Total trabalha para minimizar impacto do derrame sobre ambiente

  • Total
Luanda - A Total, operadora do bloco 32, está a desenvolver todos os esforços para minimizar o eventual impacto nas comunidades e no meio ambiente do derrame para o mar estimado em 35 metros cúbicos de petróleo, devido à uma ruptura do flexível, ocorrida no dia 22, durante uma operação de carregamento do navio-plataforma (FPSO) Kaombo Norte para o petroleiro.

De acordo com uma nota de imprensa da Total chegada hoje à Angop, desde que ocorreu o incidente no dia 22 deste mês de Outubro, as operações de carregamento do FPSO para o petroleiro foram imediatamente suspensas e a ruptura contida.

A célula de crise da operadora foi activada e as autoridades de tutela, operadores da indústria e parceiros foram informados sobre este incidente. 

Na nota, a Total realça que vários recursos humanos e meios logísticos estão mobilizados para as operações de dispersão, contenção e recuperação. 

Esclarece que devido às condições meteorológicas verificadas, uma porção do derrame foi localizada recentemente perto da costa da província do Zaire, a oitenta (80) quilómetros a sul da cidade do Soyo, o que levou à pronta mobilização de uma equipa de intervenção terrestre para preparar eventuais acções de protecção da costa, em colaboração com as autoridades e comunidades locais e de acordo com o plano de emergência da operadora. 

O FPSO Kaombo Norte, no Bloco 32 do offshore ultraprofundo angolano, iniciou a sua produção em Julho de 2018 e inaugurado em Novembro do mesmo ano, com uma extracção diária de 115 mil barris/dia.

A Total é a empresa operadora do Bloco 32, com uma participação de 30%, com parceria da Sonangol P&P (30%), Sonangol Sinopec Internacional (20%), Esso Exploration and Production Angola (Overseas) Limited (15%) e a Galp Energia (5%).

Total E&P Angola  

Presente em Angola desde 1953, a Total é o primeiro operador de petróleo do país, produzindo aproximadamente 600 mil barris de petróleo/dia, o que representa cerca de 40% da produção Angolana.

A Total é Operadora dos Blocos 16, 17, 17/06, 20/11; 21/09, 32 e 48, e tem interesse participativo nos Blocos 0, 14, Lianzi e ALNG, que são operados por terceiros.  

A Total está também presente no sector de aprovisionamento e distribuição de produtos derivados de petróleo e noutros ramos da actividade petrolífera.

A nível da responsabilidade social, a Total tem como foco o desenvolvimento da juventude Angolana, investindo em programas de apoio à educação, desporto, formação profissional e empreendedorismo. 

Grupo Total 

A Total é um grupo integrado de produção e comercialização de combustíveis, gás natural e electricidade no mundo.

Os seus 100 mil colaboradores estão comprometidos com uma energia melhor, mais segura, mais acessível, mais limpa e acessível ao maior número de pessoas. Está presente em mais de 130 países.

De acordo com uma nota de imprensa da Total chegada hoje à Angop, desde que ocorreu o incidente no dia 22 deste mês de Outubro, as operações de carregamento do FPSO para o petroleiro foram imediatamente suspensas e a ruptura contida.

A célula de crise da operadora foi activada e as autoridades de tutela, operadores da indústria e parceiros foram informados sobre este incidente. 

Na nota, a Total realça que vários recursos humanos e meios logísticos estão mobilizados para as operações de dispersão, contenção e recuperação. 

Esclarece que devido às condições meteorológicas verificadas, uma porção do derrame foi localizada recentemente perto da costa da província do Zaire, a oitenta (80) quilómetros a sul da cidade do Soyo, o que levou à pronta mobilização de uma equipa de intervenção terrestre para preparar eventuais acções de protecção da costa, em colaboração com as autoridades e comunidades locais e de acordo com o plano de emergência da operadora. 

O FPSO Kaombo Norte, no Bloco 32 do offshore ultraprofundo angolano, iniciou a sua produção em Julho de 2018 e inaugurado em Novembro do mesmo ano, com uma extracção diária de 115 mil barris/dia.

A Total é a empresa operadora do Bloco 32, com uma participação de 30%, com parceria da Sonangol P&P (30%), Sonangol Sinopec Internacional (20%), Esso Exploration and Production Angola (Overseas) Limited (15%) e a Galp Energia (5%).

Total E&P Angola  

Presente em Angola desde 1953, a Total é o primeiro operador de petróleo do país, produzindo aproximadamente 600 mil barris de petróleo/dia, o que representa cerca de 40% da produção Angolana.

A Total é Operadora dos Blocos 16, 17, 17/06, 20/11; 21/09, 32 e 48, e tem interesse participativo nos Blocos 0, 14, Lianzi e ALNG, que são operados por terceiros.  

A Total está também presente no sector de aprovisionamento e distribuição de produtos derivados de petróleo e noutros ramos da actividade petrolífera.

A nível da responsabilidade social, a Total tem como foco o desenvolvimento da juventude Angolana, investindo em programas de apoio à educação, desporto, formação profissional e empreendedorismo. 

Grupo Total 

A Total é um grupo integrado de produção e comercialização de combustíveis, gás natural e electricidade no mundo.

Os seus 100 mil colaboradores estão comprometidos com uma energia melhor, mais segura, mais acessível, mais limpa e acessível ao maior número de pessoas. Está presente em mais de 130 países.