Central ecológica de Laúca arranca em 2021

  • Malanje: Túnel da turbina  da central térmica de Laúca
Malanje- A central ecológica da hidroeléctrica de Laúca, no municipio de Cacuso, província de Malanje, arranca no primeiro semestre de 2021 e vai gerar 65,5 megawatts de energia.

A referida central, cujas obras iniciaram em Dezembro de 2019, vai funcionar com apenas uma turbina e terá a função de gerar energia auxiliar a barragem de Laúca, bem como proteger as espécies aquáticas e o meio ambiente.

O director do projecto Laúca, Elias Estêvão, disse à Angop que, com a sua entrada em funcionamento, a capacidade de produção de Laúca passará de dois mil e quatro para dois mil 70 megawatts de energia, para distribuição através dos sistemas centro e norte do país.

Explicou que a central ecológica de Laúca atinge um caudal de 60 metros cúbicos por segundo, com uma queda de água superior a 100 metros de altura.

Depois de concluída a central ecológica, Laúca torna-se no segundo maior empreendimento hidroeléctrico do continente aAfricano, depois da barragem de Aswan, no Egipto, que tem capacidade de produção de dois mil e 100 megawatts.

A central ecológica de Laúca consta da empreitada geral do projecto hidroeléctrico de Laúca, iniciado em 2013, e que nesta quarta-feira colocou em funcionamento a sexta e última turbina.

Laúca fornece energia às províncias de Malanje, Luanda, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Uíge, Zaire, Bengo, Huambo, Benguela e Bié.

A referida central, cujas obras iniciaram em Dezembro de 2019, vai funcionar com apenas uma turbina e terá a função de gerar energia auxiliar a barragem de Laúca, bem como proteger as espécies aquáticas e o meio ambiente.

O director do projecto Laúca, Elias Estêvão, disse à Angop que, com a sua entrada em funcionamento, a capacidade de produção de Laúca passará de dois mil e quatro para dois mil 70 megawatts de energia, para distribuição através dos sistemas centro e norte do país.

Explicou que a central ecológica de Laúca atinge um caudal de 60 metros cúbicos por segundo, com uma queda de água superior a 100 metros de altura.

Depois de concluída a central ecológica, Laúca torna-se no segundo maior empreendimento hidroeléctrico do continente aAfricano, depois da barragem de Aswan, no Egipto, que tem capacidade de produção de dois mil e 100 megawatts.

A central ecológica de Laúca consta da empreitada geral do projecto hidroeléctrico de Laúca, iniciado em 2013, e que nesta quarta-feira colocou em funcionamento a sexta e última turbina.

Laúca fornece energia às províncias de Malanje, Luanda, Cuanza Norte, Cuanza Sul, Uíge, Zaire, Bengo, Huambo, Benguela e Bié.