Ministério das Pescas avalia aumento da captura no Namibe

  • Jovens do Tombwa recebendo equipamento de pesca (Arquivo)
Moçâmedes- A secretária de Estado para as Pescas, Esperança Costa, disse, nesta cidade, existir um plano para direccionar a actuação da frota da pesca artesanal e da semi-industrial e industrial, com vista ao aumento da captura de pescado na província do Namibe.

Em jeito de balanço da sua visita de dois dias à provincia do Namibe, a responsável avançou que a a pesca artesanal deve ter a sua quota reservada de exploração de recursos a nível da costa e dos pequenos pelágicos para que não sofra por causa da exploração  da frota industrial, permitindo assim  aumentar a captura, manter os  empregos e dar estabilidade social as comunidades piscatórias.

Esperança Costa disse ainda ser necessário a  requalificação de  infra-estruturas em terra, que neste momento não estão a funcionar.

“Temos que apoiar este sector,  nomeadamente a facilitação para o acesso aos programas de financiamento, para que de facto essas iniciativas privadas possam ter impacto positivo e contribuir na estratégia do Executivo de promoção da diversificação da economia nacional”, acrescentou.

 Em relação as obras do Complexo Maritimo Hélder Neto, reconheceu existir um ligeiro atraso devido à pandemia da Covid-19, com  o empreiteiro a ter dificuldades no transporte do material.

A obra de transformação da Academia de Pescas e Ciências do Mar em Universidade, frisou, é um processo em curso.

Por seu turno, o governador do Namibe, Archer Mangueira, diz que a presença da secretária de Estado para as Pescas no Namibe serviu para partilhar informações sobre as acções sobre a cadeia de valor da pesca artesanal, uma área que considera de prioridade, no âmbito das acções desenvolvidas para a reestruturação  e organização no sector piscatório.

“Aproveitamos para apresentarmos algumas contribuições em relação  as medidas de regulação que estão em curso e  apelamos a secretária para sermos todos uma equipa. Portando, todos falarmos uma só voz, na implementação destas medidas, sob pena de destruirmos ou  continuarmos a destruir a biomassa que deve ser reservada", disse.

A secretária de Estado visitou unidades de pescas nos municipios de Moçâmedes e Tômbwa e manteve encontro com os operadores do ramo.

 

 

Em jeito de balanço da sua visita de dois dias à provincia do Namibe, a responsável avançou que a a pesca artesanal deve ter a sua quota reservada de exploração de recursos a nível da costa e dos pequenos pelágicos para que não sofra por causa da exploração  da frota industrial, permitindo assim  aumentar a captura, manter os  empregos e dar estabilidade social as comunidades piscatórias.

Esperança Costa disse ainda ser necessário a  requalificação de  infra-estruturas em terra, que neste momento não estão a funcionar.

“Temos que apoiar este sector,  nomeadamente a facilitação para o acesso aos programas de financiamento, para que de facto essas iniciativas privadas possam ter impacto positivo e contribuir na estratégia do Executivo de promoção da diversificação da economia nacional”, acrescentou.

 Em relação as obras do Complexo Maritimo Hélder Neto, reconheceu existir um ligeiro atraso devido à pandemia da Covid-19, com  o empreiteiro a ter dificuldades no transporte do material.

A obra de transformação da Academia de Pescas e Ciências do Mar em Universidade, frisou, é um processo em curso.

Por seu turno, o governador do Namibe, Archer Mangueira, diz que a presença da secretária de Estado para as Pescas no Namibe serviu para partilhar informações sobre as acções sobre a cadeia de valor da pesca artesanal, uma área que considera de prioridade, no âmbito das acções desenvolvidas para a reestruturação  e organização no sector piscatório.

“Aproveitamos para apresentarmos algumas contribuições em relação  as medidas de regulação que estão em curso e  apelamos a secretária para sermos todos uma equipa. Portando, todos falarmos uma só voz, na implementação destas medidas, sob pena de destruirmos ou  continuarmos a destruir a biomassa que deve ser reservada", disse.

A secretária de Estado visitou unidades de pescas nos municipios de Moçâmedes e Tômbwa e manteve encontro com os operadores do ramo.