Reservas Internacionais atingem USD 8.140 milhões

  • Banco Nacional de Angola
Luanda - As Reservas Internacionais Líquidas (RIL) atingiram, até 23 de Dezembro deste ano, oito mil milhões e 140 mil dólares (AKz 5.2 biliões ), valor suficiente para 10 meses de cobertura de importações.

De acordo com dados preliminares disponíveis no portal do Banco Nacional de Angola (BNA), a que a ANGOP teve acesso nesta segunda-feira, registou-se um ligeiro aumento das reservas, se comparado com os dias 21 e 22 de Dezembro deste mesmo ano. 

Nos dias 21 e 22 de Dezembro, as RIL apontavam para valores na ordem dos 8.107 e 8.094 milhões de dólares, respectivamente. 

Desde 31 de Janeiro deste ano que as Reservas Internacionais Líquidas foram oscilando, saindo de 11 milhões e 331 mil dólares norte-americanos (12 meses de cobertura de importação) para USD 8.140 milhões (10 meses de cobertura de importação), até 23 de Dezembro. 

Baixa na importação e exportação 

Os serviços de importação e exportação de produtos e materiais diversos registaram, em Setembro, baixas significativas, ao cair de 47,4 por cento do global, no mês de Agosto, para os 44,7 desse mês.

No mesmo período, de acordo com a informação publicada recentemente pelo Jornal de Angola, em termos homólogos, os preços dos bens exportados registaram uma redução de 4,3 por cento, e o índice das trocas uma variação negativa, tendo passado de 47,5 por cento, de Setembro de 2019, para 44,7 por cento em Setembro deste ano.

Com base em dados avançados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Índice de Preços das Exportações e Importação (OPI) e os índices de Unidade Única proporcionam uma aproximação aos reais índices de preços nos sectores.

Este indicador tem por finalidade obter informação mensal dos preços de trocas comerciais entre Angola e o resto do mundo. Em Setembro, os preços dos bens exportados registaram uma redução de 43,3 por cento em relação ao observado no mês anterior.

Os grupos de produtos que mais contribuíram para a variação dos preços de exportação foram o diamante, com cerca de 0,036% , produtos agrícolas, com 0,022 e os produtos alimentares, com 0,003, respectivamente.

O sector de exportação não só registou uma variação de baixa nas trocas comerciais, como também preços elevados de alguns produtos. 

Os de maior aumento de preço foram os calçados, com 10,2% , alguns produtos agrícolas, com 9,4% e vestuário, com 8,9%. Os grupos de produtos com maior decréscimo de preços na exportação foram os minerais e minérios, com uma variação negativa de 30,1 por cento.

Os celuloses e papel registaram uma variação negativa de 21,5 e os metais 9,8 por cento negativos. No caso do petróleo e outros produtos exportados, o preço das exportações reduziram 4,5 por cento.

De acordo com dados preliminares disponíveis no portal do Banco Nacional de Angola (BNA), a que a ANGOP teve acesso nesta segunda-feira, registou-se um ligeiro aumento das reservas, se comparado com os dias 21 e 22 de Dezembro deste mesmo ano. 

Nos dias 21 e 22 de Dezembro, as RIL apontavam para valores na ordem dos 8.107 e 8.094 milhões de dólares, respectivamente. 

Desde 31 de Janeiro deste ano que as Reservas Internacionais Líquidas foram oscilando, saindo de 11 milhões e 331 mil dólares norte-americanos (12 meses de cobertura de importação) para USD 8.140 milhões (10 meses de cobertura de importação), até 23 de Dezembro. 

Baixa na importação e exportação 

Os serviços de importação e exportação de produtos e materiais diversos registaram, em Setembro, baixas significativas, ao cair de 47,4 por cento do global, no mês de Agosto, para os 44,7 desse mês.

No mesmo período, de acordo com a informação publicada recentemente pelo Jornal de Angola, em termos homólogos, os preços dos bens exportados registaram uma redução de 4,3 por cento, e o índice das trocas uma variação negativa, tendo passado de 47,5 por cento, de Setembro de 2019, para 44,7 por cento em Setembro deste ano.

Com base em dados avançados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o Índice de Preços das Exportações e Importação (OPI) e os índices de Unidade Única proporcionam uma aproximação aos reais índices de preços nos sectores.

Este indicador tem por finalidade obter informação mensal dos preços de trocas comerciais entre Angola e o resto do mundo. Em Setembro, os preços dos bens exportados registaram uma redução de 43,3 por cento em relação ao observado no mês anterior.

Os grupos de produtos que mais contribuíram para a variação dos preços de exportação foram o diamante, com cerca de 0,036% , produtos agrícolas, com 0,022 e os produtos alimentares, com 0,003, respectivamente.

O sector de exportação não só registou uma variação de baixa nas trocas comerciais, como também preços elevados de alguns produtos. 

Os de maior aumento de preço foram os calçados, com 10,2% , alguns produtos agrícolas, com 9,4% e vestuário, com 8,9%. Os grupos de produtos com maior decréscimo de preços na exportação foram os minerais e minérios, com uma variação negativa de 30,1 por cento.

Os celuloses e papel registaram uma variação negativa de 21,5 e os metais 9,8 por cento negativos. No caso do petróleo e outros produtos exportados, o preço das exportações reduziram 4,5 por cento.