OEA disponível a colaborar com Governo nas políticas económicas

Luanda – A Ordem dos Economistas de Angola (OEA) mostra-se disponível a colaborar com o Governo angolano na elaboração de políticas e estratégias económicas, com vista a garantir a sustentabilidade da diversificação e do desenvolvimento do país.

A intenção foi manifestada esta quarta-feira, em Luanda, pela bastonária da OEA, Maria de Lourdes Bravo, após o acto de tomada de posse dos novos secretários da direcção da organização.

Ao falar à imprensa, no final da cerimónia que marcou o início das actividades da Ordem, a bastonária afirmou que o reforço da interacção entre os economistas e o Governo, assim como com outros especialistas poderá contribuir na aceleração da diversificação económica de Angola.

Segundo a responsável, a OEA irá primar pela realização de fóruns científicos e firmar parcerias com algumas universidades nacionais e estrangeiras, visando reflectir a realidade económica de Angola e apontar as possíveis soluções para concretizar o processo de diversificação económica no país.  

Com o início das actividades da Ordem dos Economistas de Angola, Maria de Lourdes Bravo espera que a profissão de economista seja vista como um factor imprescindível e decisivo no desenvolvimento socioeconómico de Angola.

No seu entender, “os economistas ainda não têm tido muito espaço na sociedade angolana”, mas augura que, a partir deste momento, esta profissão venha a ter o prestígio desejado e a ser cada mais valorizada pelos decisores que traçam as políticas económicas do país.

Com a tomada de posse dos novos secretários, dá-se por concluída a lista de membros da Direcção da OEA, que vai trabalhar durante o quadriénio 2021/2025.

Além do presidente da Mesa da Assembleia-Geral, Fausto de Carvalho Simões, e da bastonária Maria de Lourdes Bravo, fazem parte dessa Direcção o secretário-geral para a Administração e Finanças, Samuel Manzambi, e o secretário para os Assuntos Académicos e Científicos, Kianvu Tamu.

Dessa lista, constam ainda a secretária para as Relações Externas, Ana Celeste, secretária para os Assuntos Culturais e Recreativos, Tânia Garcia, o secretário para o Apoio e Controlo Regional, Edgar dos Santos, o secretário para Inovação e Desenvolvimento, Eduardo Jeremias, e a secretária do Conselho Fiscal, Mara de Almeida.  

A Ordem dos Economistas de Angola foi criada no dia 1 de Março de 2018, com vista a contribuir no desenvolvimento económico do país e dar maior visibilidade às acções dos economistas angolanos.

A intenção foi manifestada esta quarta-feira, em Luanda, pela bastonária da OEA, Maria de Lourdes Bravo, após o acto de tomada de posse dos novos secretários da direcção da organização.

Ao falar à imprensa, no final da cerimónia que marcou o início das actividades da Ordem, a bastonária afirmou que o reforço da interacção entre os economistas e o Governo, assim como com outros especialistas poderá contribuir na aceleração da diversificação económica de Angola.

Segundo a responsável, a OEA irá primar pela realização de fóruns científicos e firmar parcerias com algumas universidades nacionais e estrangeiras, visando reflectir a realidade económica de Angola e apontar as possíveis soluções para concretizar o processo de diversificação económica no país.  

Com o início das actividades da Ordem dos Economistas de Angola, Maria de Lourdes Bravo espera que a profissão de economista seja vista como um factor imprescindível e decisivo no desenvolvimento socioeconómico de Angola.

No seu entender, “os economistas ainda não têm tido muito espaço na sociedade angolana”, mas augura que, a partir deste momento, esta profissão venha a ter o prestígio desejado e a ser cada mais valorizada pelos decisores que traçam as políticas económicas do país.

Com a tomada de posse dos novos secretários, dá-se por concluída a lista de membros da Direcção da OEA, que vai trabalhar durante o quadriénio 2021/2025.

Além do presidente da Mesa da Assembleia-Geral, Fausto de Carvalho Simões, e da bastonária Maria de Lourdes Bravo, fazem parte dessa Direcção o secretário-geral para a Administração e Finanças, Samuel Manzambi, e o secretário para os Assuntos Académicos e Científicos, Kianvu Tamu.

Dessa lista, constam ainda a secretária para as Relações Externas, Ana Celeste, secretária para os Assuntos Culturais e Recreativos, Tânia Garcia, o secretário para o Apoio e Controlo Regional, Edgar dos Santos, o secretário para Inovação e Desenvolvimento, Eduardo Jeremias, e a secretária do Conselho Fiscal, Mara de Almeida.  

A Ordem dos Economistas de Angola foi criada no dia 1 de Março de 2018, com vista a contribuir no desenvolvimento económico do país e dar maior visibilidade às acções dos economistas angolanos.