MOSAP II alfabetiza dois mil e quatro camponeses no Huambo

Huambo – Dois mil e quatro camponeses, dos municípios do Cachiungo, Ecunha, Londuimbali e Mungo (Huambo), terminaram nesta sexta-feira o ciclo de alfabetização funcional de três anos, no âmbito do Projecto de Desenvolvimento da Agricultura (MOSAP II).

Inicialmente, tinham sido matriculados na acção formativa, que teve início em Setembro de 2018, três mil e sete camponeses, dos quais 907 desistiram por razões diversas e 98 reprovaram.

Enquadrada na componente das escolas de campo, que visam munir os camponeses de conhecimentos técnicos para elevar os níveis de produção, as sessões lectivas de alfabetização tiveram o suporte metodológico da ONG Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP).

Discursando no acto de encerramento, decorrido no sector de Saemba, município do Cachiungo, a 77 quilómetros da cidade do Huambo, o supervisor provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário no Huambo, Joaquim Pinto Afonso, fez saber que os camponeses foram alfabetizados no módulo II, equivalente a 3ª e 4ª classes de escolaridade.

Acrescentou que o processo de alfabetização visa ajudar os beneficiários, associados às escolas de campo dos quatro municípios, a ler e a escrever, para melhor assimilarem os conhecimentos práticos em termos de produtividade agrícola.

Já o administrador adjunto para área Social e Acompanhamento das Comunidades do município do Cachiungo, Abias Fernandes, enalteceu a iniciativa por responder aos desafios do Governo angolano, de reduzir os índices de analfabetismo no país.

O responsável destacou, igualmente, as vantagens económicas da alfabetização no seio dos agricultores, por permitir a  gestão dos financiamentos disponibilizados às associações e cooperativas de camponeses.

O projecto MOSAP II tem o financiamento do Banco Mundial e decorre nas províncias do Huambo, Bié e Malanje, onde já foram gastos 95 milhões de dólares americanos, e assiste actualmente perto de 135 mil famílias que aprendem bons hábitos de produção agrícola em quatro mil e 100 escolas de campo distribuídas em 78 comunas destas regiões do país.

Inicialmente, tinham sido matriculados na acção formativa, que teve início em Setembro de 2018, três mil e sete camponeses, dos quais 907 desistiram por razões diversas e 98 reprovaram.

Enquadrada na componente das escolas de campo, que visam munir os camponeses de conhecimentos técnicos para elevar os níveis de produção, as sessões lectivas de alfabetização tiveram o suporte metodológico da ONG Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP).

Discursando no acto de encerramento, decorrido no sector de Saemba, município do Cachiungo, a 77 quilómetros da cidade do Huambo, o supervisor provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário no Huambo, Joaquim Pinto Afonso, fez saber que os camponeses foram alfabetizados no módulo II, equivalente a 3ª e 4ª classes de escolaridade.

Acrescentou que o processo de alfabetização visa ajudar os beneficiários, associados às escolas de campo dos quatro municípios, a ler e a escrever, para melhor assimilarem os conhecimentos práticos em termos de produtividade agrícola.

Já o administrador adjunto para área Social e Acompanhamento das Comunidades do município do Cachiungo, Abias Fernandes, enalteceu a iniciativa por responder aos desafios do Governo angolano, de reduzir os índices de analfabetismo no país.

O responsável destacou, igualmente, as vantagens económicas da alfabetização no seio dos agricultores, por permitir a  gestão dos financiamentos disponibilizados às associações e cooperativas de camponeses.

O projecto MOSAP II tem o financiamento do Banco Mundial e decorre nas províncias do Huambo, Bié e Malanje, onde já foram gastos 95 milhões de dólares americanos, e assiste actualmente perto de 135 mil famílias que aprendem bons hábitos de produção agrícola em quatro mil e 100 escolas de campo distribuídas em 78 comunas destas regiões do país.