Mais de 400 projectos sociais aguardam financiamento

  • Computador, instrumento básico na era digital
Cuito - Quatrocentos e vinte e quatro projectos de pequenos empreendedores, com valores estimados de 100 mil até sete milhões de kwanzas, aguardam por financiamento da Sociedade de Micro Crédito “kixicrédito” no Bié, no âmbito Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA).

O FACRA, inserido no Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (PRODESI), é destinado a empreendedores que actuam no sector formal ou informal da economia.

Faz parte do pacote projectos como distribuição de produtos de campo, processamento alimentar, desenvolvimento de software, nos ramos da saúde, educação, gestão de recursos humanos entre outros.

O director do Gabinete para o Desenvolvimento Económico Integrado no Bié, Israel Chissingue Elavoco, em declarações hoje à Angop, no Cuito, sobre o assunto, disse que a implementação do PRODESI estimulou o bem-estar das comunidades, através do aumento da produção agrícola.

Quanto ao Projecto de Apoio ao Crédito (PAC), segundo a fonte, estão candidatadas 62 promotores, nomeadamente 29 projectos do sector da agricultura, 18 de transformação de bens alimentares e cinco de prestação de serviço.

Informou ainda que actualmente os referidos projectos encontram-se no departamento de análise de risco de crédito do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) para posterior desembolso, com valores a depender da dimensão e impacto social do projecto.

Já ao Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), até a presente data foram já financiados 10 cooperativas, das 18 aprovadas, num valor de 370 milhões Kwanzas.

As restantes oito cooperativas continuam a espera do desembolso estimado em 300 milhões de Kwanzas, a partir do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA).

Relativamente à linha de crédito para financiar a compra das cooperativas dos produtos familiares e dos empresários agropecuárias de pequena e média dimensão, a fornecedores nacionais de sementes e insumo agrícola, das 22 empresas cadastradas 18 já receberam desembolso, no valor de 744 milhões 980 mil 500 kwanzas.

Os projectos inseridos na linha de crédito do PRODESI permitiram as empresas e cooperativas gerar mil 736 empregos direitos, seis mil 222 indirectos, nesta parcela do país.

Alcides Evaristo Sambigo (negociante), que beneficiou mais de 20 milhões de kwanzas do BDA, no município do Chitembo, disse que com esta acção permitiu comprar e vender 27 toneladas de milho e feijão, assim como aumentou os postos de emprego de três para 13 pessoas.

O FACRA, inserido no Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (PRODESI), é destinado a empreendedores que actuam no sector formal ou informal da economia.

Faz parte do pacote projectos como distribuição de produtos de campo, processamento alimentar, desenvolvimento de software, nos ramos da saúde, educação, gestão de recursos humanos entre outros.

O director do Gabinete para o Desenvolvimento Económico Integrado no Bié, Israel Chissingue Elavoco, em declarações hoje à Angop, no Cuito, sobre o assunto, disse que a implementação do PRODESI estimulou o bem-estar das comunidades, através do aumento da produção agrícola.

Quanto ao Projecto de Apoio ao Crédito (PAC), segundo a fonte, estão candidatadas 62 promotores, nomeadamente 29 projectos do sector da agricultura, 18 de transformação de bens alimentares e cinco de prestação de serviço.

Informou ainda que actualmente os referidos projectos encontram-se no departamento de análise de risco de crédito do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA) para posterior desembolso, com valores a depender da dimensão e impacto social do projecto.

Já ao Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (PRODESI), até a presente data foram já financiados 10 cooperativas, das 18 aprovadas, num valor de 370 milhões Kwanzas.

As restantes oito cooperativas continuam a espera do desembolso estimado em 300 milhões de Kwanzas, a partir do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA).

Relativamente à linha de crédito para financiar a compra das cooperativas dos produtos familiares e dos empresários agropecuárias de pequena e média dimensão, a fornecedores nacionais de sementes e insumo agrícola, das 22 empresas cadastradas 18 já receberam desembolso, no valor de 744 milhões 980 mil 500 kwanzas.

Os projectos inseridos na linha de crédito do PRODESI permitiram as empresas e cooperativas gerar mil 736 empregos direitos, seis mil 222 indirectos, nesta parcela do país.

Alcides Evaristo Sambigo (negociante), que beneficiou mais de 20 milhões de kwanzas do BDA, no município do Chitembo, disse que com esta acção permitiu comprar e vender 27 toneladas de milho e feijão, assim como aumentou os postos de emprego de três para 13 pessoas.