Praga de gafanhotos atinge Namibe

  • Praga de gafanhotos no Cunene
Moçâmedes – A praga de gafanhotos atingiu aos municípios de Moçâmedes, Tômbwa e Virei, na província do Namibe, depois de afectar o Cunene e o Cuando Cubango.

A informação foi prestada esta quinta-feira, pela vice-governadora para a área Politica, Económica e Social, Maiza Tavares, em conferência de imprensa.

Disse que as acções de combate estão já em curso, para diminuir a sua intensidade e evitar que as culturas sejam largamente afectadas.

Explicou que a província conta já com alguns meios de combate, como viatura de fumigação, insecticidas, pulverizadores, máscaras, fatos de protecção, entre outros.

De acordo com a vice-governadora, as administrações municipais estão orientadas a efectuar o levantamento das zonas afectadas pela praga e as que podem vir a ser atingidas.

Apelou aos agricultores a ajudarem as administrações municipais e comunais, na sensibilização da população para não consumirem os gafanhotos  mortos, pois os produtos usados no momento de fumigação são nocivos à saúde humana e animal.

O fenómeno, que atinge cinco países da região Austral de África, surge devido às alterações climáticas, que estão a influenciar a reprodução dos gafanhotos de forma massiva, afectando, desta feita, os campos agrícolas e os pastos.

A informação foi prestada esta quinta-feira, pela vice-governadora para a área Politica, Económica e Social, Maiza Tavares, em conferência de imprensa.

Disse que as acções de combate estão já em curso, para diminuir a sua intensidade e evitar que as culturas sejam largamente afectadas.

Explicou que a província conta já com alguns meios de combate, como viatura de fumigação, insecticidas, pulverizadores, máscaras, fatos de protecção, entre outros.

De acordo com a vice-governadora, as administrações municipais estão orientadas a efectuar o levantamento das zonas afectadas pela praga e as que podem vir a ser atingidas.

Apelou aos agricultores a ajudarem as administrações municipais e comunais, na sensibilização da população para não consumirem os gafanhotos  mortos, pois os produtos usados no momento de fumigação são nocivos à saúde humana e animal.

O fenómeno, que atinge cinco países da região Austral de África, surge devido às alterações climáticas, que estão a influenciar a reprodução dos gafanhotos de forma massiva, afectando, desta feita, os campos agrícolas e os pastos.