Malanje conta com mais de 800 mil alevinos para reprodução

Malanje- Oitocentos e 32 mil alevinos foram adquiridos pelo Ministério das Pescas, a partir do município de Massangano, província do Cuanza norte, para repovoação nos tanques de aquicultura de Camibafu, em Malanje.

A informação foi avançada hoje (quarta-feira) nesta cidade, pelo consultor do Projecto de Pesca Artesanal e Aquicultura (AFAP), Moustapha Diedhiou, referindo que a aquisição está orçada em 55 milhões de kwanzas.

Falando à saída de um encontro entre a secretária de Estado das Pescas, Esperança Maria da Costa, e operadores do sector de pescas de Malanje, o responsável precisou que os alevinos em causa chegam à província na próxima semana.

O projecto AFAP, estimado em 12 milhões de dólares norte-americanos, é financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola) e está igualmente a ser implementado nas províncias de Luanda, Bengo e Cuanza norte.

O chefe de Departamento das Pescas de Malanje, Domingos Americano, precisou que as referidas espécies serão lançadas aos tanques logo à chegada, no sentido de substituir as antigas e vão beneficiar 250 famílias aquícolas associadas.

Explicou que actualmente existem algumas quantidades não contabilizadas de alevinos nos tanques de Camibafu e outros de Malanje, que serão nulas e destruídas para dar lugar os novos saídos de Massangano.

A destruição, segundo disse, deve-se ao facto das espécies estarem “frustradas” devido ao período de fome que enfrentam, por conta da falta de ração para peixes que o país enfrenta e consequentemente afecta a região de Malanje, que originou a baixa reprodução.

A par disso, realçou que a Covid-19 está igualmente a dificultar a compra e reprodução de alevinos em Malanje.

O centro de aquicultura de Camibafu foi construído em 2007, com financiamentos da União Europeia e até então produzia entre 20 a 25 mil alevinos trimestralmente, mas hoje a cifra baixou consideravelmente por falta de ração.

A unidade dispõe de tanques de reprodução e um de engorda, com capacidades para mais de 20 alevinos cada, cujo objecto social é de produzir alevinos melhorados para distribuir aos produtores revendedores para o mercado de consumo.

A reunião da secretária de Estado das Pescas, Esperança Francisco da Costa, serviu para auscultar os pescadores e aquicultores, que apontaram a escassez de ração e de alevinos no mercado local, entre outros como as principais inquietações.

A inadequação dos artefactos de pesca à realidade da província foi igualmente apresentada como um dos factores que contribuem para a fraca produção da pesca continental.

A jornada da secretária de Estado foi antecedida por visitas aos tanques de produção de Camibafu e aos armazéns de ração de peixes, nesta cidade, e prossegue quinta-feira com deslocações às comunidades aquícolas do Quéssua, Camizaje, Vulangombe e Binzole.

 

A informação foi avançada hoje (quarta-feira) nesta cidade, pelo consultor do Projecto de Pesca Artesanal e Aquicultura (AFAP), Moustapha Diedhiou, referindo que a aquisição está orçada em 55 milhões de kwanzas.

Falando à saída de um encontro entre a secretária de Estado das Pescas, Esperança Maria da Costa, e operadores do sector de pescas de Malanje, o responsável precisou que os alevinos em causa chegam à província na próxima semana.

O projecto AFAP, estimado em 12 milhões de dólares norte-americanos, é financiado pelo FIDA (Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola) e está igualmente a ser implementado nas províncias de Luanda, Bengo e Cuanza norte.

O chefe de Departamento das Pescas de Malanje, Domingos Americano, precisou que as referidas espécies serão lançadas aos tanques logo à chegada, no sentido de substituir as antigas e vão beneficiar 250 famílias aquícolas associadas.

Explicou que actualmente existem algumas quantidades não contabilizadas de alevinos nos tanques de Camibafu e outros de Malanje, que serão nulas e destruídas para dar lugar os novos saídos de Massangano.

A destruição, segundo disse, deve-se ao facto das espécies estarem “frustradas” devido ao período de fome que enfrentam, por conta da falta de ração para peixes que o país enfrenta e consequentemente afecta a região de Malanje, que originou a baixa reprodução.

A par disso, realçou que a Covid-19 está igualmente a dificultar a compra e reprodução de alevinos em Malanje.

O centro de aquicultura de Camibafu foi construído em 2007, com financiamentos da União Europeia e até então produzia entre 20 a 25 mil alevinos trimestralmente, mas hoje a cifra baixou consideravelmente por falta de ração.

A unidade dispõe de tanques de reprodução e um de engorda, com capacidades para mais de 20 alevinos cada, cujo objecto social é de produzir alevinos melhorados para distribuir aos produtores revendedores para o mercado de consumo.

A reunião da secretária de Estado das Pescas, Esperança Francisco da Costa, serviu para auscultar os pescadores e aquicultores, que apontaram a escassez de ração e de alevinos no mercado local, entre outros como as principais inquietações.

A inadequação dos artefactos de pesca à realidade da província foi igualmente apresentada como um dos factores que contribuem para a fraca produção da pesca continental.

A jornada da secretária de Estado foi antecedida por visitas aos tanques de produção de Camibafu e aos armazéns de ração de peixes, nesta cidade, e prossegue quinta-feira com deslocações às comunidades aquícolas do Quéssua, Camizaje, Vulangombe e Binzole.