Zaire ensaia cultivo de Massango e Massambala

  • Famílias camponesas recebem meios agrícolas (arquivo)
Mbanza Kongo- A província do Zaire dará início, no ano agrícola 2021/2022, ao cultivo experimental de Massango e Massambala, no âmbito do projecto do Reforço de Resiliência dos Agricultores Familiares (SREP).

De acordo com o chefe de departamento provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), António Quintas Orlando, que falava hoje, quarta-feira, à ANGOP, o SREP no Zaire envolverá quatro mil famílias camponesas.

Trata-se de agricultores associados em cooperativas nos municípios de  Mbanza Kongo, Cuimba, Tomboco e Nóqui que receberão treinamento em boas práticas agrícolas, através das denominadas escolas de campo.

Referiu que o SREP, avaliado em 150 milhões de dólares, tem a duração de seis anos e abrange sete províncias das zonas norte e sul do país, nomadamente Zaire, Uige, Cuanza Norte, Bengo, Benguela, Huila e Namibe.

Explicou que a produção de Massango e Massambala, a ser feita no norte do país, deverá atender às populações mais ao sul do país confrontadas com o fenómeno da seca.

Na globalidade, disse, o Zaire vai engajar mais de 49 mil famílias camponesas no novo ano agrícola que arranca nos próximos dias, tendo sido preparados mais de 33 mil hectares.

Está prevista uma safra acima de 60 toneladas de produtos diversos, que inclui raízes e tubérculos (mandioca e batata doce), para além de milho, amendoim, banana, feijão, abacaxi, hortícolas e outros, segundo o responsável.

Referiu-se, por outro lado, à aposta no fomento do cultivo de arroz, frisando que a região conta já com zonas de multiplicação de variedades deste cereal. O cultivo do maracujá e da batata rena, também deverá ser dinamizado.

Está prevista, para o êxito da campanha agrícola, a distribuição de 20 toneladas de semente de feijão, iguais quantidades de sementes de milho, 10 toneladas de Massambala, quatro de Massango e 30 toneladas de fertilizantes aos camponeses.

Na campanha agrícola anterior, o Zaire envolveu 37 mil 594 famílias camponesas, cuja meta era a produção de 459 mil 933 toneladas de produtos diversos, numa altura em que a província havia preparado 35 mil 210 hectares de forma manual e mecanizada.

A província subdivide-se em seis municípios e 25 comunas, com uma população estimada em mais de 590 mil habitantes.

 

 

 

 

 

 

De acordo com o chefe de departamento provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), António Quintas Orlando, que falava hoje, quarta-feira, à ANGOP, o SREP no Zaire envolverá quatro mil famílias camponesas.

Trata-se de agricultores associados em cooperativas nos municípios de  Mbanza Kongo, Cuimba, Tomboco e Nóqui que receberão treinamento em boas práticas agrícolas, através das denominadas escolas de campo.

Referiu que o SREP, avaliado em 150 milhões de dólares, tem a duração de seis anos e abrange sete províncias das zonas norte e sul do país, nomadamente Zaire, Uige, Cuanza Norte, Bengo, Benguela, Huila e Namibe.

Explicou que a produção de Massango e Massambala, a ser feita no norte do país, deverá atender às populações mais ao sul do país confrontadas com o fenómeno da seca.

Na globalidade, disse, o Zaire vai engajar mais de 49 mil famílias camponesas no novo ano agrícola que arranca nos próximos dias, tendo sido preparados mais de 33 mil hectares.

Está prevista uma safra acima de 60 toneladas de produtos diversos, que inclui raízes e tubérculos (mandioca e batata doce), para além de milho, amendoim, banana, feijão, abacaxi, hortícolas e outros, segundo o responsável.

Referiu-se, por outro lado, à aposta no fomento do cultivo de arroz, frisando que a região conta já com zonas de multiplicação de variedades deste cereal. O cultivo do maracujá e da batata rena, também deverá ser dinamizado.

Está prevista, para o êxito da campanha agrícola, a distribuição de 20 toneladas de semente de feijão, iguais quantidades de sementes de milho, 10 toneladas de Massambala, quatro de Massango e 30 toneladas de fertilizantes aos camponeses.

Na campanha agrícola anterior, o Zaire envolveu 37 mil 594 famílias camponesas, cuja meta era a produção de 459 mil 933 toneladas de produtos diversos, numa altura em que a província havia preparado 35 mil 210 hectares de forma manual e mecanizada.

A província subdivide-se em seis municípios e 25 comunas, com uma população estimada em mais de 590 mil habitantes.