Falta de dados dificulta quantificação do pescado

  • Peixe seco
Moçâmedes - O sector das pescas no país enfrenta sérios problemas de dados estatísticos, que impossibilita calcular a quantidade de pescado capturado, consumido e exportado.

Em declarações quinta-feira à imprensa, na província do Namibe, a directora nacional dos Serviços de Fiscalização Pesqueira e Aquicultura do Ministério da Agricultura e Pescas, Maria Marques, disse ser  necessário um trabalho profundo na sua área, através da criação de mecanismos para apuramento concreto de dados sobre a captura de pescado no país.

Disse ser um trabalho muito complexo, mas que deve ser feito, de modo a se perceber se o sector tem satisfeito as necessidades da população, porque nota-se carência de pescado no mercado.

Sobre as embarcações estrangeiras que realizam pesca ilegal e com meios não permitidos, a responsável admitiu que o seu sector domina o assunto, mas o seu combate é difícil, por ser necessário um sistema de controlo tecnológico muito eficaz, devido a dimensão do mar de Angola.

O sistema de fiscalização utilizado actualmente, adiantou, que se denomina MUNIKAP, é ineficaz, e acrescentou que quase ou nada ajuda, porque não dá informações completas.

Durante dois dias, a directora nacional trabalha nos municípios de Moçâmedes e Tômbwa.

Em declarações quinta-feira à imprensa, na província do Namibe, a directora nacional dos Serviços de Fiscalização Pesqueira e Aquicultura do Ministério da Agricultura e Pescas, Maria Marques, disse ser  necessário um trabalho profundo na sua área, através da criação de mecanismos para apuramento concreto de dados sobre a captura de pescado no país.

Disse ser um trabalho muito complexo, mas que deve ser feito, de modo a se perceber se o sector tem satisfeito as necessidades da população, porque nota-se carência de pescado no mercado.

Sobre as embarcações estrangeiras que realizam pesca ilegal e com meios não permitidos, a responsável admitiu que o seu sector domina o assunto, mas o seu combate é difícil, por ser necessário um sistema de controlo tecnológico muito eficaz, devido a dimensão do mar de Angola.

O sistema de fiscalização utilizado actualmente, adiantou, que se denomina MUNIKAP, é ineficaz, e acrescentou que quase ou nada ajuda, porque não dá informações completas.

Durante dois dias, a directora nacional trabalha nos municípios de Moçâmedes e Tômbwa.