Banco Mundial financia sector de energia no Huambo

Huambo - O sector de energia da província do Huambo vai contar com o financiamento do Banco Mundial, no quadro da estratégia de alargamento do acesso à electricidade nesta região.

 

A informação foi prestada, esta quinta-feira, à imprensa, pelo director-geral da instituição bancária a nível dos países de Angola, Burundi, República Democrática do Congo e São Tomé e Príncipe, Jean Cristópher, que cumpre uma jornada de trabalho de dois dias ao Huambo.

Sem avançar o custo do projecto e o horizonte temporal, no final de um encontro de cortesia com a governadora local, Lotti Nolika, referiu que o projecto está a ser avaliado para o início da sua implementação.

Paralelamente, Jean Cristópher anunciou, igualmente, que está a decorrer o processo de elaboração para a implementação, nesta província, do projecto de empoderamento das raparigas, no âmbito das acções do Governo angolano de prevenção e combate aos casamentos e gravidezes precoces.

O responsável reafirmou ainda o interesse do Banco Mundial em financiar as vacinas contra pandemia da Covid-19 em Angola, como resultado do pedido efectuado pelo Governo angolano em vacinar 20 por cento da população.

Durante a sua estada nesta região, Jean Cristópher vai inteirar-se do grau de execução dos projectos financiados pelo Banco Mundial na província do Huambo, com realce para o de Agricultura  Familiar e Comercialização (MOSAP II), implementado em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA).

Quarta-feira foi lançado o Programa de Produção Agrícola para a África Austral (APPSA – Angola), com foco na redução da pobreza, num investimento do Banco Mundial de 25 milhões de dólares norte-americanos.

O programa,   que consiste na produção de mandioca e outras culturas da cadeia alimentar nacional, visa gerar diferentes tecnologias, modernização do sector agrário angolano e avançar com áreas novas de investigação, para a constituição de uma agricultura sustentável.

 

A informação foi prestada, esta quinta-feira, à imprensa, pelo director-geral da instituição bancária a nível dos países de Angola, Burundi, República Democrática do Congo e São Tomé e Príncipe, Jean Cristópher, que cumpre uma jornada de trabalho de dois dias ao Huambo.

Sem avançar o custo do projecto e o horizonte temporal, no final de um encontro de cortesia com a governadora local, Lotti Nolika, referiu que o projecto está a ser avaliado para o início da sua implementação.

Paralelamente, Jean Cristópher anunciou, igualmente, que está a decorrer o processo de elaboração para a implementação, nesta província, do projecto de empoderamento das raparigas, no âmbito das acções do Governo angolano de prevenção e combate aos casamentos e gravidezes precoces.

O responsável reafirmou ainda o interesse do Banco Mundial em financiar as vacinas contra pandemia da Covid-19 em Angola, como resultado do pedido efectuado pelo Governo angolano em vacinar 20 por cento da população.

Durante a sua estada nesta região, Jean Cristópher vai inteirar-se do grau de execução dos projectos financiados pelo Banco Mundial na província do Huambo, com realce para o de Agricultura  Familiar e Comercialização (MOSAP II), implementado em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA).

Quarta-feira foi lançado o Programa de Produção Agrícola para a África Austral (APPSA – Angola), com foco na redução da pobreza, num investimento do Banco Mundial de 25 milhões de dólares norte-americanos.

O programa,   que consiste na produção de mandioca e outras culturas da cadeia alimentar nacional, visa gerar diferentes tecnologias, modernização do sector agrário angolano e avançar com áreas novas de investigação, para a constituição de uma agricultura sustentável.