrícola 2020/2021 estão a ser cultivados  nove mil 847 hectares de grãos, sendo nove mil e 726 de milho e 120 de arroz, com uma previsão de recolha de quatro mil 995 toneladas.

Fez saber que o objectivo é fomentar a produção de grãos na região, uma vez que os tubérculos, raízes e leguminosas são as culturas predominantes da província.

Conforme o responsável,  em função dos hábitos cultivares e alimentares da região, os camponeses apostam mais na produção de batata-doce, mandioca, feijão e amendoim, daí a necessidade da introdução dos grãos de forma a diversificar as culturas e consequentemente a melhoria da dieta alimentar das famílias.

Para o êxito do processo foram criados campos de produção a nível dos municípios de Cacolo, Dala, Muconda e Saurimo, com diversas dimensões, para produzir milho em quantidades substanciais.

“Os camponeses, sobretudo as cooperativas agrícolas, necessitam de interagir com a nova cultura e encarem, com responsabilidade, a importância da produção de grãos, para que se consiga atingir os objectivos preconizados”, alertou.

Na campanha agrícola 2019/2020 foram colhidas a nível da província, mil 666 toneladas de milho, numa área cultivada de 3 mil 332 hectares e 139 mil 977 toneladas de mandioca foram colhidas.