Governador quer serviços bancários em toda a província

  • Governador do Zaire, Pedro Makita Armando Júlia
Mbanza Kongo – O governador do Zaire, Pedro Makita Armando Júlia, manifestou, esta terça-feira, em Mbanza Kongo, o desejo de ver serviços bancários em todos os municípios da província, para facilitar a vida dos utentes.

O governador manifestou tal interesse numa palestra, que abordou matéria relativa à educação financeira, promovida pela Direcção Regional Norte do Banco Nacional de Angola (BNA).

Explicou que a ausência de bancos, na maior parte das localidades da região, dificulta as transacções bancárias dos funcionários públicos locais, obrigados a abandonar os postos de trabalho a procura de tais serviços.

Sugeriu, por isso, aos bancos comerciais para que licenciem mais correspondentes bancários para servirem de intermediários nos municípios e comunas que carecem de agências bancárias.

A província do Zaire tem seis municípios, mas apenas quatro (Mbanza Kongo, Soyo, Cuimba e Nzeto) têm dependências bancárias, ao passo que o do Tomboco tem um correspondente do Banco Angolano de Investimento (BAI).

O do Nóqui tem apenas uma Caixa de Atendimento Automático (ATM), instalado no posto aduaneiro, fronteiriço com a República Democrática do Congo (RDC).

O governador do Zaire defendeu também a inserção dos conteúdos de literacia financeira nos currículos do ensino de base, para que desde tenra idade os alunos comecem a absorver estas matérias.

De igual modo, Pedro Makita Júlia entende ser necessário o recurso às línguas nacionais na educação financeira da população em geral, de modo a facilitar a transmissão da informação.

O director Regional Norte do BNA, Amadeu Gomes, lembrou, na ocasião, que a sua instituição autorizou os bancos comerciais a licenciarem agentes económicos idóneos no país para servirem de agentes bancários em locais recônditos.

Recordou que o Banco Nacional de Angola assinou um acordo de parceria com o Ministério da Educação, em 2014, que permitiu a capacitação de alguns professores do ensino de base de todo o país, em matéria de literacia financeira.

O responsável do BNA na região norte assegurou que palestras do género prosseguem, nos próximos dias, em toda a extensão da província do Zaire, a semelhança do que está a acontecer no resto do país.

Regime de Contas Simplificadas e o Agente Bancário e a Importância da Educação Financeira no Contexto Escolar e Familiar, foram os dois temas abordados nesta palestra.

Participaram na mesma, membros do governo, agentes económicos, bancários, funcionários públicos, autoridades tradicionais e religiosas, membros das forças de defesa e ordem pública, entre outros convidados.

O governador manifestou tal interesse numa palestra, que abordou matéria relativa à educação financeira, promovida pela Direcção Regional Norte do Banco Nacional de Angola (BNA).

Explicou que a ausência de bancos, na maior parte das localidades da região, dificulta as transacções bancárias dos funcionários públicos locais, obrigados a abandonar os postos de trabalho a procura de tais serviços.

Sugeriu, por isso, aos bancos comerciais para que licenciem mais correspondentes bancários para servirem de intermediários nos municípios e comunas que carecem de agências bancárias.

A província do Zaire tem seis municípios, mas apenas quatro (Mbanza Kongo, Soyo, Cuimba e Nzeto) têm dependências bancárias, ao passo que o do Tomboco tem um correspondente do Banco Angolano de Investimento (BAI).

O do Nóqui tem apenas uma Caixa de Atendimento Automático (ATM), instalado no posto aduaneiro, fronteiriço com a República Democrática do Congo (RDC).

O governador do Zaire defendeu também a inserção dos conteúdos de literacia financeira nos currículos do ensino de base, para que desde tenra idade os alunos comecem a absorver estas matérias.

De igual modo, Pedro Makita Júlia entende ser necessário o recurso às línguas nacionais na educação financeira da população em geral, de modo a facilitar a transmissão da informação.

O director Regional Norte do BNA, Amadeu Gomes, lembrou, na ocasião, que a sua instituição autorizou os bancos comerciais a licenciarem agentes económicos idóneos no país para servirem de agentes bancários em locais recônditos.

Recordou que o Banco Nacional de Angola assinou um acordo de parceria com o Ministério da Educação, em 2014, que permitiu a capacitação de alguns professores do ensino de base de todo o país, em matéria de literacia financeira.

O responsável do BNA na região norte assegurou que palestras do género prosseguem, nos próximos dias, em toda a extensão da província do Zaire, a semelhança do que está a acontecer no resto do país.

Regime de Contas Simplificadas e o Agente Bancário e a Importância da Educação Financeira no Contexto Escolar e Familiar, foram os dois temas abordados nesta palestra.

Participaram na mesma, membros do governo, agentes económicos, bancários, funcionários públicos, autoridades tradicionais e religiosas, membros das forças de defesa e ordem pública, entre outros convidados.