Sonangol no Top 3 das maiores empresas de África

  • Parte do edifício da SONANGOL
Luanda - Num universo de 500 companhias de diversos sectores, a petrolífera angolana Sonangol ficou na terceira posição no Top das maiores empresas de África.

A classificação foi atribuída pela revista “África Report”, segundo um exemplar  na língua inglesa em formato digital que a ANGOP teve acesso nesta terça-feira.

Na primeira e segunda posições, respectivamente, estão a petrolífera Sonatrach (da Argélia) e a Steinhoff International Holding, da África do Sul, que actua no sector da madeira e produção de papel.

A propósito do facto, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, disse, em exclusivo à ANGOP,  à margem de um  encontro com os trabalhadores, que a publicação do ranking anual da revista África Report está em linha com a visão da empresa de tornar-se numa referência do sector petrolífero no continente africano.

”E é, sem dúvidas, um grande estímulo para a agenda de reestruturação da empresa, fazendo-a mais forte, face aos desafios que se colocam, melhorando a sua organização, tendo em vista a obtenção de melhores resultados financeiros", disse.

Sebastião Gaspar Martins revelou, por outro lado, que o programa de regeneração da empresa vai, agora, dar lugar ao Horizonte 2027, no qual pretende posicionar-se como um actor económico ainda mais relevante, em Angola e em África.

“A dedicação de todos os nossos stakeholders (partes interessadas) é importante, em particular para os nossos colaboradores e ao nosso único accionista, o Estado Angolano", afirmou.

Conforme o responsável, a pretensão é tornar a nova Sonangol num motivo de orgulho para todos os angolanos, em geral, e para pessoas e organizações interessadas, presentes e futuros.

A Sonangol efectuou, nesta terça-feira, um balanço do Programa de Regeneração da Empresa, decorridos dois anos desde o seu lançamento, a 15 de Novembro de 2018.

A Sonangol  é uma empresa estatal do ramo petrolífero, responsável pela administração e exploração do petróleo e gás natural em Angola, criada em 1976.

O grupo possui várias subsidiárias que, normalmente, têm a própria Sonangol como principal cliente.

A classificação foi atribuída pela revista “África Report”, segundo um exemplar  na língua inglesa em formato digital que a ANGOP teve acesso nesta terça-feira.

Na primeira e segunda posições, respectivamente, estão a petrolífera Sonatrach (da Argélia) e a Steinhoff International Holding, da África do Sul, que actua no sector da madeira e produção de papel.

A propósito do facto, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Sebastião Gaspar Martins, disse, em exclusivo à ANGOP,  à margem de um  encontro com os trabalhadores, que a publicação do ranking anual da revista África Report está em linha com a visão da empresa de tornar-se numa referência do sector petrolífero no continente africano.

”E é, sem dúvidas, um grande estímulo para a agenda de reestruturação da empresa, fazendo-a mais forte, face aos desafios que se colocam, melhorando a sua organização, tendo em vista a obtenção de melhores resultados financeiros", disse.

Sebastião Gaspar Martins revelou, por outro lado, que o programa de regeneração da empresa vai, agora, dar lugar ao Horizonte 2027, no qual pretende posicionar-se como um actor económico ainda mais relevante, em Angola e em África.

“A dedicação de todos os nossos stakeholders (partes interessadas) é importante, em particular para os nossos colaboradores e ao nosso único accionista, o Estado Angolano", afirmou.

Conforme o responsável, a pretensão é tornar a nova Sonangol num motivo de orgulho para todos os angolanos, em geral, e para pessoas e organizações interessadas, presentes e futuros.

A Sonangol efectuou, nesta terça-feira, um balanço do Programa de Regeneração da Empresa, decorridos dois anos desde o seu lançamento, a 15 de Novembro de 2018.

A Sonangol  é uma empresa estatal do ramo petrolífero, responsável pela administração e exploração do petróleo e gás natural em Angola, criada em 1976.

O grupo possui várias subsidiárias que, normalmente, têm a própria Sonangol como principal cliente.