Sonangol apreensiva com manifestações 

  • Edifício da Sonangol na baixa de Luanda
Luanda - A Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) declarou, em Luanda, que acompanha com "apreensão" algumas manifestações realizadas defronte ao seu edifício sede, por ex-trabalhadores de empresas com as quais manteve vínculo contratual durante determinado período. 

Em comunicado de imprensa, a petrolífera estatal refere que nunca houve vínculos directos com os trabalhadores manifestantes e foram pagas, cabalmente, as indemnizações e compensações requeridas pelas empresas. 

Conforme a empresa, as manifestações levadas a cabo são desprovidas de legalidade e instigadas por indivíduos com fins inconfessos.

Explicou que manteve relação contratual, por tempo determinado, com algumas empresas, entre as quais a Angola Offshore Services, HR Services, a Comassica e a  Interserviços.   

Entretanto, acrescenta, em 2018, a conjuntura sócio-económica do país, a reestruturação do sector petrolífero e a consequente regeneração da Sonangol forçaram a dispensa de alguns serviços, sobretudo afectos à funções não críticas, o que levou à cessação dos contratos com as aludidas empresas.  

Em conformidade com as normas jurídicas, a Sonangol informou que foram cumpridas todas a exigências legais inerentes ao término da relação contratual, designadamente a comunicação dentro dos períodos recomendados e a justa indemnização. 

De igual modo, refere, fez-se compensações às empresas, nos termos dos contratos, e estas, por sua vez, aos trabalhadores, conforme atestam documentos lavrados no decurso dos actos e em posse das partes envolvidas.  

Contudo, explicou, alguns trabalhadores das empresas referenciadas, que durante a vigência dos contratos foram destacados para, temporariamente, prestar os seus serviços a favor da Sonangol Distribuidora, alegam ser vítimas de injustiça, pelo facto de a petrolífera ter absorvido, em face das qualificações específicas, idade e desempenho, um determinado número de trabalhadores das empresas em causa. 

A Sonangol refere que os enquadramentos feitos, a posterior, obedeceram critérios e necessidades pontuais de preenchimento de funções sensíveis em certas unidades, acção completamente independente dos vínculos finalizados com as empresas mencionadas e destas com os seus respectivos funcionários.

Em comunicado de imprensa, a petrolífera estatal refere que nunca houve vínculos directos com os trabalhadores manifestantes e foram pagas, cabalmente, as indemnizações e compensações requeridas pelas empresas. 

Conforme a empresa, as manifestações levadas a cabo são desprovidas de legalidade e instigadas por indivíduos com fins inconfessos.

Explicou que manteve relação contratual, por tempo determinado, com algumas empresas, entre as quais a Angola Offshore Services, HR Services, a Comassica e a  Interserviços.   

Entretanto, acrescenta, em 2018, a conjuntura sócio-económica do país, a reestruturação do sector petrolífero e a consequente regeneração da Sonangol forçaram a dispensa de alguns serviços, sobretudo afectos à funções não críticas, o que levou à cessação dos contratos com as aludidas empresas.  

Em conformidade com as normas jurídicas, a Sonangol informou que foram cumpridas todas a exigências legais inerentes ao término da relação contratual, designadamente a comunicação dentro dos períodos recomendados e a justa indemnização. 

De igual modo, refere, fez-se compensações às empresas, nos termos dos contratos, e estas, por sua vez, aos trabalhadores, conforme atestam documentos lavrados no decurso dos actos e em posse das partes envolvidas.  

Contudo, explicou, alguns trabalhadores das empresas referenciadas, que durante a vigência dos contratos foram destacados para, temporariamente, prestar os seus serviços a favor da Sonangol Distribuidora, alegam ser vítimas de injustiça, pelo facto de a petrolífera ter absorvido, em face das qualificações específicas, idade e desempenho, um determinado número de trabalhadores das empresas em causa. 

A Sonangol refere que os enquadramentos feitos, a posterior, obedeceram critérios e necessidades pontuais de preenchimento de funções sensíveis em certas unidades, acção completamente independente dos vínculos finalizados com as empresas mencionadas e destas com os seus respectivos funcionários.