ZEE será redimensionada para retirar melhor rendimento

  • Área fabril da Zona Economica  Especial
Caxito – A extensão da Zona Económica Especial (ZEE) Luanda/Bengo, na ordem de 420 mil hectares, está a ser redimensionada para se encontrar a melhor forma de retirar dela o valor que representa, afirmou hoje, terça-feira, no Bengo, o PCA da ZEE, António Henriques da Silva.



Para o efeito, António Henriques da Silva está no Bengo para constatar os factores que, fazendo parte da actividade da ZEE, podem contribuir, futuramente, para a geração de empregos e para a implementação de projectos em diferentes áreas como a indústria ou agricultura.

O PCA da ZEE explicou, em declarações à imprensa, que a visita ao Bengo permitiu estabelecer  um cronograma e a  definição de acções entre o do Governo local, ressaltando que a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola (AIPEX) pode, igualmente, ajudar e apoiar a implementação de projectos dentro da Zona Económica Especial na província do Bengo.

A Zona Económica Especial (ZEE) Luanda/Bengo, criada em 2009, tem como missão a atracção de investimentos internos e externos, nacionais e estrangeiros, incentivar o desenvolvimento e a diversificação da economia do nosso país, por via do aumento da produção, crescimento das exportações e redução das importações.

A ZEE Luanda/Bengo é propriedade do Estado e compreende 21 reservas flexíveis, sendo sete Reservas Industriais, seis Reservas Agrícolas e oito Reservas Mineiras, distribuídas entre os municípios de Viana (oito mil hectares), Cacuaco  (vinte mil hectares) e Icolo e Bengo (trinta mil hectares), na província de Luanda, e nos municípios do Ambriz e Dande (total de cento e vinte mil hectares) na província do Bengo.



Para o efeito, António Henriques da Silva está no Bengo para constatar os factores que, fazendo parte da actividade da ZEE, podem contribuir, futuramente, para a geração de empregos e para a implementação de projectos em diferentes áreas como a indústria ou agricultura.

O PCA da ZEE explicou, em declarações à imprensa, que a visita ao Bengo permitiu estabelecer  um cronograma e a  definição de acções entre o do Governo local, ressaltando que a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações de Angola (AIPEX) pode, igualmente, ajudar e apoiar a implementação de projectos dentro da Zona Económica Especial na província do Bengo.

A Zona Económica Especial (ZEE) Luanda/Bengo, criada em 2009, tem como missão a atracção de investimentos internos e externos, nacionais e estrangeiros, incentivar o desenvolvimento e a diversificação da economia do nosso país, por via do aumento da produção, crescimento das exportações e redução das importações.

A ZEE Luanda/Bengo é propriedade do Estado e compreende 21 reservas flexíveis, sendo sete Reservas Industriais, seis Reservas Agrícolas e oito Reservas Mineiras, distribuídas entre os municípios de Viana (oito mil hectares), Cacuaco  (vinte mil hectares) e Icolo e Bengo (trinta mil hectares), na província de Luanda, e nos municípios do Ambriz e Dande (total de cento e vinte mil hectares) na província do Bengo.