PIB de Angola sobe 0,2 % no primeiro trimestre

  • Cidade de Luanda
Luanda - O Produto Interno Bruto (PIB) de Angola teve um crescimento de 0,2% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o IV trimestre de 2020, soube a ANGOP.

Mas se comparado com o período homólogo, o PIB teve uma desaceleração de 3,4%, de acordo com  dados publicados nesta quarta-feira, pelo Instituto  Nacional de Estatística (INE).

Os números foram apresentados nesta quarta-feira pelo chefe do Departamento de Contas Nacionais  e Coordenação Estatística, Pedro Calangi, em conferência de imprensa, após o Seminário Metodológico sobre Cálculos do PIB, dirigido a jornalistas de alguns órgãos públicos e privados.

Contribuíram, para os resultados  dos 0,2%, os sectores do ramo de extracção e refinação de petróleo, com 0,043% (0,8% no IV trimestre de 2020) e aparece com valores negativos o ramo do diamantes com   -0,013% (0,3% IV trimestre de 2020).

Influenciaram ainda na subida o sector da construção que contribuiu  com - 0,017% ( 0,4% IV trimestre de 2020)  e  o  comércio,  com  -0,004 % contra dos 0,6% dos últimos três meses do ano passado.

Em comparação com o período  homólogo, os resultados negativos de 3,4% foram influenciados pela indústria de extracção e refinação de petróleo, que teve uma variação de  -18,6%  contra  -1,8% do período homólogo,  -31,5%  na construção contra -0,1%.

Mesmo com os resultados positivos registados na indústria de extracção de diamantes, no primeiro trimestre de deste ano,  de 27,9%  contra os -5,2% de 2020 e 29,6%  contra -5,2% do sector do comércio, estes em nada influenciaram na alteração do PIB, em comparação com o período homólogo.

De acordo com o técnico do INE, na Folha de Informação Rápida  (FIR)  das Contas Nacionais , que apresenta o PIB, introduziu-se uma  nova  estrutura do índice de preço do Consumidor Nacional (IPCN).  

Trata-se do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) que entrou na contabilização dos impostos sobre produtos, na nomenclatura das Contas Nacionais.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Mas se comparado com o período homólogo, o PIB teve uma desaceleração de 3,4%, de acordo com  dados publicados nesta quarta-feira, pelo Instituto  Nacional de Estatística (INE).

Os números foram apresentados nesta quarta-feira pelo chefe do Departamento de Contas Nacionais  e Coordenação Estatística, Pedro Calangi, em conferência de imprensa, após o Seminário Metodológico sobre Cálculos do PIB, dirigido a jornalistas de alguns órgãos públicos e privados.

Contribuíram, para os resultados  dos 0,2%, os sectores do ramo de extracção e refinação de petróleo, com 0,043% (0,8% no IV trimestre de 2020) e aparece com valores negativos o ramo do diamantes com   -0,013% (0,3% IV trimestre de 2020).

Influenciaram ainda na subida o sector da construção que contribuiu  com - 0,017% ( 0,4% IV trimestre de 2020)  e  o  comércio,  com  -0,004 % contra dos 0,6% dos últimos três meses do ano passado.

Em comparação com o período  homólogo, os resultados negativos de 3,4% foram influenciados pela indústria de extracção e refinação de petróleo, que teve uma variação de  -18,6%  contra  -1,8% do período homólogo,  -31,5%  na construção contra -0,1%.

Mesmo com os resultados positivos registados na indústria de extracção de diamantes, no primeiro trimestre de deste ano,  de 27,9%  contra os -5,2% de 2020 e 29,6%  contra -5,2% do sector do comércio, estes em nada influenciaram na alteração do PIB, em comparação com o período homólogo.

De acordo com o técnico do INE, na Folha de Informação Rápida  (FIR)  das Contas Nacionais , que apresenta o PIB, introduziu-se uma  nova  estrutura do índice de preço do Consumidor Nacional (IPCN).  

Trata-se do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) que entrou na contabilização dos impostos sobre produtos, na nomenclatura das Contas Nacionais.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.