Projecto de Pesca Artesanal melhora condição de vida das comunidades

Malanje- A secretária de Estado das Pescas, Esperança Maria da Costa, admitiu, nesta quinta-feira, em Malanje, que o Projecto de Pesca Artesanal e Aquicultura (AFAP) está a melhorar a condição de vida das comunidades, como resultado da reprodução e comercialização do pescado.

A responsável falava à imprensa no termo da visita de dois dias à província que visou avaliar o referido projecto, que se consubstância em apoiar os aquicultores na preparação dos tanques de reprodução e engorda de peixes, bem como alfabetização e capacitação técnica em aquicultura e gestão dos negócios.

“As comunidades vão tendo, com esse projecto, as suas rendas e criaram empregos”, frisou, acrescentando que, com isso, se prevêe maior robustez na economia das famílias uma vez que a produção tende a aumentar.  

Dez por cento do pescado produzido pelos aquicultores associados no âmbito do AFAP é comercializado a 2 mil kwanzas por quilo, cujo valor destina-se ao sustento e geração de renda dos associados, enquanto 90% serve para reprodução e reserva, com vista a sair-se da dependência de financiamentos e apoios, aspecto que segundo a secretaria de Estado está no bom caminho.

O projecto teve início em 2017 e prevê, até 2021, a escavação de 250 tanques, mas até ao momento foram construídos 205, faltando 45.

Entretanto, o coordenador para o desenvolvimento comunitário do projecto AFAP em Malanje, Evaristo Quintas, precisou que dos 205 tanques 61 estão já povoados com dois mil peixes cada e 22 em comercialização desde Junho deste ano.

Fruto da comercialização, explicou, os associados de cinco das 8 cooperativas prontas para proceder vendas arrecadaram um valor estimado em 11 milhões de kwanzas.

A jornada da secretária de Estado das Pescas culminou com a entrega de 50 toneladas de ração de peixe e visitas aos tanques de produção do Quéssua, Camizaje, Lombe e Camibafu, este último que vai beneficiar de 340 mil alevinos para a criação de um centro de alevinicultura destinado a apoiar as comunidades ligadas ao AFAP e fomentar a aquicultura na província.

O projecto está a apoiar 250 famílias das localidades de Quissol, Vila Matilde, Vula Ngombe, Ngola Luije, Quéssua, Camizaje, Camibafu, todos no município de Malanje e na comuna do Lombe (Cacuso).

O projecto AFAP, estimado em 12 milhões de dólares norte-americanos, é financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola) e está a ser implementado nas províncias de Luanda, Bengo e Cuanza Norte, com previsões de se estender a Huíla e Moxico

A responsável falava à imprensa no termo da visita de dois dias à província que visou avaliar o referido projecto, que se consubstância em apoiar os aquicultores na preparação dos tanques de reprodução e engorda de peixes, bem como alfabetização e capacitação técnica em aquicultura e gestão dos negócios.

“As comunidades vão tendo, com esse projecto, as suas rendas e criaram empregos”, frisou, acrescentando que, com isso, se prevêe maior robustez na economia das famílias uma vez que a produção tende a aumentar.  

Dez por cento do pescado produzido pelos aquicultores associados no âmbito do AFAP é comercializado a 2 mil kwanzas por quilo, cujo valor destina-se ao sustento e geração de renda dos associados, enquanto 90% serve para reprodução e reserva, com vista a sair-se da dependência de financiamentos e apoios, aspecto que segundo a secretaria de Estado está no bom caminho.

O projecto teve início em 2017 e prevê, até 2021, a escavação de 250 tanques, mas até ao momento foram construídos 205, faltando 45.

Entretanto, o coordenador para o desenvolvimento comunitário do projecto AFAP em Malanje, Evaristo Quintas, precisou que dos 205 tanques 61 estão já povoados com dois mil peixes cada e 22 em comercialização desde Junho deste ano.

Fruto da comercialização, explicou, os associados de cinco das 8 cooperativas prontas para proceder vendas arrecadaram um valor estimado em 11 milhões de kwanzas.

A jornada da secretária de Estado das Pescas culminou com a entrega de 50 toneladas de ração de peixe e visitas aos tanques de produção do Quéssua, Camizaje, Lombe e Camibafu, este último que vai beneficiar de 340 mil alevinos para a criação de um centro de alevinicultura destinado a apoiar as comunidades ligadas ao AFAP e fomentar a aquicultura na província.

O projecto está a apoiar 250 famílias das localidades de Quissol, Vila Matilde, Vula Ngombe, Ngola Luije, Quéssua, Camizaje, Camibafu, todos no município de Malanje e na comuna do Lombe (Cacuso).

O projecto AFAP, estimado em 12 milhões de dólares norte-americanos, é financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola) e está a ser implementado nas províncias de Luanda, Bengo e Cuanza Norte, com previsões de se estender a Huíla e Moxico