Aquicultores elevam produção de tilápia em Malanje

  • Vista parcial das pedras negras, em Malanje.
Malanje - Setenta e duas toneladas de tilápia (cacusso) é a produção alcançada pelos aquicultores de Malanje em 2020, contra as 11 toneladas produzidas em 2019, informou terça-feira o director do Gabinete Provincial da Agricultura e Pescas, Carlos Chipoia.

Segundo o responsável, o aumento é fruto da implementação do Projecto de Pesca Artesanal e Aquicultura (AFAP), financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola).

Precisou que o AFAP contribuiu com 60 toneladas de tilápia durante o ano passado e envolveu mais de 200 agregados na actividade pesqueira, daí a razão do aumento da produção.

Apesar dos apoios do AFAP, Carlos Chipoia fez saber que no domínio da pesca continental registou-se baixa na captura, tendo a produção em 2020 se situado em 149 toneladas de pescado (entre tilápia, mutica e bagre), contra as 172 toneladas atingidas em 2019.

Apontou a escassez de artefactos de pesca como o principal motivo da queda, pelo que perspectiva-se para 2021 a inversão do quadro, tendo em vista possíveis financiamentos a produtores no âmbito do PAC (Programa de Apoio ao Crédito).

O projecto AFAP tem um financiamento de 12 milhões de dólares norte-americanos, e está igualmente a ser desenvolvido nas províncias de Luanda, Bengo, Cuanza Norte, mas na componente da pesca continental, enquanto em Malanje a aposta recaiu na aquicultura.

 

Segundo o responsável, o aumento é fruto da implementação do Projecto de Pesca Artesanal e Aquicultura (AFAP), financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola).

Precisou que o AFAP contribuiu com 60 toneladas de tilápia durante o ano passado e envolveu mais de 200 agregados na actividade pesqueira, daí a razão do aumento da produção.

Apesar dos apoios do AFAP, Carlos Chipoia fez saber que no domínio da pesca continental registou-se baixa na captura, tendo a produção em 2020 se situado em 149 toneladas de pescado (entre tilápia, mutica e bagre), contra as 172 toneladas atingidas em 2019.

Apontou a escassez de artefactos de pesca como o principal motivo da queda, pelo que perspectiva-se para 2021 a inversão do quadro, tendo em vista possíveis financiamentos a produtores no âmbito do PAC (Programa de Apoio ao Crédito).

O projecto AFAP tem um financiamento de 12 milhões de dólares norte-americanos, e está igualmente a ser desenvolvido nas províncias de Luanda, Bengo, Cuanza Norte, mas na componente da pesca continental, enquanto em Malanje a aposta recaiu na aquicultura.