Namíbia quer explorar sector económico em Malanje

  • Patrick Nandago,  embaixador da Namíbia em Angola (Arquivo)
Malanje - O embaixador da Namíbia em Angola, Patrick Nandago, apresentou nesta segunda-feira a intenção do seu país em explorar os sectores económico, turístico e empresarial da província de Malanje, no quadro do reforço da cooperação entre Namíbia e Angola.

Segundo o diplomata, essa intenção visa ainda criar parcerias, promover a troca de experiência no capítulo empresarial entre investidores dos dois países, com destaque para os do mercado de Malanje, e prevê ainda actuar também nos domínios da mineração, agricultura e cultura.

Patrick Nandago manifestou essa posição, durante um encontro que manteve com membros do Governo da província e diplomatas da embaixada namibiana em Angola, tendo destacado dois renomados empresários nacionais, designados cônsules honorários da embaixada, com os quais contarão nessas relações de negócios.

“Tão logo constatarmos as potencialidades da província e houver possibilidades de negócios, vamos comunicar a comunidade empresarial namibiana, para efeitos de investimentos”, frisou, acrescentando ser de domínio comum que o país, e Malanje particularmente, têm solos férteis e recursos minerais e hídricos suficientes para fomentar negócios e parcerias.

Fez saber que Namíbia é um país semi-deserto e com ciclo chuvoso pouco favorável, mas conta com bons quadros e empresários do sector agrícola, daí a necessidade de procurar, por outros mercados, para investir, pelo que augura uma cooperação fiável, caso haja oportunidades de aquisição de terras em Angola para o desenvolvimento da agricultura.

“O turismo também é um dos pilares económicos da Namíbia, por isso, temos interesse em visitar os pontos turísticos de Malanje e aferir a necessidade ou não dos nossos empresários investirem nesse domínio, sem descurar o sector de minas”, realçou.

Entretanto, o embaixador, fez saber que os dois países têm pelo menos 40 acordos de cooperação nos domínios empresarial, educação, pesca, transporte, juventude, agricultura e outros, que constituem caminho para a concretização da parceria entre os empresários.

Por outro lado, Pactrick Nandago, reiterou a intenção de reabertura das fronteiras de Angola com a Namíbia, encerradas em Março de 2020 por conta da Covid-19, desde que haja consenso com a parte de Angola, a semelhança do que ocorreu com a África do sul, Zâmbia e Botswana.

Por sua vez, o governador de Malanje, Norberto Fernandes dos Santos, manifestou-se aberto para a concretização de investimentos na província, sobretudo na agricultura de grande porte e na indústria transformada, sem descurar outros sectores.

Por isso, apontou a intenção de se geminar Malanje e uma cidade namibiana, potencialmente agrícola, por indicação das autoridades deste país, a fim de se cooperar e desenvolver estas áreas, incluindo a pecuária e o turismo.

Realçou que, ao ser um facto, essa geminação concorrerá não só para fortificar a cooperação empresarial, mas para melhorar a cadeia de valor e a economia de ambas partes.

O embaixador da Namíbia iniciou hoje uma visita de cinco dias à província e, na sequência, já esteve no Instituto Médio Agrário de Malanje, instituição vocacionada à formação de quadros do sector agrário e produção vegetal, a fim de constatar o seu nível de desenvolvimento face às intenções de investimento e de parcerias empresarias.

A jornada do diplomata reserva visitas a Fazenda Pipe, voltado a produção de milho e o projecto hidro-eléctrico de Capanda, ambos no município de Cacuso.

 

Segundo o diplomata, essa intenção visa ainda criar parcerias, promover a troca de experiência no capítulo empresarial entre investidores dos dois países, com destaque para os do mercado de Malanje, e prevê ainda actuar também nos domínios da mineração, agricultura e cultura.

Patrick Nandago manifestou essa posição, durante um encontro que manteve com membros do Governo da província e diplomatas da embaixada namibiana em Angola, tendo destacado dois renomados empresários nacionais, designados cônsules honorários da embaixada, com os quais contarão nessas relações de negócios.

“Tão logo constatarmos as potencialidades da província e houver possibilidades de negócios, vamos comunicar a comunidade empresarial namibiana, para efeitos de investimentos”, frisou, acrescentando ser de domínio comum que o país, e Malanje particularmente, têm solos férteis e recursos minerais e hídricos suficientes para fomentar negócios e parcerias.

Fez saber que Namíbia é um país semi-deserto e com ciclo chuvoso pouco favorável, mas conta com bons quadros e empresários do sector agrícola, daí a necessidade de procurar, por outros mercados, para investir, pelo que augura uma cooperação fiável, caso haja oportunidades de aquisição de terras em Angola para o desenvolvimento da agricultura.

“O turismo também é um dos pilares económicos da Namíbia, por isso, temos interesse em visitar os pontos turísticos de Malanje e aferir a necessidade ou não dos nossos empresários investirem nesse domínio, sem descurar o sector de minas”, realçou.

Entretanto, o embaixador, fez saber que os dois países têm pelo menos 40 acordos de cooperação nos domínios empresarial, educação, pesca, transporte, juventude, agricultura e outros, que constituem caminho para a concretização da parceria entre os empresários.

Por outro lado, Pactrick Nandago, reiterou a intenção de reabertura das fronteiras de Angola com a Namíbia, encerradas em Março de 2020 por conta da Covid-19, desde que haja consenso com a parte de Angola, a semelhança do que ocorreu com a África do sul, Zâmbia e Botswana.

Por sua vez, o governador de Malanje, Norberto Fernandes dos Santos, manifestou-se aberto para a concretização de investimentos na província, sobretudo na agricultura de grande porte e na indústria transformada, sem descurar outros sectores.

Por isso, apontou a intenção de se geminar Malanje e uma cidade namibiana, potencialmente agrícola, por indicação das autoridades deste país, a fim de se cooperar e desenvolver estas áreas, incluindo a pecuária e o turismo.

Realçou que, ao ser um facto, essa geminação concorrerá não só para fortificar a cooperação empresarial, mas para melhorar a cadeia de valor e a economia de ambas partes.

O embaixador da Namíbia iniciou hoje uma visita de cinco dias à província e, na sequência, já esteve no Instituto Médio Agrário de Malanje, instituição vocacionada à formação de quadros do sector agrário e produção vegetal, a fim de constatar o seu nível de desenvolvimento face às intenções de investimento e de parcerias empresarias.

A jornada do diplomata reserva visitas a Fazenda Pipe, voltado a produção de milho e o projecto hidro-eléctrico de Capanda, ambos no município de Cacuso.