Sonangol conclui Instalação de combustíveis de Saurimo este mês

  • Região Leste do país regista carência de combustíveis por falta de instalações de armazenamento (Arquivo)
Luanda – As instalações de armazenamento de combustíveis em construção na cidade de Saurimo, província da Lunda Sul, terminam este mês, segundo o presidente da Comissão Executiva da Unidade de Negócios de Distribuição e Comercialização (UNDC) da Sonangol, Eusébio Vunge.

Com capacidade de armazenagem de 900 metros cúbicos, sendo 600 m3 de gasóleo e 300 m3 de gasolina, as instalações contribuirão, quando entrarem em funcionamento, para atenuar algumas das dificuldades prevalecentes no abastecimento da região leste de Angola.

Citado pelo jornal Pacaça adstrito à Sonangol, edição de Maio, Eusébio Vunge disse serem alheios aos desafios que este exercício encerra, quando trata-se de certas regiões, quer pela distância dos principais centros de distribuição, quer pelo estado das vias de acesso ou ainda pela inexistência de armazenagem para apoiar às operações de abastecimento.

"A região Leste, infelizmente, ainda se enquadra no âmbito dos desafios listados e como tal, merece a nossa particular atenção", afirma o responsável.

ANGOP sabe que, até Abril deste ano, o município de Saurimo contava com sete (07) postos de abastecimento de combustível para uma população estimada em 534 231 habitantes.

Outro projecto da UNDC é a construção do ramal do Caminho- de-Ferro de Benguela para o fornecimento à Instalação de combustíveis do Moxico, cuja conclusão se prevê para os próximos dias.

Segundo o gestor, essa estrutura  vem contribuir para a melhoria das condições, aumentar o número de frequências, a partir do Terminal Oceânico do Lobito, e consequentemente, incrementar o volume de produto movimentado para o Luena, melhorando o aprovisionamento de combustíveis naquela região.

A estratégia da Unidade está consubstanciada em três eixos principais, todos voltados para o aumento da rentabilidade, da competitividade e da expansão do negócio por via, entre outros, da exploração de novas oportunidades nos mercados da região da SADC.

De acordo com o Jornal, no quadro da regeneração, a UNDC está focada em redimensionar as infra-estruturas e meios de suporte à distribuição e comercialização de produtos derivados de hidrocarbonetos líquidos, optimizar a rede de distribuição e comercialização, visando o aumento da rentabilidade de derivados de hidrocarbonetos líquidos, da competitividade, distribuir e comercializar de produtos nos mercados da região, explorando novas oportunidades de negócios.

Com novos desafios, Eusébio Vunge refere que a oferta de produtos e serviços ao mercado é realizada por via dos principais negócios com propostas de valor específicos, baseados nos requisitos dos clientes, nomeadamente a comercialização de “empresa para empresa” direccionada aos clientes comercializadores a outros operadores do mercado e a clientes de consumo industrial e distribuidores.

Este segmento corresponde hoje aproximadamente 65% do volume de negócios da

UNDC, a comercialização da “empresa ao cliente”, que corresponde a 23% do volume de negócios, é direccionada à gestão da rede de postos de abastecimento da Sonangol, rede de postos de terceiros (Bandeira Branca), assim como de todos os serviços paralelos.

Tais serviços paralelos, correspondem a lojas de conveniência, restaurantes, estações de serviço entre outros apensos aos postos e a comercialização "bunkering" ( abastecimento) direccionada aos clientes de aviação e marinha, responsável por cerca de 11% do volume de vendas, que decorre do abastecimento a aeronaves e embarcações marítimas de suporte às operações petrolíferas ou  vias de transporte que acedem aos portos do país.

Com capacidade de armazenagem de 900 metros cúbicos, sendo 600 m3 de gasóleo e 300 m3 de gasolina, as instalações contribuirão, quando entrarem em funcionamento, para atenuar algumas das dificuldades prevalecentes no abastecimento da região leste de Angola.

Citado pelo jornal Pacaça adstrito à Sonangol, edição de Maio, Eusébio Vunge disse serem alheios aos desafios que este exercício encerra, quando trata-se de certas regiões, quer pela distância dos principais centros de distribuição, quer pelo estado das vias de acesso ou ainda pela inexistência de armazenagem para apoiar às operações de abastecimento.

"A região Leste, infelizmente, ainda se enquadra no âmbito dos desafios listados e como tal, merece a nossa particular atenção", afirma o responsável.

ANGOP sabe que, até Abril deste ano, o município de Saurimo contava com sete (07) postos de abastecimento de combustível para uma população estimada em 534 231 habitantes.

Outro projecto da UNDC é a construção do ramal do Caminho- de-Ferro de Benguela para o fornecimento à Instalação de combustíveis do Moxico, cuja conclusão se prevê para os próximos dias.

Segundo o gestor, essa estrutura  vem contribuir para a melhoria das condições, aumentar o número de frequências, a partir do Terminal Oceânico do Lobito, e consequentemente, incrementar o volume de produto movimentado para o Luena, melhorando o aprovisionamento de combustíveis naquela região.

A estratégia da Unidade está consubstanciada em três eixos principais, todos voltados para o aumento da rentabilidade, da competitividade e da expansão do negócio por via, entre outros, da exploração de novas oportunidades nos mercados da região da SADC.

De acordo com o Jornal, no quadro da regeneração, a UNDC está focada em redimensionar as infra-estruturas e meios de suporte à distribuição e comercialização de produtos derivados de hidrocarbonetos líquidos, optimizar a rede de distribuição e comercialização, visando o aumento da rentabilidade de derivados de hidrocarbonetos líquidos, da competitividade, distribuir e comercializar de produtos nos mercados da região, explorando novas oportunidades de negócios.

Com novos desafios, Eusébio Vunge refere que a oferta de produtos e serviços ao mercado é realizada por via dos principais negócios com propostas de valor específicos, baseados nos requisitos dos clientes, nomeadamente a comercialização de “empresa para empresa” direccionada aos clientes comercializadores a outros operadores do mercado e a clientes de consumo industrial e distribuidores.

Este segmento corresponde hoje aproximadamente 65% do volume de negócios da

UNDC, a comercialização da “empresa ao cliente”, que corresponde a 23% do volume de negócios, é direccionada à gestão da rede de postos de abastecimento da Sonangol, rede de postos de terceiros (Bandeira Branca), assim como de todos os serviços paralelos.

Tais serviços paralelos, correspondem a lojas de conveniência, restaurantes, estações de serviço entre outros apensos aos postos e a comercialização "bunkering" ( abastecimento) direccionada aos clientes de aviação e marinha, responsável por cerca de 11% do volume de vendas, que decorre do abastecimento a aeronaves e embarcações marítimas de suporte às operações petrolíferas ou  vias de transporte que acedem aos portos do país.