País com saldo positivo na ordem de mais de três biliões de kwanzas

  • Sector petrolífero ajuda nas projecções fiscais actualizadas
Luanda - A Balança Comercial do país teve um saldo positivo na ordem de três biliões e trezentos mil milhões de kwanzas, como resultado do comportamento do preço do petróleo, principal produto de exportação, soube a Angop.

Segundo o Boletim das Estatísticas de Comércio Externo do II trimestre de 2021, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o 2º Trimestre de 2021, face ao período homólogo, registou um aumento do valor total das exportações de 146,0%, sendo que no mesmo período, as importações registaram um aumento de 48,5%.

De acordo com o INE, os principais continentes das exportações, segundo a estrutura percentual, durante o período em análise, foram Ásia com 85,2%, Europa com 5,5%, América Central e do Sul com 4,3% e África com 2,1% .

Já nas importações, os principais continentes foram a Europa com 40,8%, Ásia com 37,0%, África com 9,9% e América Central e do Sul com 7,1%.

Os principais parceiros das exportações, segundo a estrutura percentual, durante o período em análise, foram a China com 64,1%, Índia com 6,9%, Singapura com 3,6%, Emirados Árabes Unidos com 3,5% e Tailândia com 3,1%.

Quanto aos principais parceiros das importações, neste período, foram a China com 15,8%, Portugal com 12,2%, Índia com 6,7%, Itália com 5,8% e Togo com 5,7%.

De acordo com o INE, entre os principais parceiros africanos de exportações, constam a África do Sul com 42,5%, República Democrática do Congo com 34,1%, Costa do Marfim com 6,2%, Congo (Brazzaville) com 5,1% e Senegal com 3,1%, em relação ao valor total de África.

Para as importações, no mesmo período, o INE diz que os principais parceiros africanos foram Togo com 57,8%, África do Sul com 29,4%, Namíbia com 3,3%, Marrocos com 1,7%, e Egipto com 1,6%.

Segundo o relatório, nas exportações, os principais grupos de produtos foram combustíveis com 94,1%, outros produtos, ”incluindo os diamantes”, com 4,5%, máquinas, equipamentos e aparelhos com 0,4% e produtos agrícolas, madeira e cortiça, minerais e mineiros cada com 0,2%.  

Os principais grupos de produtos importados foram as máquinas, equipamentos e aparelhos com 21,9%, produtos agrícolas com 15,0%, combustíveis com 14,3%, metais comuns com 10,1% e químicos com 9,2%.
 

Quanto às exportações, segundo a classificação por grandes categorias económicas de bens, durante o período em análise, as principais categorias foram combustíveis com 93,6%, bens de consumo com 4,8%, bens intermédios com 1,2% e bens de capital com 0,4% .
 

Nas importações, os bens intermédios cifraram-se em 32,9%, os de consumo com 31,7%, de capital com 21,1% e dos combustíveis com 14,3%.

Segundo o Boletim das Estatísticas de Comércio Externo do II trimestre de 2021, divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o 2º Trimestre de 2021, face ao período homólogo, registou um aumento do valor total das exportações de 146,0%, sendo que no mesmo período, as importações registaram um aumento de 48,5%.

De acordo com o INE, os principais continentes das exportações, segundo a estrutura percentual, durante o período em análise, foram Ásia com 85,2%, Europa com 5,5%, América Central e do Sul com 4,3% e África com 2,1% .

Já nas importações, os principais continentes foram a Europa com 40,8%, Ásia com 37,0%, África com 9,9% e América Central e do Sul com 7,1%.

Os principais parceiros das exportações, segundo a estrutura percentual, durante o período em análise, foram a China com 64,1%, Índia com 6,9%, Singapura com 3,6%, Emirados Árabes Unidos com 3,5% e Tailândia com 3,1%.

Quanto aos principais parceiros das importações, neste período, foram a China com 15,8%, Portugal com 12,2%, Índia com 6,7%, Itália com 5,8% e Togo com 5,7%.

De acordo com o INE, entre os principais parceiros africanos de exportações, constam a África do Sul com 42,5%, República Democrática do Congo com 34,1%, Costa do Marfim com 6,2%, Congo (Brazzaville) com 5,1% e Senegal com 3,1%, em relação ao valor total de África.

Para as importações, no mesmo período, o INE diz que os principais parceiros africanos foram Togo com 57,8%, África do Sul com 29,4%, Namíbia com 3,3%, Marrocos com 1,7%, e Egipto com 1,6%.

Segundo o relatório, nas exportações, os principais grupos de produtos foram combustíveis com 94,1%, outros produtos, ”incluindo os diamantes”, com 4,5%, máquinas, equipamentos e aparelhos com 0,4% e produtos agrícolas, madeira e cortiça, minerais e mineiros cada com 0,2%.  

Os principais grupos de produtos importados foram as máquinas, equipamentos e aparelhos com 21,9%, produtos agrícolas com 15,0%, combustíveis com 14,3%, metais comuns com 10,1% e químicos com 9,2%.
 

Quanto às exportações, segundo a classificação por grandes categorias económicas de bens, durante o período em análise, as principais categorias foram combustíveis com 93,6%, bens de consumo com 4,8%, bens intermédios com 1,2% e bens de capital com 0,4% .
 

Nas importações, os bens intermédios cifraram-se em 32,9%, os de consumo com 31,7%, de capital com 21,1% e dos combustíveis com 14,3%.